PLANTAS MEDICINAIS, FITOTERÁPICOS E SAÚDE PÚBLICA: UM DIAGNÓSTICO SITUACIONAL ENTRE PROFISSIONAIS DA ÁREA DA SAÚDE EM ANÁPOLIS, GOIÁS

Autores

  • Mirley Glória Centro Universitário de Anápolis – UNIEVANGELICA

DOI:

https://doi.org/10.21664/2238-8869.2012v1i2.p76-92

Resumo

Objetivou-se avaliar o conhecimento sobre o uso de plantas medicinais e  fitoterápicos pelos profissionais da saúde em Anápolis, GO, tendo como embasamento a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde. Utilizou-se de questionário estruturado, sendo amostrados 220 profissionais da área da saúde. Somente 17% fazem uso das plantas e fitoterápicos, sendo estes: enfermeiros, técnicos em enfermagem e fisioterapeutas. Quanto ao posicionamento em relação ao uso
das plantas medicinais e fitoterápicos, foram favoráveis: 100% dos fisioterapeutas, farmacêuticos e odontólogos; 86% dos técnicos em enfermagem, 65% dos enfermeiros, e 17% dos médicos. A PNPIC é totalmente desconhecida por esses profissionais, o que sugere que para a efetiva implantação dessa política pública de saúde no município, ações no sentido de esclarecimentos e capacitação devem ser tomadas. Cabe ressaltar a importância da informação para que o profissional possa se posicionar em relação as Práticas Integrativas e Complementares, sobretudo sobre sua
inserção no SUS.

Publicado

2013-09-02

Como Citar

GLÓRIA, Mirley. PLANTAS MEDICINAIS, FITOTERÁPICOS E SAÚDE PÚBLICA: UM DIAGNÓSTICO SITUACIONAL ENTRE PROFISSIONAIS DA ÁREA DA SAÚDE EM ANÁPOLIS, GOIÁS. Fronteira: Journal of Social, Technological and Environmental Science, [S. l.], v. 1, n. 2, p. 76–92, 2013. DOI: 10.21664/2238-8869.2012v1i2.p76-92. Disponível em: https://periodicos.unievangelica.edu.br/index.php/fronteiras/article/view/405. Acesso em: 18 jul. 2024.