A Comarca de Ilhéus e as Políticas Botânicas Portuguesas (1768-1808)

  • Rodrigo Osório Pereira Universidade Estadual de Feira de Santana, UEFS, Brasil.
Palavras-chave: Políticas Botânicas, Comarca de Ilhéus, Funcionários Naturalistas

Resumo

Este artigo estuda o papel da Comarca de Ilhéus enquanto palco da formulação de políticas da Coroa portuguesa para a flora colonial local, na transição do século XVIII para o XIX. Entendendo a ciência moderna como um instrumento de dominação colonial, verificamos que a Botânica assumiu um papel central no mundo Ultramarino português, servindo como potencializador da exploração dos recursos naturais no horizonte colonial. Na Comarca de Ilhéus é possível encontrar um corpo técnico de funcionários-naturalistas que desenvolveram com relativa singularidade e perícia na Filosofia Natural as funções como agentes da Coroa. Citamos o Ouvidor da Comarca de Ilhéus, Francisco Nunes da Costa; o naturalista Manoel Ferreira da Câmara Bittencourt e Sá; o Capitão de Infantaria, Domingo Alves Branco Muniz Barreto; o Juiz Conservador da Matas, Baltasar da Silva Lisboa; o Juiz de Fora da Vila de Cachoeira, Joaquim de Amorim Castro e; o filósofo José de Sá Bittencourt e Accioli.

Biografia do Autor

Rodrigo Osório Pereira, Universidade Estadual de Feira de Santana, UEFS, Brasil.
Doutorado em História pela Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, Brasil. Professor na Universidade Estadual de Feira de Santana, UEFS, Brasil.

