As Expedições Naturalistas e Cartográficas e as Práticas Científicas no Brasil do Século XVIII

Autores

  • Simone Santana R. Elias Centro de Física da Universidade de Coimbra, CFisUC, Laboratório Nacional de Computação Científica LNCC/MCTIC. https://orcid.org/0000-0003-4854-9281
  • Décio Ruivo Martins Centro de Física da Universidade de Coimbra, CFis, Universidade de Coimbra
  • Ildeu de Castro Moreira Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.21664/2238-8869.2018v7i1.p15-36

Palavras-chave:

Expedições Filosóficas, Fronteiras, Explorações científicas

Resumo

Com a chegada dos europeus ao Novo Mundo, os relatos dos primeiros exploradores e aventureiros, entre os séculos XVI e XVII, colaboraram de forma efetiva para o reconhecimento e dominação das colônias ali instaladas. Apenas no século XVIII, as viagens exploratórias ao Brasil, inspiradas pelo iluminismo europeu, receberam viés científico mais acentuado e sistemático, com o objetivo de identificar novas potencialidades econômicas para Portugal. A história cartográfica e a riqueza natural da América Portuguesa estava para ser revelada cientificamente, atendendo aos interesses imperiais, contando com o conhecimento dos jovens luso-brasileiros letrados na Europa que trabalharam como homens do Estado em sua terra natal. No presente trabalho, percorremos algumas das principais expedições realizadas no Brasil durante o século XVIII, com a perspectiva de identificar as práticas científicas que as permeavam, seus objetivos e resultados. Algumas cartas e documentos, localizados em arquivos portugueses, contribuíram para trazer novos elementos a este estudo.

Biografia do Autor

Simone Santana R. Elias, Centro de Física da Universidade de Coimbra, CFisUC, Laboratório Nacional de Computação Científica LNCC/MCTIC.

Doutoranda em História das Ciências e Educação Científica, Centro de Física da Universidade de Coimbra, CFisUC, Laboratório Nacional de Computação Científica LNCC/MCTIC.

Décio Ruivo Martins, Centro de Física da Universidade de Coimbra, CFis, Universidade de Coimbra

Professor do Centro de Física da Universidade de Coimbra - CFisUC, Coordenador do Doutoramento em História das Ciências e Educação Científica e Membro da Comissão Científica do Museu da Ciência da Universidade de Coimbra.

Ildeu de Castro Moreira, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Professor do Instituto de Física da Universidade Federal do Rio de Janeiro, atual Presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência SBPC

