Criação e Aplicação de Recursos Educativos Digitais com o Universal Design for Learning na Promoção da Inclusão

Investigação-Ação na Aprendizagem da Ferramenta Book Builder

  • Maria Manuela Alves Universidade da Beira Interior, UBI, Portugal
  • Jaime Ribeiro Instituto Politécnico de Leiria, IPLeiria, Portugal
  • Fátima Simões Universidade da Beira Interior, UBI, Portugal
Palavras-chave: Universal Design for Learning, Inclusão, Recursos Educativos Digitais/TIC, Necessidades Educativas Especiais

Resumo

O conhecimento científico afigura-se associado à definição de pressupostos epistemológicos/metodológicos que suportam qualquer investigação e o próprio pensamento do investigador. A metodologia usada encontra-se ancorada na triangulação de metodologias, técnicas e abordagens, na forma de Investigação-Ação, onde relevou a análise de conteúdo com o apoio do programa de investigação qualitativa WebQDA. Pretendeu-se dissecar o percurso metodológico, cujo trabalho de campo se centrou num programa formativo dirigido a profissionais de educação, com o intuito de lhes dar a conhecer os princípios curriculares desenhados através do Universal Design for Learning e de os dotar de competências digitais com recurso à ferramenta CAST UDL Book Builder. Com o apoio do UDL, fomentando a utilização de recursos educativos digitais construídos através da ferramenta Book Builder, foram desenvolvidas respostas pedagógicas/motivadoras/inovadoras/ literácitas, reiterando-se a importância desta ferramenta na promoção da inclusão e da literacia digital para todos os alunos, com e sem Necessidades Educativas Especiais.

Biografia do Autor

Maria Manuela Alves, Universidade da Beira Interior, UBI, Portugal
Universidade da Beira Interior, UBI, Portugal. Agrupamento de Escolas de Tondela Cândido de Figueiredo, AETCF, Portugal.
Jaime Ribeiro, Instituto Politécnico de Leiria, IPLeiria, Portugal
Escola Superior de Saúde do Instituto Politécnico de Leiria, IPLeiria, Portugal. Unidade de Investigação em Saúde, UIS/IPLeiria, Portugal. Centro de Investigação Inclusão e Acessibilidade em Ação, iACT, Portugal. Centro de Investigação Didática e Tecnologia na Formação de Formadores, CIDTFF/UA, Portugal.
Fátima Simões, Universidade da Beira Interior, UBI, Portugal
Universidade da Beira Interior, UBI, Portugal. Centro de Investigação Labcom.IFP, Labcom.IFP-UBI, Portugal. Centro Investigação Instituto de Psicologia Cognitiva Desenvolvimento Vocacional e Social, FPCE-UC, Portugal.

Referências

Ainscow M, Booth A, Dyson P, Farrell J, Frankham F, Gallannaugh A, Howes R 2006. Improving schools, developing inclusion, London, 218 pp.

Alonso M, Arandia M, Loya M 2008. La tertulia como estratégia metodológica en la formación continua: avanzando en la dinâmicas dialógicas. Revista Interuniversitaria de Formación del Professorado, 11(1):71-77.

Amado J, Costa A, Crusoé N 2013. A Técnica da análise de conteúdo. In J Amado (Coord.) Manual de Investigação Qualitativa em Educação, Coimbra, p.107-114.

Bailey K 2007. Methods of social research, Simon and Schuster, 592 pp.

Balanskat A, Blamire R, Kefala S 2006. The ICT impact report. A review of studies of ICT impact on schools in Europe, Bélgica, 69 pp.

Bardin L 2009. Análise de conteúdo, Lisboa, 225 pp.

Barros D, Neves C, Seabra F, Moreira J, Henriques S 2011. Educação e tecnologias: reflexão, inovação e práticas, Lisboa, 524 pp.

Beastall L 2006. Enchanting a disenchanted child: revolutionising the means of education using Information and Communication Technology and e-learning. British Journal of Sociology of Education, 27(1):97-110.

BECTA 2010. 21st century teacher: Are you ready to meet the challenge?, Millburn Hill Road (Reino Unido), 9 pp.

Bogdan R, Biklen S 1994. Investigação qualitativa em educação. Uma introdução à teoria e aos métodos, Porto, 335 pp.

Bound H 2011. Vocational education and training teacher professional development: tensions and context. Studies in Continuing Education, 33(2):107-119.

Cadório L, Simão A 2011. A investigação-acção na formação de professores: um caso de autorregulação de aprendizagem. In M Alves, M Flores (Org.), Trabalho Docente, Formação e Avaliação. Clarificar conceitos, fundamentar práticas, Mangualde, p. 101-127.

Coll C, Rochera M, Colomina R 2010. Situated uses of ICT and mediation of joint activity in a primary education instructional sequence. Electronic Journal of Research in Educational Psychology, 8(2):517-540.

