Híbridos de Milho Afetam a Quantidade de Etanol Produzida no Cerrado do Centro-Oeste Paulista

  • Eduardo do Valle Lozano Universidade do Sagrado Coração, USC, Brasil.
  • Lucas Conegundes Nogueira Universidade do Estado de Minas Gerais, UEMG, Brasil.
  • Giovanni Uema Alcântara Centro Universitário do Sagrado Coração, UNISAGRADO, Brasil. 
  • Gustavo Henrique Gravatim Costa Universidade do Estado de Minas Gerais, UEMG, Brasil. https://orcid.org/0000-0003-3723-2393
Palavras-chave: Zea mays, Saccharomyces cerevisiae, Bioenergia, Setor Sucroenergético

Resumo

O setor sucroenergético brasileiro vem utilizando o milho para a produção de etanol por apresentar ciclo vegetativo de 120 dias, cultivo em áreas de renovação de canaviais, e seus grãos podem ser armazenados por longos períodos de tempo. Neste sentido, o objetivo da pesquisa foi avaliar as características agronômicas de três híbridos de milho, e os reflexos do processamento dos grãos para a produção de etanol. O experimento foi instalado no município de Agudos no Estado de São Paulo na safra 2016/2017. A área experimental foi de 8.000m2, com 12 parcelas de 450m2 cada. Utilizou-se os híbridos 2B587PW, 2B633PW e 2B810PW. O plantio foi realizado em outubro de 2016 e a colheita ocorreu aos 150 dias após a semeadura (DAS). Durante o desenvolvimento da cultura (45, 75, 90 e 110 DAS) avaliou-se os parâmetros biométricos. Os grãos foram colhidos mecanicamente, triturados e imersos em água, adicionando-se a enzima α-amilase, originando o mosto. Os mostos foram submetidos à inoculação pela levedura industrial BG-1. Os híbridos 2B587PW, 2B633PW e 2B810PW resultaram em 3,65, 3,74 e 2,94 t ha-1 de grãos, respectivamente. Observaram-se valores médios de 430 L de etanol recuperados por ha processado. Conclui-se que o híbrido 2B633PW é o mais indicado para o cultivo no centro-oeste paulista, por apresentar maior produtividade de grãos, bem como há reflexos dos híbridos de milho processados sob o desempenho fermentativo da levedura BG-1, sendo o 2B810PW o que resulta em maior eficiência fermentativa e quantidade de etanol produzida por tonelada de milho processada.

Biografia do Autor

Eduardo do Valle Lozano, Universidade do Sagrado Coração, USC, Brasil.
Mestrado em Ciência e Tecnologia Ambiental pela Universidade do Sagrado Coração, USC, Brasil.
Lucas Conegundes Nogueira, Universidade do Estado de Minas Gerais, UEMG, Brasil.
Mestrado em andamento em Ciências Ambientais pela Universidade do Estado de Minas Gerais, UEMG, Brasil.
Giovanni Uema Alcântara, Centro Universitário do Sagrado Coração, UNISAGRADO, Brasil. 
Graduação em Engenharia Química pelo Centro Universitário do Sagrado Coração, UNISAGRADO, Brasil. 
Gustavo Henrique Gravatim Costa, Universidade do Estado de Minas Gerais, UEMG, Brasil.
Doutorado em Microbiologia Agropecuária pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP, Brasil. Docente na Universidade do Estado de Minas Gerais, UEMG, Brasil.