Referências

AHU M 1789. Baía. Carta do Juiz de Fora da Cachoeira Joaquim de Amorim Castro, Caixa 69 docs 13297-13302
AHU M 1801. Plantas do Brasil. Manuscritos Maranhão AHU_ACL_CU_009, Cx. 127, D. 09555, Plantas do Brasil p.15-63.
AHU M 1817. Castro e Almeida-BA. AHU_ICONm_005_E, D. 33-78.
Almeida FJ 1944. Diários de Viagem. Imprensa Nacional, Rio de Janeiro.
AMP M 1799. Fundo José Bonifácio d. 275. Carta de Arruda da Câmara.
ANTT 1670. Parecer da Mesa da Consciência e Ordens. MOC Maço 60. Lisboa.
ANTT 1786. Manuscritos Alexandre Rodrigues Ferreira. Brasil / São José do Rio Negro. ACP A.R. Ferreira, DL 195, 63.
ANTT 1796. Conde de Linhares, mç 28, decreto de 9 de dezembro de 1796
Bediaga B, Lima H 2015. A “Flora Fluminensis” de frei Vellozo: uma abordagem interdisciplinar. Bol. Museu Paraense Emílio Goeldi, 10(1):85-107.
Belluzzo AM 1996. A propósito d'o Brasil dos viajantes. Revista da USP, 8-19.
BNDIGITAL 2018. Biblioteca Nacional. Fonte: Alexandre Rodrigues Ferreira: http://bndigital.bn.gov.br/dossies/alexandre-rodrigues-ferreira/
Braga JM 2005. Marantaceae – Novidades taxonômicas e nomenclaturais III: Tipificações, sinonímias e uma nova combinação em Calathea. Acta Bot. Bras. 19(4):763-768.
Calmon P 1960. Introdução à História do Brasil. Rio de Janeiro, Imprensa Nacional.
Camenietzki CZ 1995. O Cometa, o Pregador e o Cientista Antonio Vieira e Valentin Stansel observam o céu da Bahia no século XVII. Revista da SBHC 14:37-52.
Carvalho AD 1908. Um naturalista do seculo XVII, Georg Markgraf, 1610-1644. Revista do Instituto Historico Archeologico e Geographico Pernambucano 13:212-222.
Castello JA 2004. A Literatura Brasileira: Origens e Unidade (1500-1960). Editora da Universidade de São Paulo, São Paulo.
Corrêa-Martins FJ 2011. As várias "faces" da "Nova Lusitania", de Antonio Pires da Silva Pontes. In IV Simpósio LusoBrasileiro de Cartografia Histórica. Porto.
Costa EV 1999. Da monarquia à república: momentos decisivos. 2.ed. Editora UNESP, São Paulo.
Dean W 1989. A Botânica e a Política Imperial: Introdução e Adaptação de Plantas no Brasil Colonial e Imperial. Editora IEA/USP, São Paulo.
Domingues E 2017. A lucrativa exploração do pau-brasil na América portuguesa. Fonte: Ensinar História: http://www.ensinarhistoriajoelza.com.br/exploracao-do-pau-brasil/
Elias SSR, Martins DR 2017. O papel das Academias para o nascimento da elite intelectual na América Portuguesa. História Revista da FLUP, IV Série. 7(2):49-69.
Elias SSR, Martins DR, Moreira IC 2017. Não à criação de uma Universidade no Brasil: Análise de um documento do século XVII. Revista Brasileira de História da Ciência, in press.
Ellis Junior A 1936. Os primeiros troncos paulistas e o cruzamento euro-americano. Editora Nacional, São Paulo. Acesso em 28 de novembro de 2017. Disponível em: http://www.brasiliana.com.br/obras/os-primeiros-troncos-paulistas-e-o-cruzamento-euro-americano/pagina/1/texto
Fonseca MR 2010. A natureza concedeu a cada país ou a cada clima seus privilégios exclusivos: a natureza brasileira na obra de Manuel Arruda da Câmara. (C. Humanas, Ed.) Bol. Museu Paraense Emílio Goeldi, 5(3):243-252.
Furtado C 1959. Formação Econômica do Brasil. 34.ed. Editora Schwarcz S.A., São Paulo.
Galves MC 2017. Vicente Jorge Dias Cabral: um naturalista na capitania do Maranhão e do Piauí. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, 12(2):555-570.
Goeldi EA 1895. Ensaio sobre o Dr. Alexandre R. Ferreira. Alfredo Silva & Ca. Editores, Pará. Acesso em 2018 de janeiro de 6. Disponível em: http://www2.senado.leg.br/bdsf/handle/id/221755
Holanda SB 1959. Visão do Paraíso: os motivos edênicos no descobrimento e colonização do Brasil. 6.ed. Editora Brasiliense, São Paulo.
IHU M 1795. Frei José Mariano Velloso. Reino caixa 30, pasta 7.
IHU M 1810. Carta de Feliz Brotero Avelar. ACL_CU_035, cx 13.
INTT M 1785. Carta a João Pereira Caldas. Papéis do Brasil, avulsos mç 3 doc 27.
Lima H 2000. Manuscrito e aquarelas do catálogo Castelo Melhor - Um estudo pioneiro de descrição e classificação de plantas do Brasil. In Flora Fluminensis - Estudos Preliminares. SMDS/Governo do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, p. 35-41.
Lockhart J, Schwartz S 1983. Early Latin America - A History of Colonial Spanish America and Brazil, Part of Cambridge Latin American Studies. Cambridge University Press, Cambridge.
Magalhães JR 2012. A Universidade de Coimbra e o Brasil. In Paiva & Bernardes, A Universidade de Coimbra e o Brasil. Imprensa da Universidade de Coimbra, Coimbra.
Marcelo CM 2010. A atuação política do juiz de fora Balthazar da Silva Lisboa na sede do vice-reinado do Brasil (1787-1795). In Tavares & Ribas, Hierarquias, raça e mobilidade social. Portugal, Brasil e o Império português (séculos XVI-XVIII). Companhia das Índias, Rio de Janeiro.
Matsuura OT 2010. O Observatório no Telhado. Cepe Editora, Recife.
Morais F 1949. Estudantes na Universidade de Coimbra nascidos no Brasil. Brasilia, IV, suplemento.
Moreira IC 1991. A expedição de Couplet à Paraíba: 1698. Revista da Sociedade Brasileira de História da Ciência, 5:23-31.
Nascimento AD 2016. O Genocídio do Negro Brasileiro: Processo de um Racismo Mascarado. Perspectivas, São Paulo.
Novais FA 2000. A proibição das manufaturas no Brasil e a política econômica portuguesa do fim do século XVIII. Revista de História, 142-143:213-237.
Pataca EM 2006. Terra, água e ar nas viagens científicas portuguesas (1755-1808). Tese de doutorado, Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Geociências. Campinas, SP.
Pinto RF 2006. Viagem das ideias. Editora Valer, Manaus.
Van Groesen M 2014. The Legacy of Dutch Brazil. Cambridge University Press, New York.
Vandelli D 1788. Diccionario dos Termos Techicos de Historia Natural extraidos das Obras de Lenneo. Real Officina da UC, Coimbra.
Vellozo JM 1880. Augustissime Dominae Nostrae per manus Illmi. ac Exmi. Aloysi de Vasconcellos & Souza Brasiliae pro-regis quarti & Sistit Fr. Josephus Marianus a Conceptione Vellozo (Vol. v. 5). Archivos do Museu Nacional do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Downloads

Publicado

2018-05-11

Como Citar

ELIAS, Simone Santana R.; MARTINS, Décio Ruivo; MOREIRA, Ildeu de Castro. As Expedições Naturalistas e Cartográficas e as Práticas Científicas no Brasil do Século XVIII. Fronteira: Journal of Social, Technological and Environmental Science, [S. l.], v. 7, n. 1, p. 15–36, 2018. DOI: 10.21664/2238-8869.2018v7i1.p15-36. Disponível em: https://periodicos.unievangelica.edu.br/index.php/fronteiras/article/view/2716. Acesso em: 18 maio. 2024.

Edição

Seção

Dossiê - História, Ciência e Natureza