Educação Ambiental, Pesquisa e Extensão Universitária: Um Relato sobre as Atividades na Trilha Ecológica do Tucano, Goiás, Brasil

  • Ricardo Elias do Vale Lima Centro Universitário de Anápolis, UniEVANGÉLICA, Brasil.
  • Maria Fernandes Gomide Dutra e Silva Centro Universitário de Anápolis, UniEVANGÉLICA, Brasil.
  • Josana de Castro Peixoto Universidade Estadual de Goiás, UEG, Brasil.; Centro Universitário de Anápolis, UniEVANGÉLICA, Brasil.
Palavras-chave: Percepção Ambiental, Trilha Interpretativa, Educação Ambiental

Resumo

A Educação Ambiental é essencial na formação do saber e do conhecimento do indivíduo. As atividades que foram realizadas na Trilha Ecológica Interpretativa do Tucano (TEIT) em 2015 e 2016 tiveram como objetivo apresentar uma possibilidade de ferramenta no processo de ensino e aprendizagem dos visitantes. A TEIT, desde 2016, tem recebido um público numeroso e, por meio de visitas guiadas por monitores treinados, juntamente com o acompanhamento dos docentes, mostrou-se como um ambiente que favorece um maior contato homem-natureza, além de provocar no visitante uma experiência de interpretação e vivência no ambiente natural. Os resultados da iniciativa apontam para uma melhor percepção do meio ambiente como e do impacto ambiental causado pela ação humana. É necessário valorizar esse tipo de ação pedagógica como uma meta a ser alcançada pelos administradores das instituições de ensino, parceiros, órgãos ambientais e monitores de modo a subsidiar a Educação Ambiental à universidade e comunidade externa.

Biografia do Autor

Ricardo Elias do Vale Lima, Centro Universitário de Anápolis, UniEVANGÉLICA, Brasil.
Mestrado em Sociedade, Tecnologia e Meio Ambiente pelo Centro Universitário de Anápolis, UniEVANGÉLICA, Brasil. Professor no Centro Universitário de Anápolis, UniEVANGÉLICA, Brasil.
Maria Fernandes Gomide Dutra e Silva, Centro Universitário de Anápolis, UniEVANGÉLICA, Brasil.
Mestrado em Sociologia pela Universidade Federal de Goiás, UFG, Brasil. Professora no Centro Universitário de Anápolis, UniEVANGÉLICA, Brasil.
Josana de Castro Peixoto, Universidade Estadual de Goiás, UEG, Brasil.; Centro Universitário de Anápolis, UniEVANGÉLICA, Brasil.
Doutorado em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Goiás, UFG, Brasil. Professora na Universidade Estadual de Goiás, UEG, Brasil, e no Centro Universitário de Anápolis, UniEVANGÉLICA, Brasil.

Referências

Carvalho ICM, Farias CR, Pereira MV 2011. A missão "ecocivilizatória" e as novas moralidades ecológicas: a educação ambiental entre a norma e a antinormatividade. Ambiente e Sociedade 14(2):35-49.
Catalão VML, Layrargues PP, Zaneti ICBB (orgs.) 2011. Universidade para o século XXI: educação e gestão ambiental na Universidade de Brasília. Cidade Gráfica e Editora, Brasília, 340 pp.
Leff E 2007. Epistemologia Ambiental. Cortez, São Paulo, 240 pp.
Meyer MA 1991. Educação Ambiental: uma proposta pedagógica. Em Aberto 10(49):41-46.
Miranda ES, Schall VT, Modena CM 2007. Representações sociais sobre educação ambiental em grupos da terceira idade. Revista Ciência e Educação 13(1): 15-28.
Nanai FY, Netto JPS 2008. Análise da fragmentação da paisagem na região de bom repouso - sul do estado de minas gerais. Geografia, 33(1):127-140.
Nunes ERM 1995. Educação Ambiental no 3º grau uma avaliação do nível de consciência na Universidade. Educação 18(8): 143-156.
Sato S, Carvalho ICM (orgs.) 2005. Educação Ambiental: pesquisa e desafios. Artmed, Porto Alegre, 232 pp.
Vasconcellos JMO 1998. Avaliação da visitação pública e da eficiência de diferentes tipos de Trilhas Interpretativas do Parque Estadual Pico do Marumbi e Reserva Natural Salto Morato – PR. Tese de Doutorado, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 88 pp.
Publicado
2019-09-01
Como Citar
do Vale Lima, Ricardo Elias, Maria Fernandes Gomide Dutra e Silva, e Josana de Castro Peixoto. 2019. “Educação Ambiental, Pesquisa E Extensão Universitária: Um Relato Sobre As Atividades Na Trilha Ecológica Do Tucano, Goiás, Brasi”l. Fronteiras: Journal of Social, Technological and Environmental Science 8 (3), 528-32. https://doi.org/https://doi.org/10.21664/2238-8869.2019v8i3.p528-532.
Seção
Notas Técnicas, Pedagógicas ou Científicas