Responsabilidade Civil Do Estado Na Relação De Custódia: Omissão Específica Do Estado

  • José Lucas Rodrigues Faleiro Centro Universitário de Anápolis UniEvangélica
  • Alessandro Gonçalves da Paixão Universidade Evangélica de Goiás - UniEVANGÉLICA
Palavras-chave: Responsabilidade. Estado, Omissão. Especifica, Custódia, Risco integral

Resumo

O presente estudo tem por objetivo estudar a responsabilidade civil do Estado na relação de custódia, considerando o atual panorama do sistema penitenciário brasileiro, cumulado às condições financeiras precárias do Brasil, tendo como parâmetro principal a Constituição Federal de 1988, bem como a doutrina e as decisões proferidas pelos Tribunais Superiores. Em princípio analisar-se-á os aspectos da responsabilidade civil do Estado na Constituição Federal de 1988, que acompanhando as evoluções mundiais, introduziu na atual Carta Magna, previsão expressa acerca do instituto. Além disso, serão analisadas as principais decisões dos Tribunais Superiores e as divergências doutrinarias acerca do assunto, especialmente no que tange à responsabilidade extrapatrimonial do Estado no caso de omissões especificas na custódia criminal. Por fim, discutir-se-á, especificamente, acerca da responsabilidade civil do Estado na relação de custódia, considerando a atual crise financeira do País, bem como a grave situação do sistema prisional brasileiro, sob o prisma da doutrina e jurisprudência dos Tribunais Superiores.

Referências

ALEXANDRINO, Marcelo. Direito administrativo descomplicado. Marcelo Alexandrino, Vicente Paulo. 26. ed. [2. Reimpr]. Rio de Janeiro: Forense. São Paulo. Método, 2018.

BRASIL. Código Civil, Lei 10.406, de 10 de janeiro de 2002. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10406.htm. Acesso em: 12 nov. 2019.

BRASIL. SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA. Recurso Especial 1.346.430-PR. Relator Min. Luis Felipe Salomão. Data de julgamento: 18/10/2012. Disponível em: https://scon.stj.jus.br/SCON/SearchBRS?b=INFJ&tipo=informativo&livre=@COD=%270507%27. Acesso em: 30 jan. 2020.

BRASIL. SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA. Recurso Especial 1.435.687-MG. Relator Min. Humberto Martins. Data de julgamento: 07/05/2015. Disponível em: https://ww2.stj.jus.br/processo/revista/inteiroteor/?num_registro=201400307815&dt_publicacao=19/05/2015. Acesso em: 06 mar. 2020.

BRASIL. SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental 347 - DF. Relator: Min. Marco Aurélio. Data de julgamento: 09/05/2015. Disponível em: https://jurisprudencia.stf.jus.br/pages/search?classeNumeroIncidente=%22ADPF%20347%22&base=acordaos&sinonimo=true&plural=true&page=1&pageSize=10&sort=_score&sortBy=desc&isAdvanced=true. Acesso em: 07 mar. 2020.

BRASIL. SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. Recurso Extraordinário 237.561-RS. Relator Min. Sepúlveda Pertence. Data de julgamento: 18/12/2001. Disponível em: http://www.stf.jus.br/arquivo/informativo/documento/informativo262.htm. Acesso em: 29 jan. 2020.

BRASIL. SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. Recurso Extraordinário 580.252. Relator: Min. Alexandre de Moraes. Data de julgamento: 16/02/2017. Disponível em: . Acesso em: 03 de set. 2019.

BRASIL. SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. Recurso Extraordinário 78.569. Relator Min. Firmino Paz. Data de julgamento: 15/09/1981. Disponível em: http://www.stf.jus.br/portal/jurisprudencia/listarJurisprudencia.asp?s1=%28RE+78569%29&base=baseAcordaos&url=http://tinyurl.com/wahvv4y. Acesso em: 29 jan. 2020.

BRASIL. SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. Recurso Extraordinário 841.526. Relator: Min. Luiz Fux. Data de julgamento: 30/03/2016. Disponível em: http://www.stf.jus.br/portal/jurisprudenciaRepercussao/verAndamentoProcesso.asp?incidente=4645403&numeroProcesso=841526&classeProcesso=RE&numeroTema=592. Acesso em: 31 jan. 2020.

DEPARTAMENTO PENITENCIARIO BRASILEIRO. Levantamento Nacional de Informações Penitenciarias – junho 2019. Disponível em: https://app.powerbi.com/view?r=eyJrIjoiZTk3ZTdmMDEtMTQxZS00YmExLWJhNWYtMDA5ZTllNDQ5NjhlIiwidCI6ImViMDkwNDIwLTQ0NGMtNDNmNy05MWYyLTRiOGRhNmJmZThlMSJ9. Acesso em: 10 abr. 2020.

DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito administrativo. 29. ed. Rio de Janeiro. Forense, 2016.

FILHO, Sergio Cavalieri. Programa de Responsabilidade Civil. 8 ed. São Paulo. Atlas, 2009.

JUSTEN FILHO, Marçal. Curso de Direito Administrativo. 11 ed. rev. Atual. E ampl. São Paulo. Revista dos Tribunais, 2015.

MEDAUAR, Odete. Direito administrativo moderno. 21. ed. Belo Horizonte. Fórum, 2018.

MEIRELLES. Hely Lopes. Direito Administrativo Brasileiro. 41 ed. São Paulo. Malheiros, 2018.

MOREIRA, Rômulo de Andrade. A realidade carcerária em números. Justificando.com.br, publicado em: 02 jun. 2018. Disponível em: http://www.justificando.com/2018/07/02/realidade-carceraria-do-brasil-em-numeros/. Acesso em: 16 de abril de 2020.

SCHREIBER, Anderson. Novos Paradigmas da Responsabilidade Civil: da erosão dos filtros da reparação à diluição dos danos. São Paulo. Atlas, 2012.

STOCO, Rui. Tratado de Responsabilidade Civil. 6. ed. São Paulo. Revista dos Tribunais, 2004.
Publicado
2021-12-27