Aspectos Associados à Degradação Ambiental e ao Uso de Efluentes na Agricultura do Brasil

Palavras-chave: Recursos Naturais, Degradação, Reuso, Efluente

Resumo

A exploração dos recursos naturais ao longo da história desconsiderou os impactos causados sobre a sua continuidade no atendimento às necessidades humanas. A água apresenta a maior preocupação a nível mundial, e a sua escassez torna o uso racional uma atitude inevitável. A utilização de efluentes na agricultura pode contribuir na redução da exploração dos recursos hídricos. Esse estudo apresentou uma discussão e levantamento bibliográfico sobre reaproveitamento de resíduo - efluente/água residuária na agricultura - utilizando como ferramentas: o histórico da exploração e a degradação dos recursos naturais em áreas urbanas e rurais; e um panorama do uso de efluentes na agricultura. Conclui-se que a degradação dos recursos naturais, aliada as mudanças climáticas e ao constante aumento da população e de suas necessidades, são os subsídios básicos para que se estimulem as pesquisas quanto ao uso de efluentes, na agricultura e atividades afins.

Biografia do Autor

Heider Alves Franco, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro, IFRJ, Brasil.
Doutorado em Meio Ambiente pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro, UERJ, Brasil. Professor no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro, IFRJ, Brasil.
Sérgio Thode Filho, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro, IFRJ, Brasil.
Doutorado em Meio Ambiente pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro, UERJ, Brasil. Professor no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro, IFRJ, Brasil.
Daniel Vidal Pérez, Universidade Federal Fluminense, UFF, Brasil.; Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, EMBRAPA, Brasil.
Doutorado em Química pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC-Rio, Brasil. Professor na Universidade Federal Fluminense, UFF, Brasil. Pesquisador na Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, EMBRAPA, Brasil.
Monica Regina da Costa Maques, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, UERJ, Brasil.
Doutorado em Química pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, Brasil. Professora na Universidade do Estado do Rio de Janeiro, UERJ, Brasil.

Referências

ABIMCI (Associação Brasileira da Indústria de Madeira Processada Mecanicamente) [página na Internet]. [publicado 2012; acesso 20 nov 2016]. Estudo setorial. Disponível em: http://www.abimci.com.br/dmdocuments/ABIMCI_Estudo_Setorial_2008.

Amparo Rodriguéz G 2007. Conflictos ambientales amenazan la salud de la poblacion y biodiversidad del planeta. Rev Derech, 28:329-347.

ANA (Agência Nacional de Água - Brasil) 2017. Atlas irrigação: uso da água na agricultura irrigada. ANA, Brasília, 86p.

Ankers B, Rüegg J 1991. Research into leachate treatment by woodland and grass plot irrigation. In Proceedings of Discharge Your Obligations, Cost Effective Landfill Operations in the European Context Conference. University of Warwick, Coventry, UK, 4-5th April.

Balsan R 2006. Impactos Decorrentes da Modernização da Agricultura Brasileira / Decurrent Impacts of the Agriculture Modernization in Brazil. Campo-Território : Rev de Geo Agr, 1(2):123-151. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/campoterritorio/article/view/11787.

Barros FGN, Amim MM 2008. Água: um bem econômico de valor para o Brasil e o Mundo. Rev Bras Gest Desenvolv Reg, 4(1):75-108.

Bastos RKX 1999. Fertirrigação com águas residuárias. In MV Folegatti (Coord.). Fertirrigação: citrus, flores e hortaliças. Agropecuária, Guaíba, SP, 279 p.

Bastos RKX, Bevilacqua PD, Andrade Neto CO, Von Sperling M 2003. Utilização de esgotos tratados em irrigação - aspectos sanitários. In RKX Bastos (Coord.). Utilização de esgotos tratados em irrigação, hidroponia e piscicultura. ABES/RiMa Artes e Texto, Rio de Janeiro, p. 23-59.

