Princípio Do Estado De Inocência Versus Presunção De Culpa

  • Marcelo Di Rezende PUC

Resumo

O presente estudo tem como objetivo discorrer sobre o princípio da inocência, previsto no art. 5º, inciso LVII, da Constituição Federal, e que determina que ninguém poderá ser considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória. Esse princípio encontra-se assegurado por alguns dispositivos internacionais, tais como a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão; a Organização das Nações Unidas, a Convenção Americana sobre Direitos Humanos e o Pacto de São José da Costa Rica, determinando que a pessoa acusada de haver cometido uma infração penal seja presumidamente inocente até que passe em julgado sentença penal que a condene, consagrando, deste modo, o respeito à liberdade e ao princípio da dignidade da pessoa humana.

Biografia do Autor

Marcelo Di Rezende, PUC
Advogado, Mestre em Direito pela PUC-GOIÁS, Especialista em Direito Penal e Processual Penal, em Ciências Penais e em Direito Constitucional, Professor Universitário de graduação e pós-graduação.

Referências

ALVES, Cleber Francisco. O Princípio Constitucional da Dignidade da Pessoa Humana: o enfoque da doutrina social da igreja. Rio de Janeiro: Renovar, 2001.
BARROS, Marco Antonio de. A Busca da Verdade no Processo Penal. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002.
BONAVIDES, Paulo. Curso de Direito Constitucional. 18ª São Paulo: Malheiros, 2006.
DELMANTO, Celso. Código Penal Comentado. 3ª São Paulo: Renovar, 1991.
FACHIN, Zulmar. Teoria geral do Direito Constitucional. Londrina: UEL, 2006.
GOMES, Luiz Flávio. Estudos de Direito Penal e Processo Penal. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1999,
JESUS, Damásio de. Direito Penal: parte geral. 21. ed. São Paulo: Saraiva, 1998. v. I.
MARTINS, Weber. Liberdade Provisória. Rio de Janeiro: Forense, 1981.
MIRABETE, Júlio Fabbrini. Processo Penal. 16. ed. São Paulo: Atlas, 2004.
NETTO, José Laurindo de Souza. Processo Penal: sistemas e princípios. Curitiba: Juruá, 2003.
OLIVEIRA, Eugênio Pacelli de. Curso de Processo Penal. 3ª Belo Horizonte: Del Rey. 2004.
PRADO, Luiz Regis. Curso de Direito Penal Brasileiro. 2ª São Paulo: Revista dos Tribunais, 2000. v. I.
RANGEL, Paulo. Direito Processual Penal. 8ª. rev. atual. amp. São Paulo: Editora Lúmen Júris, 2004.
REALE JUNIOR, Miguel. Teoria do Delito. 2ª São Paulo: Revista dos Tribunais, 2001.
ROCHA, Luiz Otavio de Oliveira; BAZ, Marco Antonio Garcia. Fiança Criminal e Liberdade Provisória. 2. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2000.
SARMENTO, Daniel. A ponderação de interesses na Constituição Federal. Rio de Janeiro: Lúmen Júris, 2003.
SILVA, José Afonso. Comentário Contextual à Constituição. São Paulo: Malheiros, 2006.
SZNICK, Valdir. Comentários à Lei dos Crimes Hediondos. 3ª São Paulo: Eud, 1991.
TOLEDO, Francisco de Assis. Princípios Básicos de Direito Penal. 5ª São Paulo: Saraiva, 2001.
TOURINHO FILHO, Fernando da Costa. Manual de Processo Penal. 3ª ed. rev. atual. amp. São Paulo: Editora Saraiva, 2001.
Publicado
2017-12-04