Referências

Accioli JSB 1798. Memória sobre a plantação dos algodões e sua exportação; sobre a decadencia da lavoura de mandiocas, no termo da Vila de Camamú, Comarca dos Ilhéus, na Bahia. Apresentada e offerecida a Sua Alteza Real o Principe do Brazil por José de Sá Bittencourt e Accioli. Lisboa. Officina de Simão Thaddeo Ferreira.
Barreto DABM s/d. Plano para Civilização dos Índios no Brasil. Revista do IHGB. p. 91.
Brigola JCP 2000. Coleções, Gabinetes e Museus em Portugal no Século XVIII. Évora: Universidade de Évora.
Campos JS 1981. Crônicas da Capitania de São Jorge dos Ilhéus. Rio de Janeiro: Conselho Federal de Cultura.
Chambers D, Gillespie R 2001. Locality in the History of Science: Colonial Science, Technoscience, and Indigenous Knowledge. Osíris, History of Science Society.
Cruz ALRB 2004. Verdades por mim Vistas e Observadas, Oxalá foram Fábulas Sonhadas: Cientistas brasileiros do setecentos, uma leitura auto-etnográfica. Tese de Doutorado em História. Universidade Federal do Paraná, Curitiba.
Cruz B, Pereira M 2009. Ciência, identidade e quotidiano: alguns aspectos da presença de estudantes brasileiros na Universidade de Coimbra, na conjuntura final do período colonial. Revista de História da Sociedade e da Cultura, nº 9.
Dean W 1996. A ferro e fogo. A história e a devastação da Mata Atlântica brasileira. São Paulo: Cia das Letras.
Delerue ML 1998. Domingos A. B. Moniz Barreto: Baía, 1748, Rio de Janeiro 1831; entre o reformismo lusitano e a independência do Brasil. Dissertação de Mestrado. Universidade do Porto, 2 v.
Dias M 1968. Aspectos da Ilustração no Brasil. Revista do IHGB, Rio de Janeiro.
Domingues A 2001. Para um melhor conhecimento dos domínios coloniais: a constituição de redes de informação no Império português em finais do Setecentos. História, Ciências, Saúde. Manguinhos, vol. VIII (suplemento).
Domingues HMB 1995. Ciência: um Caso de Política. As Relações entre as Ciências Naturais e a Agricultura no Brasil-Império. Tese de Doutorado em História Social. Universidade de São Paulo. São Paulo.
Elias N 2001. A Sociedade de Corte. Rio de Janeiro: Editora Jorge Zahar.
Falcon FJC 1982. A Época Pombalina: política econômica e monarquia ilustrada. São Paulo: Ática.
Farias PC 2010. Domingos Alves Branco Muniz Barreto: ciência, economia e poder na Bahia (1788-1800)., Dissertação de Mestrado. Universidade Federal da Bahia / Universidade Estadual de Feira de Santana, Salvador.
Gauer RMC 1996. A Modernidade Portuguesa e a Reforma Pombalina de 1772. Porto Alegre: EDIPUCRS.
Kirschner T 2004. Tradição e Reformismo. Penélope, nº 30/31.
Lapa JRA 1968. A Bahia e a Carreira da Índia. São Paulo: Cia Editora Nacional.
Lapa JRA 1973. Economia Colonial. São Paulo: Perspectiva.
Lima APS 2008. Prática Científica no Brasil Colônia: Ilustrado luso-brasileiro a serviço da natureza. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal da Bahia / Universidade Estadual de Feira de Santana, Salvador.
Lisboa BS 1823. Riqueza do Brasil em madeiras de construção e carpintaria. Revista do IHGB., Vol 2.
Marques VRB 1999. Natureza em Boiões: medicinas e boticários no Brasil setecentista. Campinas: Ed. da Unicamp.
Maxwell K 1999. A geração de 1790 e a idéia do Império luso-brasileiro. Chocolate, piratas e outros malandros. Rio de Janeiro: Paz e Terra.
Mendonça MC 1933. O intendente Câmara. Manuel Ferreira da Câmara Bittencourt e Sá, Intendente Geral das Minas e dos Diamantes. Rio de Janeiro: Imprensa nacional.
Morton FW 1978. O. "the royal timber in late colonial Bahia. Hispanic American Historical Review, 58:1, pp 41-61, fev.
Munteal Filho O 1993. Domingos Vandelli no anfiteatro da natureza: Reformismo Ilustrado e cultura científica na crise do Antigo Sistema Colonial (1779-1808). Dissertação de Mestrado. Pontifícia Universidade Católica, Rio de Janeiro.
Munteal Filho O 1998. Uma Sinfonia para o Novo Mundo – a Academia Real de Ciências de Lisboa e os caminhos da Ilustração luso-brasileira na crise do Antigo Sistema Colonial. Tese de Doutorado. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.
Neves EF (org.) 2007. Caminhos do sertão: ocupação territorial, sistema viário e intercâmbios coloniais dos sertões da Bahia. Salvador: Editora Arcadia.
Pádua JA 2002. Um sopro de destruição: pensamento político e crítica ambiental no Brasil escravista, 1786-1888. Rio de Janeiro: Zahar.
Pataca EM 2006. Terra, Água e Ar nas Viagens Científicas Portuguesas (1755-1808). Tese de Doutorado, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.
Pereira RO 2016. O Império Botânico: as políticas portuguesas para a flora da Bahia Atlântica Colonial (1768-1808). Feira de Santana: UEFS Editora.
Raminelli R 2000. Ciência e Colonização – Viagem Filosófica de Alexandre Rodrigues Ferreira. Revista Tempo. p. 19-38.
Raminelli R 2006. Baltazar da Silva Lisboa: a honra e os apuros do juiz naturalista. In VAINFAS, Ronaldo. et al. (org). Retratos do Império: trajetórias individuais no mundo português nos séculos XVI a XIX. EdUFF, Niterói.
Santos MF 2005. Manifestações pela Conservação da Natureza no Brasil (1784-1889). Revista Uniara. nº 16.
Silva MBN 2010. Bahia, a Corte da América. São Paulo: Companhia Editora Nacional.
Wehling A 1976. O Fomentismo Português no Final do Século XVIII: doutrinas, mecanismos, exemplificações. Revista do IHGB. v. 316, p. 170-278.
MANUSCRITOS
Carta à rainha [D. Maria I] sobre a cochonilha e a sua cultura no termo e sertão da referida vila. Bahia, 27/7/1789. Manuscritos do AHU, Bahia, Cx. 191, D. 1400.
Carta de Joaquim de Amorim Castro ao príncipe regente [Dom João], solicitando proteção e acolhimento na realização de ensaios e experiências de Botânica na Capitania da Bahia. 1796. Manuscritos do AHU, Bahia, Caixa nº 201. Doc. nº 14476.
Carta Régia para Dom Fernando José de Portugal, Queluz, 13 de março de 1797, Rio de Janeiro, Biblioteca Nacional, nº I-1, 4, 8.
Costa, Francisco Nunes da. Representação dirigida a Rainha, sobre as devastações que estavam sofrendo as matas virgens. Anais da Biblioteca Nacional, V. 32, 1910. p.568.
Manuscritos do AHU, Bahia, Cx. 200, D. 14447.
Memória para a Rainha... In: Anais da Biblioteca Nacional, v.32, 1910, p. 116.
Memória sobre a viagem do terreno Nitrozo (dos Montes Altos da Bahia). 1800. Manuscritos da BN, 11, 2, 14.
Memória sobre o terreno nitroso de Montes Altos. Bahia, 1799. José de Sá Bittencourt Accioli. IHGB, Lata 109, pasta 4.
Observações sobre o plano feito para conservação das matas da capitania da Bahia. Bahia, 1799. José de Sá Bittencourt e Accioli. (atribuído a). Rio de Janeiro, Manuscritos da Biblioteca Nacional nº 22, 1, 9.
Ofício para D. Fernando José de Portugal solicitando incentivo à produção de tabaco e algodão, bem como aos seus ensaios na área da botânica. Cachoeira, 20/1/1796.
Relação que contém a descrição de uma diminuta parte da Comarca dos Ilhéus desta Capitania da Bahia, por Domingos Alves Branco Muniz Barreto, Capitão de Infantaria do Regimento de Estremos, 1790. Manuscritos da BN, I-12,3,10, p. 07.
Sá MFCB 1789. Ensaio de Descrição Física e Econômica da Comarca dos Ilhéus na América. In: Academia das Ciências de Lisboa, Memórias econômicas, vol. I, Lisboa.
Publicado
2019-09-01
Como Citar
Pereira, Rodrigo Osório. 2019. A Comarca De Ilhéus E As Políticas Botânicas Portuguesas (1768-1808). Fronteiras: Journal of Social, Technological and Environmental Science 8 (3), 242-62. https://doi.org/https://doi.org/10.21664/2238-8869.2019v8i3.p242-262.