Excludente De Ilicitude Verossímil E Ônus Da Prova No Processo Penal

  • Plínio Antônio Britto Gentil Ministério Público
  • Bruno Giovannini de Paulo Estado de Minas Gerais

Resumo

Alinhado à preocupação com a efetividade da cidadania, o trabalho ocupa-se do problema consistente na necessidade, ou não, de provar uma causa excludente de ilicitude para conduzir o processo à absolvição. A questão se põe a partir de casos em que, por exemplo, uma legítima defesa afigura-se possível, mas não é comprovada nos autos e, muitas vezes, é de impossível comprovação. Sustenta-se que a verossimilhança da afirmação de sua existência real é bastante para, contrariando o costume forense, redirecionar o ônus da prova e exigir do órgão acusador a demonstração da sua inocorrência. Pois o pressuposto da condenação é a presença de um crime, ou seja, um fato típico e antijurídico, sendo certo que a falta deste último requisito inviabiliza o reconhecimento do delito e, portanto, da condenação. Constituem fundamentos para isso o princípio da presunção de inocência, ou da não culpabilidade, a teoria do garantismo e, desde as alterações de 2008 no Código de Processo, a previsão de fundada dúvida sobre a existência de circunstâncias que excluam o crime como causa da absolvição. A posição jurídica sustentada promove atualização do panorama de direitos fundamentais e de exercício da democracia, tomado o processo penal do Brasil como ponto de referência.

Biografia do Autor

Plínio Antônio Britto Gentil, Ministério Público
Graduado em Direito (PUC-SP), mestre em direito (Unifran), doutor em direito (PUC-SP), doutor em Educação (UFSCar). Procurador de Justiça do Ministério Público de S. Paulo, professor universitário, membro de banca examinadora para promotor e bancas de qualificação e defesa de mestrado. Tem pesquisa e publicações nessas áreas.
Bruno Giovannini de Paulo, Estado de Minas Gerais
Bacharel em Direito, Especialista em Direito Penal, Mestre em Teoria do Estado e do Direito, Delegado de Polícia no Estado de Minas Gerais

Referências

BADARÓ, Gustavo Henrique Righi Ivahy. Ônus da prova no processo penal. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2003.

BARROS, Bruno Viégas de. De quem é o ônus da prova no caso de legítima defesa?. 2015. Disponível em http://crimepenaeadjacencias.blogspot.com.br/2015/06/de-quem-e-o-onus-da-prova-no-caso-de.html (acesso 04/fev./2016).

BRASIL. Supremo Tribunal Federal.

CANTERO, Bianca Lorena Dias. O princípio da não culpabilidade e sua aplicabilidade em matéria eleitoral. Disponível em
. Acesso 04/jun./2017.

CARVALHO. Luís Gustavo Grandinetti Castanho de. Processo penal e Constituição: princípios constitucionais do processo penal. São Paulo: Saraiva, 2014.

CASTELO BRANCO, Sérgio Zoghbi. Garantismo penal. Disponível em < https://sergiozoghbi.jusbrasil.com.br/artigos/111903743/garantismo-penal>. Acesso 04/jun./2017.

FERRAZ JR., Tercio Sampaio. A ciência do direito. São Paulo: Atlas, 1977.

LOPES JÚNIOR, Aury. Direito processual penal e sua conformidade constitucional. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2008. 1 v.

MARCELO, Jean. O ônus da prova e a recente reforma do Código de Processo Penal brasileiro. 2009. Disponível em http://www.jurisway.org.br/v2/dhall.asp?id_dh=1775 (acesso 04/fev./2016).

MATO GROSSO. Tribunal de Justiça.

MELLO FILHO, José Celso de. Voto no Supremo Tribunal Federal (ADF 43 MC/DF). Disponível em . Acesso 04/jun./2017.

MENDONÇA, Andrey Borges de. Nova reforma do Código de Processo Penal. São Paulo: Método, 2008.

NUCCI, Guilherme de Souza. Código de Processo Penal comentado. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2008.

PACELLI, Eugênio. Curso de processo penal. São Paulo: Atlas, 2013.

PILONI, Caroline de Paula Oliveira. Princípio da não-culpabilidade: aspectos teóricos e práticos (Publicado em 10/2013. Elaborado em 09/2013). Disponível em
. Acesso 04/junho/2017.


RANGEL, Paulo. O Processo Penal como instrumento de garantia: o juiz político. Disponível em . Acesso 04/jun./2017.
ROXIN, Claus. Política criminal e sistema jurídico-penal. Rio de Janeiro: Renovar, 2002.

SANTA CATARINA. Tribunal de Justiça.

SÃO PAULO. Tribunal de Alçada Criminal.

SILVA, Ivan Luís Marques da. Reforma processual penal de 2008. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2008.
Publicado
2017-12-04