Costa AP, Souza FN, Reis LP, Freitas F 2016. Features for the promotion of collaborative work in qualitative research: WebQDA software. In 11th Iberian Conference on Information Systems and Technologies (CISTI), Gran Canaria, p. 1-6.

Costa F 2007. Tecnologias em Educação - um século à procura de identidade. In F Costa, H Peralta, S Viseu (Eds.), As TIC na educação em Portugal: Concepções e práticas, Porto, p. 14-30.

Costa F 2008. Competências TIC: Estudo de implementação, Lisboa, 203 pp.

Coutinho C, Sousa A, Dias A, Bessa B, Ferreira M, Vieira S 2009. Investigação-Acção: Metodologia preferencial nas práticas educativas. Psicologia, Educação e Cultura, 2:455-479.

Cowie B, Jones A 2009. Teaching and learning in the ICT environment. In LJ Saha, AG Dworkin (Eds.), International handbook of research on teachers and teaching, Canberra, p. 791-801.

Chai C, Koh J, Tsai C 2010. Facilitating preservice teachers' development of Technological, Pedagogical, and Content Knowledge (TPACK). Educational Technology & Society, 13(4):63-73.

Chenail R 2011. Ten steps for conceptualizing and conducting qualitative research studies in a pragmatically curious manner. Qualitative Report, 16(6):1713-1730.

Davis N, Preston C, Sahin I 2009. Training teachers to use new technologies impacts multiple ecologies: Evidence from a national initiative. British Journal of Educational Technology, 40(5):861-878.

Denzin N, Lincoln Y 2005. The Sage handbook of qualitative research, New York, 784 pp.

Esteves M 2006. Análise de Conteúdo. In JA Lima, JA Pacheco (orgs), Fazer Investigação- contributos para a elaboração de dissertações e teses, Porto, p.105-126.

Falkembach G 2005. Concepção e desenvolvimento de material educativo digital. RENOTE - Revista Novas Tecnologias na Educação, UFRGS/POA, 3:1-15.

Flick U 2005. Métodos qualitativos na investigação científica, Lisboa, 316 pp.

Flick U 2009. Desenho da pesquisa qualitativa, Porto Alegre, 395 pp.

Flores M, Hilton G, Niklassom I 2011. Reflexão, profissionalismo e qualidade dos professores. In M Alves, M Flores (Org.), Trabalho docente, formação e avaliação. Clarificar conceitos, fundamentar práticas, Mangualde, p. 19-34.

Florian L, Hegarty J 2004. ICT and special educational needs - A tool for inclusion. Berkshire, 168 pp.

Freire P 2007. Pedagogia da autonomia, São Paulo, 146 pp.

Gadotti M 2003. Boniteza de um sonho: ensinar e aprender com sentido, Novo Hamburgo-Rio Grande do Sul, 81 pp.

Gibbs G 2009. Análise de dados qualitativos, Porto Alegre, 198 pp.

Gomes M, Costa F 2010. A Escola e a agenda digital europeia. Educação, Formação & Tecnologias, 3(1):1-5.

Hardy I, Ronnerman K 2011. The value and valuing of continuing professional development: Current dilemmas, future directions and the case for action research. Cambridge Journal of Education, 41(4):461-472.

Hixon E, Buckenmeyer J 2009. Revisiting technology integration in schools: Implications for professional development. Computers in the Schools, 26(2):130-146.

Hurtado J 2006. Investigatión cualitativ: Compreender y actuar, Madrid, 392 pp.

Jesus S, Martins M 2011. Práticas educativas para a construção de uma escola inclusiva [serial on the internet]. [cited 2017 Aug 13]. Available from: http://coralx.ufsm.br/revce/ceesp/2001/02/a2.htm.

Johnson R, Onwuegbuzie A 2004. Mixed methods research: A research paradigm whose time has come. Educational Researcher, 33(7):14-26.

Kenzi VM 2007. Tecnologias e ensino presencial e à distância, São Paulo, 249 pp.

Koelher M, Mishra P 2008. Introducting Technological Pedagogical Knowledge. In AACTE (Eds.) The handbook of technological, pedagogical content knowledge for educators, New York, p. 3-30.

Kuechler B, Vaishnavi V 2012. Characterizing design science theories by level of constraint on design decisions design science research in information systems. Advances in Theory and Practice, New York, p. 345-353.

Mackenzie N, Knipe S 2006. Research dilemmas: Paradigms, methods and methodology. Issues in educational research, 16(2):193-205.

Madureira I, Leite T 2003. Necessidades educativas especiais, Lisboa, 164 pp.

Marques V 2009. Os Quadros interactivos no ensino da matemática, PhD Thesis, Universidade Portucalense, Porto, 148 pp.

McNiff J 2013. Action research: Principles and practice, London, 240 pp.

Meyer A, Rose D, Gordon D 2014. Desenho Universal para a Aprendizagem: Teoria e prática, Wakefield (MA), 278 pp.

