Uso de Drogas e Sofrimento Mental entre Trabalhadores do Aterro Sanitário de Anápolis-Goiás

  • Andréia Moreira da Silva Centro Universitário de Anápolis, UniEVANGÉLICA, Brasil.
  • Ana Luiza Gomes Lima Centro Universitário de Anápolis, UniEVANGÉLICA, Brasil.
  • Larissa Machado e Silva Gomide Centro Universitário de Anápolis, UniEVANGÉLICA, Brasil.
  • Helena de Oliveira Melo Centro Universitário de Anápolis, UniEVANGÉLICA, Brasil.
  • Laura Costa Souza Centro Universitário de Anápolis, UniEVANGÉLICA, Brasil.
  • Michelle Oliveira Iwata Centro Universitário de Anápolis, UniEVANGÉLICA, Brasil.
  • Tatiane Resende Paniago Centro Universitário de Anápolis, UniEVANGÉLICA, Brasil.

Resumo

Os catadores de lixo convivem diariamente com o descarte de objetos e alimentos. O menosprezo da sociedade por esta classe de indivíduos os quais apresentam uma condição de vida precária, certamente influencia negativamente na vida destes trabalhadores. Com intuito de minimizar o sofrimento, as dificuldades em que vivem, inúmeros profissionais do lixo procuram conforto nas drogas. O Objetivo deste trabalho foi avaliar a comorbidade entre o uso de álcool e drogas e o sofrimento mental em trabalhadores do aterro sanitário em Anápolis – Goiás. Trata-se de um estudo epidemiológico do tipo transversal, descritivo, com abordagem quantitativa. A amostra foi composta por 20 trabalhadores do aterro sanitário, com idade superior a 18 anos de idade...

Biografia do Autor

Andréia Moreira da Silva, Centro Universitário de Anápolis, UniEVANGÉLICA, Brasil.
Doutorado em Ciências da saúde, Neurociências pela National University of Ireland, Galway, NUIG, Irlanda. Docente no Centro Universitário de Anápolis, UniEVANGÉLICA, Brasil.
Ana Luiza Gomes Lima, Centro Universitário de Anápolis, UniEVANGÉLICA, Brasil.
Graduação em Medicina pelo Centro Universitário de Anápolis, UniEVANGÉLICA, Brasil.
Larissa Machado e Silva Gomide, Centro Universitário de Anápolis, UniEVANGÉLICA, Brasil.
Graduação em andamento em Medicina pelo Centro Universitário de Anápolis, UniEVANGÉLICA, Brasil.
Helena de Oliveira Melo, Centro Universitário de Anápolis, UniEVANGÉLICA, Brasil.
Graduação em andamento em Medicina pelo Centro Universitário de Anápolis, UniEVANGÉLICA, Brasil.
Laura Costa Souza, Centro Universitário de Anápolis, UniEVANGÉLICA, Brasil.
Graduação em andamento em Medicina pelo Centro Universitário de Anápolis, UniEVANGÉLICA, Brasil.
Michelle Oliveira Iwata, Centro Universitário de Anápolis, UniEVANGÉLICA, Brasil.
Graduação em andamento em Medicina pelo Centro Universitário de Anápolis, UniEVANGÉLICA, Brasil.
Tatiane Resende Paniago, Centro Universitário de Anápolis, UniEVANGÉLICA, Brasil.
Graduação em andamento em Medicina pelo Centro Universitário de Anápolis, UniEVANGÉLICA, Brasil.