BIO 1997. Água Potável: Esforço de Todos. Rev Bras Saneam Meio Amb, 9(7):09-11.

Brasil [página na Internet]. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. [publicação 04 dez 2017; acesso 05 abr 2018]. Agropecuáira puxa o PIB de 2017. Disponível em: http://www.agricultura.gov.br/noticias/agropecuaria-puxa-o-pib-de-2017.

Brasil [página na Internet]. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. [acesso jun 2014]. Disponível em: http://www.agricutura.gob.br.

Brasil 1997. Ministério do Meio Ambiente. Lei nº 9.433, de 8 de janeiro de 1997. Institui a Política Nacional de Recursos Hídricos, cria o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos, regulamenta o inciso XIX do art. 21 da Constituição Federal, e altera o art. 1º da Lei nº 8.001, de 13 de março de 1990, que modificou a Lei nº 7.990, de 28 de dezembro de 1989. [publicação 08 jan 1997; acesso 15 nov 2016]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9433.htm.

Brasil 2009. Ministério do Meio Ambiente. Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução nº 420, de 28 de dezembro de 2009. Dispõe sobre critérios e valores orientadores de qualidade do solo quanto à presença de substâncias químicas e estabelece diretrizes para o gerenciamento ambiental de áreas contaminadas por essas substâncias em decorrência de atividades antrópicas. Diário Oficial da União n. 249, Brasília, DF, págs. 81-84.

Brasil 2010. Ministério do Meio Ambiente. Lei nº 12.305, de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. [publicação 02 ago 2010; acesso 15 nov 2016]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm.

Brasil 2011. Ministério do Meio Ambiente. Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução n. 430, de 13 de maio de 2011. Dispõe sobre condições, parâmetros, padrões e diretrizes para gestão do lançamento de efluentes em corpos de água receptores, alterando parcialmente e complementando a Resolução n. 357, de 17 de março de 2005. Diário Oficial da União n. 92, Brasília, DF.

Brito B, Nunes V, Junior A [página na Internet]. ABEPRO. [publicação 04 dez 2009; acesso 16 nov 2016]. Análise crítica entre produção mais limpa e ecodesign. Disponível em: http://www.abepro.org.br/biblioteca/enegep2009_TN_STP_099_667_12880.pdf.

Brown LR, McGrath PL, Stokes B 1976. Twenty-Two Dimensions of the Population Problem. Worldwatch Paper 5, Washington. D.C.

Camargo MS 2012. A importância do uso de fertilizantes para o Meio Ambiente. Pesq & Tecnol, 9(2):.

Carmo RL 2001. A água é o limite? Redistribuição espacial da população e recursos hídricos no Estado de São Paulo. Tese (Doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Campinas, 194 pp.

CETESB [página na Internet]. CETESB: Companhia de Tecnologia Ambiental do Estado de São Paulo. [publicação 2014; acesso 31 out 2016]. Valores Orientadores para Solos e Águas Subterrâneas no Estado de São Paulo. Disponível em: http://www.cetesb.sp.gov.br/wp-content/uploads/sites/11/2013/11/ DD-045-2014-P53.pdf.

Cetesb.sp.gov.br [página na Internet]. CETESB: Companhia de Tecnologia Ambiental do Estado de São Paulo. [publicação 2015; acesso 02 nov 2016]. Disponível em: http://www.cetesb.sp.gov.br/.

CNLT/SENAI [página na Internet]. CNLT/SENAI: Centro Nacional de Tecnologias Limpas/Serviço Nacional da Aprendizagem Industrial. [acesso 03 nov 2016]. Disponível em: http://www.senairs.org.br/cntl/.

Comparato FK 2006. Ética, direito, moral e religião no mundo moderno. Companhia das Letras, São Paulo.

