Aptidão Agrícola das Terras e Avaliação dos Conflitos de Uso das Bacias dos Rios Claro e dos Bois, Estado de Goiás

  • Maria Gonçalves da Silva Barbalho Centro Universitário de Anápolis, UniEVANGÉLICA, Brasil.
  • Selma Simões de Castro Universidade Federal de Goiás, UFG, Brasil.
Palavras-chave: Planejamento e Gestão Ambiental Sustentável

Resumo

A aptidão agrícola das terras das bacias dos rios Claro e dos Bois no Estado de Goiás, foi elaborada para subsidiar a análise do grau de conflito do uso do solo nessa área e avaliar sua relação com os impactos ambientais aí constatados, sobretudo erosivos. Os dados revelaram o predomínio da classe 2 (bc, (b) e (bc)), com 45,52% da área, com aptidão regular para as lavouras nos níveis de manejo B e C. Segue-se a classe 04 com 21,7% com aptidão boa, regular ou restrita para pastagem plantada, no nível de manejo B. A classe 01 apresenta 7,27% da área com aptidão boa para lavouras em pelo menos um dos níveis de manejo. Apenas 24,74% da área foram consideradas como terras sem aptidão agrícola e/ou de preservação. Conclui-se que a área, apresenta elevado potencial de uso agropecuário, logo os impactos existentes não derivariam do uso, mas do manejo.

Biografia do Autor

Maria Gonçalves da Silva Barbalho, Centro Universitário de Anápolis, UniEVANGÉLICA, Brasil.
Doutorado em Ciências Ambientais pela Universidade Federal de Goiás, UFG, Brasil. Professora Titular no Centro Universitário de Anápolis, UniEVANGÉLICA, Brasil.
Selma Simões de Castro, Universidade Federal de Goiás, UFG, Brasil.
Doutorado em Geografia (Geografia Física) pela Universidade de São Paulo, USP, Brasil. Professora Titular na Universidade Federal de Goiás, UFG, Brasil.

Referências

Barbalho MGS, Campos AB 2001. Relações entre o relevo e as ocorrências erosivas na zona da alta bacia do rio Araguaia (GO/MT). VII Simpósio Nacional de Controle de Erosão, ABGE, Anais… Goiânia-Goiás.

Barbalho MGS, Castro SS 2010. Evolução do uso e cobertura da terra nas bacias dos rios Claro e dos Bois afluentes do rio Araguaia no estado de Goiás, Tese de Doutoramento, Universidade Federal de Goiás, Goiânia.

Blaschke T, Kux H 2005. Sensoriamento Remoto e SIG: novos sistemas sensores: métodos inovadores. Oficina de Textos, São Paulo.

Brasil 2012. Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis nos 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de dezembro de 1996, e 11.428, de 22 de dezembro de 2006; revoga as Leis nos 4.771, de 15 de setembro de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, e a Medida Provisória no 2.166-67, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília.

Cabacinha CD, Castro SS 2009. Relationships between floristic diversity and vegetation indices, forest structure and landscape metrics of fragments in Brazilian Cerrado. Forest Ecology and Management 257:2157-2165.

Castro SS 2005. Erosão hídrica na alta bacia do rio Araguaia: distribuição, condicionantes, origem e dinâmica atual. Revista do Departamento de Geografia 17(1):38-60.

Castro SS, Xavier LS, Macedo M 2004. Plano de controle de erosão linear nas nascentes dos Rios Araguaia e Araguainha. SEMARH-GO. Projeto de Recomposição Ambiental das Nascentes do Araguaia, Goiânia.

Cianciaruso MV, Batalha MA, Silva IA 2005. Seasonal variation of a hyperseasonal cerrado in Emas National Park, central Brazil. Flora 200:345–353

Crósta AP 1993. Processamento digital de imagens de sensoriamento remoto. IG/UNICAMP, Campinas-SP.

Curi N, Carmo DN, Bahia VG, Ferreira MM, Santana DP 1992. Problemas relativos ao uso, manejo e conservação do solo em Minas Gerais. Informe Agropecuário 16(176):5-16.