Referências

Adametes CM 2004. Trajetória de uma associação de catadores (as) de lixo no Brasil: em busca de um lugar social. In: VIII Congresso Luso-Afro-Brasileiro de Ciências Sociais. Coimbra, Portugal.
Brasil 2011. Ministério da Saúde. Prevenção ao uso indevido de drogas: Capacitação para Conselheiros e Lideranças Comunitárias. – 4. ed. – Brasília: Ministério da Justiça. Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas – SENAD.
Castilhos Junior AB, Ramos NF, Alves CM, Forcellini FA, Graciolli OD 2013. Catadores de materiais recicláveis: análise das condições de trabalho e infraestrutura operacional no Sul, Sudeste e Nordeste do Brasil. Ciênc. Saúde coletiva, Rio de Janeiro, 18(11): 3115-3124.
Cavalcante LPS, Silva MMP 2015. Influência da organização de catadores de materiais recicláveis em associação para a melhoria da saúde e minimização de impactos socioambientais. Revista Monografias Ambientais - REMOA 14(1): 01-13.
Cunha MRRL 2011. Lixo, identidade e trabalho: a construção da identidade dos catadores de materiais recicláveis associados de Goiânia. Sociedade e Cultura, 14(1): 53-61.
Elpes FO, Lélio MO, Baracho RA 2017. Um Estudo Avaliativo dos Níveis de Stress e Consumo de Álcool em Garís na Cidade de Juiz de Fora (MG). Minas Gerais.
Feitosa LB, Aquino CAB 2009. Coesão social em grupos organizados de catadores de material reciclável no cenário de Fortaleza. In: XV ENABRAPSO 2009, Maceió. Psicologia social e políticas de existência: fronteiras e conflitos.
Fórum Nacional Lixo e Cidadania. Criança no Lixo, Nunca Mais, 2003. Acesso em 25.03.2016. Available from: http://www.lixoecidadania.org.br/pesquisaunicef/catadoresnasruas.htm.
Gonçalves CV, Malafaia G, Castro ALS, Veiga BGA 2013. A vida no lixo: um estudo de caso sobre os catadores de materiais recicláveis no Município de Ipameri, GO. HOLOS, 29(2):.
Haydu VB, Zacarim MRJ, Domingos APS, Borloti E 2015. Medidas comportamentais de presença em ambientes virtuais. Revista CES Psicología, 9(1):122–134.
Hoefel MG, Carneiro FF, Santos LMP, Gubert MB, Amate EM, Santos W 2013. Acidentes de trabalho e condições de vida de catadores de resíduos sólidos recicláveis no lixão do Distrito Federal. Rev Bras Epidemiol. 16(3):764-785.
Mabuchi AS, Oliveira DF, Lima MP, Conceição MB, Fernandes H 2007. Uso de Bebidas Alcoólicas por Trabalhadores do Serviço de Coleta de Lixo. Rev Latino-am Enfermagem 15(3):.
Madruga RB, Loreiro MB 2002. Cargas de Trabalho Encontrada nos Coletores de Lixo Domiciliar – Um Estudo de Caso. (Dissertação de Mestrado), Universidade Federal de Santa Catarina; Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção; Florianópolis; 2002.
Mariano APM 2006. Análise das Condições de Vida dos Badameiros e Familiares residentes no lixão do município de Itabuna–Bahia. Universidade Estadual de Santa Cruz. Itabuna. Acesso em 02/02/2015. Disponível em: http://www2.ufpa.br/rcientifica/artigos_cientificos/ed_08/pdf/ana_paula.pdf.
Moura AASBF 2010. Riscos Ambientais à Saúde Ocupacional do Catador de Recicláveis em Goiânia. Goiânia.
Pereira ER, Silva RMCRA, Mello FP, Oliveira DC, Silva MA 2012. Representações sociais dos catadores de um aterro sanitário: o convívio com o lixo. Psicol. Teor. Prat., São Paulo, 14(3):.
Rosa KG, Monteiro DA, Oliveira MRS 2011. Frequência de sofrimento psíquico comum entre os catadores de lixo do bairro feira vi em Feira de Santana - BA. Universidade Estadual de Feira de Santana.
Santos Filho E, Silva RS, Barretto H, Inomata O, Lemes V, Kussumi TA, Rocha S 2003. Recicláveis em Goiânia. Pontifícia Universidade Católica de Goiânia, 2010. Grau de exposição a praguicidas organoclorados em moradores de aterro a céu aberto. Rev. Saúde Pública 37(4):.
Silva MC 2006. Tese de Doutorado Trabalho e Saúde dos Catadores de Materiais Recicláveis em uma Cidade do Sul do Brasil. Pelotas-RS.
Souza AS 2009. Coletivos de Trabalho e o Prazer e o Sofrimento em sua construção: Um Estudo de Caso. Dissertação de Mestrado em Engenharia de Produção. UNIFEI. Itajubá – MG.
Tavares GP, Almeida RMM 2010. Violência, dependência química e transtornos mentais em presidiários. Estudos de Psicologia. Campinas, 27(4):545-552.
UNICEF 1997. The state of the world`s children. Oxford University Press.
UNODC - United Nationals Office on Drugs and Crime 2013. World Drug Report. Vienna.
WHO ASSIST Working Group 2002. The alcohol, Smoking and substance Involvement Screening Test (ASSIST): development, reliability and feasibility. Addiction 97:1183-1194.
Publicado
2017-09-10
Como Citar
Silva, Andréia, Ana Luiza Lima, Larissa Gomide, Helena Melo, Laura Souza, Michelle Iwata, e Tatiane Paniago. 2017. Uso De Drogas E Sofrimento Mental Entre Trabalhadores Do Aterro Sanitário De Anápolis-Goiás. Fronteiras: Journal of Social, Technological and Environmental Science 6 (2), 283-92. https://doi.org/https://doi.org/10.21664/2238-8869.2017v6i2.p283-292.