Manejo de Variedades Tradicionais de Milho em Comunidades de Agricultores Familiares no Mato Grosso do Sul

  • Marta Hoffmann Secretaria de Meio Ambiente e Gestão Urbana, SEMADUR, da Prefeitura Municipal de Campo Grande, P/CAMPO GRANDE, Brasil.
  • José Ozinaldo Alves de Sena Universidade Estadual de Maringá, UEM, Brasil.
Palavras-chave: Agricultura Familiar, Agrobiodiversidade, Mato Grosso do Sul, Zea mays L.

Resumo

Este trabalho teve como objetivo conhecer e compreender as práticas de manejo de variedades tradicionais de milho adotadas em comunidades de agricultores familiares – assentados da reforma agrária e indígenas Guarani Kaiowá – nos municípios de Sidrolândia, Juti e Dourados, no estado do Mato Grosso do Sul. Foram observadas e analisadas as práticas culturais nas seguintes etapas de desenvolvimento: a semente; o preparo do solo; o plantio do milho; os tratos culturais; seleção de germoplasma; a colheita e usos do milho; e o armazenamento do germoplasma. Embora estas comunidades resistam na conservação das variedades tradicionais de milho a contaminação por transgênicos e os desequilíbrios ambientais são ameaças constantes à conservação destas variedades.  Para tanto se faz necessário o estabelecimento de parcerias entre instituições, bem como de um fórum amplo no estado de Mato Grosso do Sul visando a construção de propostas e ações para proteção e conservação da agrobiodiversidade deste estado.

Biografia do Autor

Marta Hoffmann, Secretaria de Meio Ambiente e Gestão Urbana, SEMADUR, da Prefeitura Municipal de Campo Grande, P/CAMPO GRANDE, Brasil.
Mestrado profissional em Agroecologia pela Universidade Estadual de Maringá, UEM, Brasil. Agente Fiscal de Meio Ambiente na Secretaria de Meio Ambiente e Gestão Urbana, SEMADUR, da Prefeitura Municipal de Campo Grande, P/CAMPO GRANDE, Brasil.
José Ozinaldo Alves de Sena, Universidade Estadual de Maringá, UEM, Brasil.
Doutorado em Agronomia (Solos e Nutrição de Plantas) pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, USP/PIRACICABA, Brasil, com período sanduíche na University of Tübingen, TUBINGEN, Alemanha. Docente na Universidade Estadual de Maringá, UEM, Brasil.

Referências

Altieri MA 1989. Agroecologia: as bases científicas da agricultura alternativa. SPTA/FASE, Rio de Janeiro, 237pp.
Brand AJ, Colman RS, Costa RB 2008. Populações indígenas e lógicas tradicionais de desenvolvimento local. Interações, 9(2):171-179.
Brasil (Conselho Nacional de Saúde) 2012 [página na internet]. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humano. [publicação 12 dez 2012; acesso 22 abr 2016]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/ res0466_12_12_2012.html.
Carvalho HM 2003. Sementes: patrimônio do povo a serviço da humanidade (subsídios ao debate). Expressão popular, São Paulo, 352pp.
Cassol PK 2013. Construindo a autonomia: o caso da associação dos guardiões das sementes crioulas de Ibarama/RS. UFSM, Santa Maria, 111 pp.
Colman RS, Brand AJ 2008. Considerações sobre o território para os Kaiowá e Guarani. Tellus, 15(08):153-174.
Costa FM, Silva NCA, Ogliari JB 2017. Maize diversity in southern Brazil: indication of a microcenter of Zea mays L. Genetic Resources and Crop Evolution, 64:681–700.
Crespe AC 2015. Mobilidade e temporalidade kaiowá: do tekoha à reserva, do tekoharã ao tekoha. Tese de doutorado, Universidade Federal da Grande Dourados-UFGD, Dourados, 428 pp.
Gliessman SR 2005. Agroecologia: processos ecológicos em agricultura sustentável. UFRGS, Porto Alegre, 653 pp.
Harlan JR 1995. The living fields: our agricultural heritage. Cambridge University Press, Cambridge.
Londres F 2014. Sementes da diversidade, a identidade e o futuro da agricultura familiar. Revista Agriculturas, 1(11):4-8
Santilli J 2009. Agrobiodiversidade e direitos dos agricultores. Peirópolis, São Paulo, 520pp.
Silva NCA, Vidal R, Ogliari JB 2017. New popcorn races in a diversity microcenter of Zea mays L. in the Far West of Santa Catarina, Southern Brazil. Genetic Resources and Crop Evolution, 64:191–1204.
Wanderley MN 2005. Raízes históricas do campesinato brasileiro. In: Vozes, O campesinato no século XXI: possibilidades e condicionantes do desenvolvimento do campesinato no Brasil, Horácio Martins de Carvalho, Petrópolis, p. 26-27.
Zanatta JC, Schiocchet MA, Nadal R 1993. Mandioca consorciada com milho, feijão ou arroz de sequeiro no Oeste Catarinense. In: EPAGRI. Boletim Técnico 64. Florianópolis, p. 37.
Publicado
2020-03-04
Como Citar
Hoffmann, Marta, e José Ozinaldo Alves de Sena. 2020. Manejo De Variedades Tradicionais De Milho Em Comunidades De Agricultores Familiares No Mato Grosso Do Sul. Fronteiras: Journal of Social, Technological and Environmental Science 9 (1), 273-92. https://doi.org/https://doi.org/10.21664/2238-8869.2020v9i1.p273-292.