Curi N, Larach JOI, Kampf N, Moniz AC, Fontes LEF 1993. Vocabulário de ciência do solo. SBCS, Campinas, 90 pp.

De-Campos AB, Luiz GC, Macedo RAR, Peixoto VMP 2002. Analise do comportamento espacial e temporal das temperaturas e pluviosidades no Estado de Goiás. In MG Almeida (org.). Abordagens Geográficas de Goiás: o natural e o social na contemporaneidade. UFG, Goiânia, p. 91-118.

EMBRAPA 2013. Centro Nacional de Pesquisa de Solo. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 3.ed. Embrapa Solos, Rio de Janeiro.

Faria KMS, Castro SS 2010. Caracterização dos remanescentes de Cerrado das sub-bacias rio Claro (GO) e rio das Garças (MT). In: XII Simpósio Brasileiro de Geografia Física Aplicada, Anais… Natal.

Lacerda Filho JVL, Frasca AAS 2008. Compartimentação Geotectônica. In Geologia do Estado de Goiás e Distrito Federal. Programa geologia do Brasil: integração, atualização e difusão de dados da geologia do Brasil. CPRM/SIC-FUNMINERAL, Goiânia.

Latrubesse EM, Carvalho TM 2006. Mapeamento geomorfológico do Estado de Goiás. Série Geologia e Mineração, n.2. Secretaria de Indústria de Comércio. Superintendência de Geologia e Mineração. Geomorfologia do Estado de Goiás e Distrito Federal. 128 p.

Marinho GV, Castro SS 2003. Caracterização físico-hídrica e de suscetibilidade a voçorocamento dos solos da sub-bacia do córrego Queixada na alta bacia do rio Araguaia. In X SBGFA, Anais… Rio de Janeiro.

MMA.gov.br [página na internet]. Resolução CONAMA 303 de 20/3/2002. [acesso em 03 nov 2009]. Disponível em: http://www.mma.gov.br.

Ramalho Filho A, Beek KJ 1995. Sistema de avaliação da aptidão agrícola das terras. 3.ed. EMBRAPA-CNPS, Rio de Janeiro, 65 pp.

Reatto A, Correia J, Spera ST 1998. Solos do bioma Cerrado: aspectos pedológicos. In SM Sano, SP Almeida (ed.). Cerrado: Ambiente e Flora. Embrapa-CPAC, Planaltina, p.89-166.

Ribeiro JF, Walter BMT 1998. Fitofisionomias do bioma Cerrado. In SM Sano, SP Almeida (eds.). Cerrado: Ambiente e Flora. EMBRAPA-CPAC, Planaltina, p.89-168.

Santana MP, Castro SS, Stone LF, Silva SC 2007. Chuvas, erosividade, erodibilidade, uso do solo e suas relações com focos erosivos lineares na alta bacia do Rio Araguaia. Sociedade e Natureza 19(2):103-121.

Santos AP, Foresti C, Novo EML, Niero M, Lombardo MA 1981. Metodologia de interpretação de dados de sensoriamento no uso da terra. INPE, São José dos Campos.

Sarmiento G 1983. The savannas of tropical America. In: DW Goodall (ed.). Ecosystems of the world: Tropical Savannas. Elsevier, Amsterdam, p. 245–288.

Silva RAA 2006. Arenização/Desertificação no setor sul da alta bacia do rio Araguaia (GO/MT): distribuição e fatores condicionantes de formação dos areais. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Goiás, Goiânia.

Xavier LS, Castro SS, Barbalho MGS 2005. Linear erosion in the region of the source area of Araguaia river. Sociedade e Natureza 1(1):182-191.
Publicado
2019-05-01
Como Citar
Barbalho, Maria Gonçalves da Silva, e Selma Simões de Castro. 2019. “Aptidão Agrícola Das Terras E Avaliação Dos Conflitos De Uso Das Bacias Dos Rios Claro E Dos Bois, Estado De Goiá”s. Fronteiras: Journal of Social, Technological and Environmental Science 8 (2), 284-306. https://doi.org/https://doi.org/10.21664/2238-8869.2019v8i2.p284-306.