Viagem aos 200 Anos dos Relatos de Viajantes Europeus sobre Meia Ponte/GO

  • João Guilherme da Trindade Curado Docente da Secretaria Estadual de Educação, Cultura e Esporte de Goiás, SEDUCE, Brasil
Palavras-chave: Pohl, Saint-Hilaire, Pirenópolis, Nature

Resumo

Em 1819 dois viajantes europeus, o austríaco Johann Emanuel Pohl e o francês Auguste de Saint-Hilaire, passaram por Meia Ponte registrando observações sobre o antigo arraial. Disponibilizaram informações que compuseram as obras denominadas “Viagens”: relatórios oficiais que contemplam descrições acerca das inúmeras localidades visitadas no Brasil por eles. Objetiva-se investigar as relações entre a História, a Ciência e a Natureza meiaponteses tendo as narrativas dos viajantes mencionados como diretriz. Metodologicamente a análise bibliográfica envolve os dois viajantes e autores diversos que analisaram as duas obras referenciais, buscando análise comparativa entre Meia Ponte (1819) e Pirenópolis (2018).

Biografia do Autor

João Guilherme da Trindade Curado, Docente da Secretaria Estadual de Educação, Cultura e Esporte de Goiás, SEDUCE, Brasil
Doutorado em Geografia pela Universidade Federal de Goiás, UFG, Brasil. Docente da Secretaria Estadual de Educação, Cultura e Esporte de Goiás, Seduce, Brasil.

Referências

Andrade KS 2008. Saint-Hilaire, Pohl, Gardner e Castelnau: a exotização da província de Goiás e a grafia dos topônimos. Diacronia 11(5): 96-105.
Belluzzo AM 1996. A propósito d’o Brasil dos Viajantes. Revista USP (30): 8-19.
Belluzzo AM 2000. O Brasil dos viajantes. Ed. Metalivros, São Paulo. 516pp.
Coletoria Municipal de Pirenópolis 2018. Dados imobiliários diversos.
Corrêa MMS 2001. Naturalistas e viajantes estrangeiros em Goiás (1800-1850). In Chaul NF & Ribeiro PR (Orgs.). Goiás: identidade, paisagem e tradição. Ed. UCG, Goiânia, p. 75-121.
Escritório Técnico de Pirenópolis/Iphan 2018. Dados diversos sobre o Centro Histórico de Pirenópolis/GO.
Fazenda Babilônia. Disponível em: http://www.fazendababilonia.com.br/
Figueiredo VMC, Nicolino AS 2016. Breves notas de viajantes estrangeiros sobre a história da dança em Goiás e alguns desafios para a educação. Polyphonía 27(2): 739-750.
Gomes Filho RR 2015. Olhares estrangeiros sobre Goiás: do viajante ao missionário na produção da alteridade sobre o Sertão Goiano. Caminhos 13(1): 66-83.
IBGE. Pirenópolis, dados diversos. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=521730&search=goias|pirenopolis
Iglésias F 2000. Historiadores do Brasil: capítulos de historiografia brasileira. Nova Fronteira/EdUFMG, Rio de Janeiro/Belo Horizonte, 256pp.
Jayme J 1971. Esboço Histórico de Pirenópolis. Ed. UFG, Goiânia, 624pp.
Kury L 2001. Viajantes-naturalistas no Brasil oitocentista: experiência, relato e imagem. História, Ciência, Saúde - Manguinhos (3): 863-880.
Lei de criação do Parque Estadual dos Pirineus. 1p. Disponível em: http://www.gabinetecivil.goias.gov.br/leis_ordinarias/1987/lei_10321.htm
Leitão TMM. Aspectos da economia goiana no século XIX: impressões de um viajante europeu. In: Anais do VIII Conpeex. Ed. UFG, Goiânia. 2011,15p. Disponível em: http://www.sbpcnet.org.br/livro/63ra/conpeex/mestrado/trabalhos-mestrado/mestrado-tania-maria.pdf
Lemke M 2012. Trabalho, família e mobilidade social – notas do que os viajantes não viram em Goiás. c.1770 – c. 1847. Tese do Doutorado, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 304pp.
Lemos US 2016. Na mesa com Clio: uma trajetória histórica alimentar em Goiás do século XIX a primeira metade do século XX. Dissertação de Mestrado, Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Goiânia, 116pp.
Magalhães SM 2004. Alimentação, saúde e doenças em Goiás no século XIX. Tese de Doutorado, Universidade Estadual Paulista, Franca/SP, 254pp.
Mateus JC, Silva SMA. 2015. A visão dos primeiros viajantes europeus sobre a mulher goiana no século XIX. Trilhos 12(1): 38-44.
Meios de Hospedagem em Pirenópolis. Disponível em: http://www.cadastur.turismo.gov.br/cadastur/PesquisarEmpresas.mtur
Oliveira MF, Mello M 2013. Cidades do Sertão: o olhar de um francês do século XIX. Outros tempos 10(15): 173-187.
Pohl JE 1976. Viagem ao Interior do Brasil. Trad. Amado M; Amado E. Itatiaia/EdUSP, Belo Horizonte/São Paulo, 417pp.
Polonial JM 2001. Ensaio sobre a historiografia goiana e Anapolina. Revista Educação & Mudança (7/8): 71-87.
Rezende FS 2017. Médicos estrangeiros em Goiás no século XIX: Johann Emmanuel Pohl, George Gardner e Hugh Algernon Weddell. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 142pp.
Rocha Jr. DA 2013. Historiografia Goiana: quando a História escrita se torna documento. 9p. Disponível em: http://www.repositorio.uniceub.br/bitstream/123456789/4712/3/p2.pdf
Saint-Hilaire A 1975. Viagem à Província de Goiás. Trad. Junqueira RR. Itatiaia/EdUSP, Belo Horizonte/São Paulo, 158pp.
Salles GVF. A pesquisa histórica em Goiás. In Anais da XXIII Reunião anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SPBC), Curitiba, 1971, p. 453-491.
Sandes NF, Arrais CA 2014. A historiografia goiana entre dois tempos: Goiás e Goiânia. Opsis 14(1): 339-414.
Secretaria Municipal de Educação de Pirenópolis 2018. Censo de Matrículas.
Secretaria Municipal de Turismo de Pirenópolis 2018. Meios de hospedagem e de alimentação.
Silva, LB, Pereira RM 2016. O Cerrado de Saint-Hilaire: as representações naturalistas de um viajante francês do século XIX. Fronteiras: Journal of Social, Technological and Environmental Science 5(2): 214-225.
Souza FS 2008. Fragmentos da devastação: uso e aproveitamento da terra goiana no relato do Saint-Hilaire. In: Anais do XXIV Semana da História “Pensando o Brasil no centenário de Caio Prado Júnior”, Assis/SP, 9p.
Souza FS 2012. Natureza, ocupação territorial e vias de comunicação de Goiás nos relatos de viajantes do século XIX. Revista Brasileira de História da Ciência 5(1): 50-59.
Tavares MFD 2007. O futuro do Sertão: paisagens urbanas, memórias e natureza – Goiás (séculos XVIII-XIX). Ponta de lança 1(1): 83-100.
Publicado
2018-05-11
Como Citar
Curado, João. 2018. Viagem Aos 200 Anos Dos Relatos De Viajantes Europeus Sobre Meia Ponte/GO. Fronteiras: Journal of Social, Technological and Environmental Science 7 (1), 37-57. https://doi.org/https://doi.org/10.21664/2238-8869.2018v7i1.p37-57.
Seção
Dossiê - História, Ciência e Natureza