Moreira A 2012. Novos cenários e modelos de aprendizagem construtivistas em plataformas digitais. In A Monteiro, JA Moreira, AC Almeida (orgs), Educação Online: Pedagogia e aprendizagem em plataformas digitais, Santo Tirso, p.27-44.

Moreira A, Loureiro M, Marques L 2005. Perceções de professores e gestores de escolas relativas a obstáculos à integração das TIC no ensino das Ciências, VII Congresso Internacional sobre Investigacion en la Didática das Ciências, Granada, 2016, p. 1-5.

Nóvoa A 2009. Professores: Imagens do futuro presente, Lisboa, 96 pp.

Nóvoa A, Finger M 1998. O Método (Auto)biográfico e a formação, Lisboa, 295 pp.

Paiva J 2007. Expectativas e resistências face às TIC na escola. In HC Peralta, S Viseu (Eds.), As TIC na Educação em Portugal: Concepções e práticas, Porto, p.203-213.

Peralta H, Costa F 2007. Competência e confiança dos professores no uso das TIC - Síntese de um estudo internacional. Sísifo/Revista de Ciências da Educação, 3:77-86.

Perez A, Soto E, Servan M 2010. Participatory action research and the reconstruction of teachers' practical thinking: Lesson studies and core reflection. An experience in Spain. Educational Action Research, 18(1):73-87.

Perrenoud P 2002. A Prática reflexiva no ofício de professor: Profissionalização e razão pedagógica, Porto Alegre, 232 pp.

Polkinghorne D 2006. An agenda for the second generation of qualitative studies. International Journal of Qualitative Studies on Health and Well-being, 1(2):68-77.

Ponte J, Oliveira H, Reis P 2007. Projecto competências básicas em TIC nas EB1 - Relatório de avaliação (ano lectivo de 2005/06), Lisboa, 82 pp.

Prestridge S 2012. The beliefs behind the teacher that influences their ICT practices. Computers & Education, 58(1):449-458.

Reason P, Bradbury H 2007. Handbook of action research, London, 752 pp.

Ribeiro J 2012. As TIC na educação de alunos com necessidades educativas especiais: Proposta de um programa de formação para o ensino básico, PhD Thesis, Universidade de Aveiro, Aveiro, 459 pp.

Ribeiro J 2015. Do Papel para o digital: Recursos educativos digitais na educação de alunos com necessidades educativas especiais [serial on the internet]. [cited 2017 Aug 26]. Available from: https://www.researchgate.net/ publication/276278258_Do_Papel_para_o_Digital_Recursos_Educativos_Digitais_na_Educacao_de_Alunos_com_Necessidades_Educativas_Especiais.

Rose D, Meyer A 2002. Teaching every student in the digital age, Alexandria, 228 pp.

Rose D, Meyer A, Hitchcock C 2005. The Universally designed classroom: Accessible curriculum and digital technologies, Cambridge, 216 pp.

Ru-De L 2010. Psychological research in educational technology in China. British Journal of Educational Technology, 41(4):593-606.

Sampaio P, Coutinho C 2011. Formação contínua de professores: Integração das TIC. Revista da Faculdade de Educação, 4(15):139-151.

Sanches I 2011. Em busca de indicadores de Educação Inclusiva- A “voz” dos professores de apoio sobre o que pensam, o que fazem e o que gostariam de fazer, Lisboa, 360 pp.

Sancho J, Hernández F 2006. Tecnologias para transformar a educação. Porto Alegre, 301 pp.

Serrano P 2003. Investigación qualitativa: Retos e interrogantes, Madrid, 320 pp.

Tileston D 2007. Teaching strategies for active learning, Thousand Oakes, 120 pp.

UNESCO 1994. Declaração de Salamanca. Conferência mundial sobre necessidades educativas especiais: Acesso e qualidade, Salamanca, 48 pp.

UNESCO 2011. Competency framework for teachers [serial on the internet]. [cited 2017 Set 13]: CI-2011/WS/5 – 2547.11: [about 92 p.]. Available from: http://unesdoc.unesco.org/images/0021/ 002134/213475e.pdf.

van Kraayenoord C, Waterworth D, Brady T 2014. Responding to individual differences in inclusive classrooms in Australia. Journal of International Special Needs Education, 17(2):48-59.

Vanderlinde R, van Braak J 2011. A New ICT curriculum for primary education in Flanders: Defining and predicting teachers' perceptions of innovation attributes. Educational Technology & Society, 14(2):124-135.

Westera W 2004. On strategies of educational innovation: Between substitution and transformation. Higher Education, 47(4):501-517.

Yeh H, Yang Y 2011. Prospective teachers' insights towards scaffolding students' writing Processes through teacher-student role reversal in an online system. Educational Technology Research and Development, 59(3):351-368.
Publicado
2018-08-30