Recursos Híbridos? Sobre a Proliferação das Águas Minerais

  • Raphael Vianna Universidade do Estado do Rio de Janeiro
  • Fatima Branquinho Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Água Mineral, História da Medicina, Estudos das Ciências e das Técnicas

Resumo

Do subsolo às fontes, e das fontes às garrafas, as águas minerais reúnem muitos interesses. O objetivo deste artigo é analisar, sem esgotar, o momento em que as águas minerais foram progressivamente deixando de ser um objeto exclusivo da medicina para se tornar uma questão de interesse industrial, um processo que entendemos como uma hibridização. A análise da rede heterogênea que está na origem dessa proliferação foi o caminho adotado para alcançar tal objetivo. Mas se antes as águas minerais foram consideradas como remédios, atualmente, no Brasil, elas são consideradas como recursos minerais, e não como recursos hídricos. Esta é uma situação que favorece a ocorrência de conflitos. É daí que nasce o conceito de recursos híbridos, uma ferramenta que pode ajudar a pensar a extensão e a natureza das redes nas quais as águas minerais estão envolvidas, o que se sugere fundamental para refletir sobre o seu futuro político.

Biografia do Autor

Raphael Vianna, Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Doutorado em andamento em Meio Ambiente pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro, UERJ, Brasil.
Fatima Branquinho, Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Doutorado em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, Brasil. Docente na Universidade do Estado do Rio de Janeiro, UERJ, Brasil.

Referências

Alcântara V, Sant’Anna LT., Pereira JR 2018. Os Guardiões das águas no circuito das águas de Minas Gerais: a estruturação da ação coletiva. In JAD Valadão et al. (Coord.), Souza APL et al. (Org.). Clamor das águas: a busca por nova identidade para as águas minerais no Brasil. Florianópolis: CAXIF/UFSC.

Araujo JXL. Dissertação acerca da analyse e propriedades therapeuticas das aguas acidulas gasosas da cidade de Campanha. Tese apresentada à Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro em 4 de dezembro de 1848. [cited Mar 2018 20] Avaliable from: https://collections.nlm.nih.gov/catalog/nlm:nlmuid-101498343-bk

Benevides AAF 1843. Sobre o uso das nossas aguas mineraes sulphurosas nas molestias cutaneas, comprovados por observações tanto dos médicos antigos quanto modernos, e destinada a generalizar a sua applicação nestas enfermidades. In: Historia e memorias da academia Real das Sciencias de Lisboa. 2a serie, Classe de Sciencias Naturaes. Lisboa. [cited Mar 2018 20] Available from: https://play.google.com/books/reader?id=FV5fAAAAcAAJ&printsec=frontcover&output=reader&hl=pt_BR&pg=GBS.PP7

Brasil 1967. Decreto-Lei no 227, de 28 de fevereiro de 1967. Dá nova redação ao Decreto-Lei no 1985, de 29 de janeiro de 1940 (código de minas). [cited Mar 2018 20] Available from: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del0227.htm.

Brasil 1997. Decreto-Lei no 9.433, de 08 de janeiro de 1997. Institui a Política Nacional de Recursos Hídricos, cria o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos, regulamenta o inciso XIX do art. 21 da Constituição Federal, e altera o art. 1o da Lei no 8.001, de 13 de março de 1990, que modificou a Lei no 7.990, de 28 de dezembro de 1989.

Constancio FS 1821. Das aguas naturaes e da sua analyse. In: Annaes das sciencias, das artes, e das letras; por uma sociedade de portugueses residentes em Parîs. Tomo XI: 33 – 96. Paris: A. Bobée. Impressor da Sociedade Real Acadêmica das Sciencias de Parîs. [cited 2018 Apr 20]. Available from: https://books.google.com.br/books?id=OABKAAAAcAAJ&pg=PA46&lpg=PA46&dq=águas+ferruginosas&source=bl&ots=RxS7pXoZgk&sig=2PRRkM8MZsh5ETHLZWHkIb85rfw&hl=pt-PT&sa=X&ved=0ahUKEwjDo9m564bUAhUHlpAKHcyzBKI4ChDoAQhPMAk#v=onepage&q=águas%20ferruginosas&f=false.

CPRM 1998. Projeto circuito das águas do estado de Minas Gerais. Estudos geoambientais das fontes hidrominerais de Cambuquira, Caxambú, Conceição do Rio Verde, Lambari e São Lourenço. Serviço Geológico do Brasil. Superintendência Regional de Belo Horizonte. Belo Horizonte, 1998. [cited 2018 Aug 07]. Available from: http://rigeo.cprm.gov.br/xmlui/bitstream/handle/doc/8558/Estudo_ geoambiental_Cambuquira.pdf?sequence=1.

Esteves CC 2012. O regime Jurídico das águas minerais na constituição de 1968. Master Thesis, UNICAMP, São Paulo.