Referências

Abbott, Derek A, and WM Ingledew. 2004. “Buffering Capacity of Whole Corn Mash Alters Concentrations of Organic Acids Required to Inhibit Growth of Saccharomyces Cerevisiae and Ethanol Production.” Biotechnology Letters 26 (16): 1313–16. https://doi.org/10.1023/B:BILE.0000044924.76429.71.
Aguiar, Adriano Tosoni da Eira, Charleston Gonçalves, Maria Elisa Ayres Guidetti Zagatto Paterniani, Maria Luiza Sant’Anna Tucci, and Carlos Eduardo Ferreira de Castro. 2014. “Boletim 200 - Instruções Agrícolas Para as Principais Culturas Econômicas.”
Amorim, HV, LC Basso, and DG Alves. 1996. Processos de Produção de Álcool: Controle e Monitoramento. Piracicaba.
Balat, Mustafa, Havva Balat, and Cahide Öz. 2008. “Progress in Bioethanol Processing.” Progress in Energy and Combustion Science 34 (5): 551–73. https://doi.org/10.1016/j.pecs.2007.11.001.
Barbosa, José Carlos, and Walter Maldonado Júnior. 2015. Experimentação Agronômica & AgroEstat: Sistema Para Análises Estatísticas de Ensaios Agronômicos.
Basso, Luiz Carlos, Thiago Olitta Basso, and Saul Nitsche Rocha. 2011. “Ethanol Production in Brazil: The Industrial Process and Its Impact on Yeast Fermentation.” In Biofuel Production-Recent Developments and Prospects. InTech. https://doi.org/10.5772/17047.
Cardoso, Milton José, Hélio Wilson Lemos de Carvalho, Leonardo Melo Pereira Rocha, Cleso Antônio Patto Pacheco, Paulo Evaristo de Oliveira Guimarães, and Lauro José Moreira Guimarães. 2014. Adaptabilidade e Estabilidade de Cultivares Comerciais de Milho No Meio-Norte Brasileiro.
Chavan, SM, A Kumar, and SJ Jadhav. 1991. “Rapid Quantitative Analysis of Starch in Sugar Cane Juice.” International Sugar Journal 93: 56–59.
CONAB, Companhia Nacional de Abastecimento. 2019. “Acompanhamento Da Safra Brasileira: Grãos - Safra 2018/19 – Sexto Levantamento.”
Costa, Gustavo HG, Igor S Masson, Lidyane A de Freita, Juliana P Roviero, and Márcia JR Mutton. 2015. “Reflexos Da Clarificação Do Caldo de Cana Com Moringa Sobre Compostos Inorgânicos Do Açúcar VHP.” Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental 19 (2): 154–59. https://doi.org/10.1590/1807-1929/agriambi.v19n2p154-159.
Cruz, JC, IAF Perreira, RC Alvarenga, MMG Neto, JHM Viana, MF Oliveira, WJR Matrangolo, and MRF Alburquerque. 2010. “Cultivo Do Milho.”
Devantier, Rasmus, Sven Pedersen, and Lisbeth Olsson. 2005. “Characterization of Very High Gravity Ethanol Fermentation of Corn Mash. Effect of Glucoamylase Dosage, Pre-Saccharification and Yeast Strain.” Applied Microbiology and Biotechnology 68 (5): 622–29. https://doi.org/10.1007/s00253-005-1902-9.
Fernandes, Antonio Carlos. 2003. Cálculos Na Agroindústria de Cana-de-Açúcar. Piracicaba.
Ferreira, Osania Emerenciano. 2015. “Produção de Etanol a Partir de Sorgo Sacarino Com Tratamento Enzimático.”
Folin, Otto, and Vintila Ciocalteu. 1927. “On Tyrosine and Tryptophane Determinations in Proteins.” The Journal of Biological Chemistry 73 (2): 627–50.
Galvão, JCC, A Borém, and MA Pimentel. 2015. Milho: Do Plantio a Colheita. Viçosa.
Hall, Jeremy, Stelvia Matos, Liv Severino, and Napoleão Beltrão. 2009. “Brazilian Biofuels and Social Exclusion: Established and Concentrated Ethanol versus Emerging and Dispersed Biodiesel.” Journal of Cleaner Production 17 (November): S77–85. https://doi.org/10.1016/j.jclepro.2009.01.003.
IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2017. “Número de Estabelecimentos Agropecuários, Quantidade Produzida e Área Colhida, Por Produtos Da Lavoura Temporária.” https://www.ibge.gov.br/estatisticas/economicas/agricultura-e-pecuaria/21814-2017-censo-agropecuario.html?edicao=21858&t=resultados.
ICUMSA, Internattional Commission for Uniform Methods of Sugar Analysis. 2017. ICUMSA Methods Book Supplement 2017.
Landau, Elena Charlotte, Paulo César Magalhães, and Daniel Pereira Guimarães. 2019. “Relações Com o Clima: Milho.” Agência Embrapa de Informação Tecnológica (AGEITEC). 2019.
Lozano, Eduardo do Valle, Letícia Murador Blanco, Giovanni Uema Alcantara, Lucas Conegundes Nogueira, Sandro Ciaramello, and Gustavo Henrique Gravatim Costa. 2018. “Effect of Application of Flowering Inhibitor on Sweet Sorghum.” African Journal of Agricultural Research 13 (4): 196–201. https://doi.org/10.5897/AJAR2017.12902.
Macri, Rita de Cásssia Vieira, Gustavo Henrique Gravatim Costa, Nayara Abrão Montijo, Aline Ferriera Silva, and Marcia Justino Rossini Mutton. 2014. “Moringa Extracts Used in Sugarcane Juice Treatment and Effects on Ethanolic Fermentation.” African Journal of Biotechnology 13 (42): 4124–30. https://doi.org/10.5897/AJB2014.14025.
Manochio, C., B.R. Andrade, R.P. Rodriguez, and B.S. Moraes. 2017. “Ethanol from Biomass: A Comparative Overview.” Renewable and Sustainable Energy Reviews 80 (December): 743–55. https://doi.org/10.1016/j.rser.2017.05.063.
Masson, Igor dos Santos, Gustavo Henrique Gravatim Costa, Juliana Pelegrini Roviero, Lidyane Aline de Freita, Miguel Angelo Mutton, and Márcia Justino Rossini Mutton. 2015. “Produção de Bioetanol a Partir Da Fermentação de Caldo de Sorgo Sacarino e Cana-de-Açúcar.” Ciência Rural 45 (9): 1695–1700. https://doi.org/10.1590/0103-8478cr20130549.
Messias, RC, LC Nogueira, and GHG Costa. 2016. “Compostos Fenólicos Afetam a Levedura Durante o Processo Fermentativo.” Ciência & Tecnologia, 1–5.
Miller, G. L. 1959. “Use of Dinitrosalicylic Acid Reagent for Determination of Reducing Sugar.” Analytical Chemistry 31 (3): 426–28. https://doi.org/10.1021/ac60147a030.
Mosier, NS, and KE Lleleji. 2014. “How Fuel Ehtanol Is Made from Corn.” In Bioenergy: Biomass to Biofuels.
Neto, Cezar Faiad. 2014. “Usina Flex: Cana/Milho.”
Shioga, Pedro Sentaro, Antonio Carlos Gerage, Pedro Mário de Araújo, Rodolfo Bianco, Adriano Augusto de P. Custódio, and Alberto Sergio do Rego Barros. 2016. “Avaliação Estadual de Cultivares de Milho: Safra 2015/2016.”
Taiz, L, and E Zeiger. 2009. Fisiologia Vegetal. Artmed. Porto Alegre.
Thomas, K.C., S.H. Hynes, and W.M. Ingledew. 2001. “Effect of Lactobacilli on Yeast Growth, Viability and Batch and Semi-Continuous Alcoholic Fermentation of Corn Mash.” Journal of Applied Microbiology 90 (5): 819–28. https://doi.org/10.1046/j.1365-2672.2001.01311.x.
Unicadata. 2019. “Única: União Da Indústria de Cana-de-Açúcar.” 2019. http://www.unicadata.com.br/.
Publicado
2020-03-05
Como Citar
Lozano, Eduardo do Valle, Lucas Conegundes Nogueira, Giovanni Uema Alcântara, e Gustavo Henrique Gravatim Costa. 2020. Híbridos De Milho Afetam a Quantidade De Etanol Produzida No Cerrado Do Centro-Oeste Paulista. Fronteiras: Journal of Social, Technological and Environmental Science 9 (1), 424-38. https://doi.org/https://doi.org/10.21664/2238-8869.2020v9i1.p424-438.