Foucault M 2011. Microfísica do poder. Org. R Machado, Graal, Rio de Janeiro, 295 pp.

Foucault M 2016. A arqueologia do saber. 8.ed., Forense Universitária, Rio de Janeiro, 254 pp.

Hecking FH 1863. Directions for the use of the Artificial Mineral Waters, prepared by FH Hecking, pratical chemist. Together with an exposition of their properties and effects, Printed by Nicholas Muller, New York, 24 pp. [cited Mar 2018 20] Avaliable from: https://collections.nlm.nih.gov/catalog/nlm:nlmuid-101185855-bk.

Júnior PSP 2018. Rompendo a controvérsia das águas: uma proposta de novo arranjo institucional para as águas minerais no Brasil. In Valadão JA et al. (Coord.); Souza APL, et al. (Org.). Clamor das águas: a busca por nova identidade para as águas minerais no Brasil. Florianópolis: CAXIF/UFSC.

Latour B 1994. Jamais fomos modernos. Ensaio de antropologia simétrica, Ed. 34, Rio de Janeiro, 152 pp.

Latour B 1995. Os objetos têm história? Encontro de Pasteur com Whitehead num banho de ácido lático. História, Ciência, Saúde – Manguinhos, II(1):7–26.

Latour B 2002. War of the Worlds: What about Peace?, Prickly Paradigm Press, Chicago, 53 pp.

Marras S 2004. A propósito de águas virtuosas: formação e ocorrências de uma estação balneária no Brasil, Editora UFMG, Belo Horizonte, 479 pp.

McArthur DE 2017. Beyond Plastic Waste. Science, 358(6365):843. [updated nov. 2017, cited 2018 apr. 20]. Available from: https://doi.org/10.1126/science.aao6749.

Ministério da Saúde 2003. Portaria no 971, de 03 de maio de 2003. Aprova a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde.

Mourão BM 1997. A água mineral e as termas: uma história milenar. ABINAM, São Paulo, 269 pp.

Ninis A 2006. A ecologia política e a exploração da água mineral de São Lourenço, Master Thesis, Universidade de Brasília, 163 pp.

Ninis A, Drummond JA 2008. Áreas (des)protegidas do Brasil: as estâncias hidrominerais. Rev. Ambiente e Sociedade 11(1): 149 - 166 DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-753X2008000100011.

Quintela MM 2004. Saberes e práticas termais: uma perspectiva comparada em Portugal (Termas de São Pedro do Sul) e no Brasil (Caldas da Imperatriz). Hist. cienc. saude-Manguinhos, 11(1). [cited Mar 2018 20] DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-59702004000400012.

Rego JRS 1851. Relatorio que á Assembléa da provincia de Minas Geraes, apresentou na sessão ordinaria de 1851 o doutor José Ricardo de Sá Rego, presidente da mesma província. Typ. Social, Ouro-Preto. [cited Mar 2018 20] Available from: http://brazil.crl.edu/bsd/bsd/455/.

Schultz C 1865. Mineral Spring Waters, their chemical composition, physiological action and therapeutical use; with a short review of the history of Mineral Waters, Baker & Godwin Printers, New York, 70 pp. [cited Mar 2018 20] Avaliable from: https://collections.nlm.nih.gov/catalog/nlm:nlmuid-101213677-bk.

Serres M 1989. Éléments d’histoire des sciences, Paris, Bordas.

Stengers I 2002. A Invenção das ciências modernas, Editora 34, São Paulo, 208 pp.

Vianna R 2018. Sobre os recursos híbridos. In Valadão JAD et al. (Coord.); Souza APL et al. (Org.). Clamor das águas: a busca por nova identidade para as águas minerais no Brasil. Florianópolis: CAXIF/UFSC.

Vianna R, Branquinho F 2017. Quem controla a água? Mapeamento de controvérsias na Guerra das Águas em São Lourenço, Minas Gerais. In: Trabalhos completos apresentados nos seminários temáticos da VI Reunião de Antropologia das Ciências e da Tecnologia, pp. 87-106. ISSN: 2358-5684.

Vichy 1898. Vichy and its medicinal properties: as found by the most prominent doctors in the world. Louis Weiss & Co., printers. National Library of medicine, New York, Bethesda, Maryland, 16 pp. [cited Mar 2018 20] Avaliable from: https://collections.nlm.nih.gov/catalog/nlm:nlmuid-101513268-bk.

Williams R 2011. Cultura e materialismo, UNESP, São Paulo, 420 pp.
Publicado
2018-08-30
Como Citar
Vianna, Raphael, e Fatima Branquinho. 2018. Recursos Híbridos? Sobre a Proliferação Das Águas Minerais. Fronteiras: Journal of Social, Technological and Environmental Science 7 (2), 165-85. https://doi.org/https://doi.org/10.21664/2238-8869.2018v7i2.p165-185.
Seção
Dossiê - Ambiente, Saúde e Bem Estar Humano