Cunha LMV 2008. Potencial de reuso da água captada de sistema de criação de tilápias do Nilo (Oreochromis niloticus) e cultivo de alface (Lactuca sativa). Dissertação. UNIMONTES, MG, 94 pp.

De Masi D 2003. Criatividade e grupos criativos. Sextante, Rio de Janeiro.

Diamond J 2005. Colapso. Record, Rio de Janeiro.

Dias GF 2002. Pegada ecológica e sustentabilidade humana. Gaia, São Paulo, 257pp.

Drugowich MI, D’auria MGDPM, coordenadores e outros 2017. A Água na agricultura. Campinas: CATI. 44p. ilus. 21cm (Cartilha).

Erthal VJT, Ferreira PAF, Matos AT, Pereira OG 2010. Alterações físicas e químicas de um Argissolo pela aplicação de água residuária de bovinocultura. Rev Bras Eng Agric e Amb, 14(5):467-477.

Grajew O 2002. Filantropia e responsabilidade social. [publicação 2002; acesso 11 nov 2016]. Disponível em: http://www.filantropia.org/artigos/oded_grajew.htm.

Greenpeace 2001. What is Clean Production? [publicação 08 dez 2001; acesso 15 nov 2016]. Disponível em: http://teclim.ufba.br/jsf/producaol/greenpeace%20cpb.PDF.

Guimarães AJA, Carvalho DF, Silva LDB 2007. Saneamento básico. [publicação 2007; acesso 02 nov 2016]. Disponível em: http://www.ufrrj.br/institutos/it/deng/leonardo/.

Hespanhol I 1999. Água e Saneamento Básico no Brasil: Uma Visão Realista, Capítulo 8 de Águas Doces do Brasil - Capital Ecológico, Uso e Conservação: Academia Brasileira de Ciências - Instituto de Estudos Avançados da USP, Escrituras Editora, São Paulo, 717pp.

Hespanhol I 2008. Potencial de reúso de água no Brasil - agricultura, indústria, municípios, recarga de aqüíferos. In CSA Mancuso; HF Santos (Eds.). Reúso de água. Manole, Barueri, p.37-95.

Hogan DJ 1991. Crescimento demográfico e meio ambiente. Rev Bras de Estud Populac, 8(1/2):61-71.

Jones DL, Williams IN, Owen AG 2006. Phytoremediation of landfill leachate. Waste Manag, 26(8):825-837.

Kehagia O, Linardakis M, Chryssochoidis G 2007. Beef traceability: are Greek consumers willing to pay. EuroMed J. of Business, 2(2):173-190.

Klauck CR, Rodrigues MAS, Silva LB 2015. Evaluation of phytotoxicity of municipal landfill leachate before and after biological treatment. Braz. J. Biol, 75(2-suppl.):S57-S62.

Kouraa A, Fethi F, Lahlou A, Ouazzani IN 2002. Reuse of urban wastewater by combined stabilization pond system en Benslimane (Marocco). Urban Water, 4:373-378.

Landes D 2005. Prometeu desacorrentado. Campus, Rio de Janeiro.

Lindoso DP 2009. “Pegada climática” do Uso da terra: Um diagnóstico do dilema entre o modelo de desenvolvimento agropecuário mato-grossense e as mudanças climáticas no período 2001-2007. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Sustentável). Universidade de Brasília, 219pp.

Linhares de Assis R 2006. Desenvolvimento Rural Sustentável no Brasil: perspectivas a partir da integração de ações públicas e privadas com base na agroecologia. Econ. Aplic., 10(1):75-89.

Lisboa M 2009. Ética e cidadania planetária na era tecnológica: o caso da proibição da Basileia. Civilização Brasileira, Marijane Lisboa - Rio de Janeiro.

Loureiro CFB, Leroy J-P 2006. Pensamento Complexo, Dialética e Educação Ambiental. Cortez, São Paulo.

Lucas Júnior J, Amorim AC 2005. Manejo de dejetos: fundamentos para a integração e agregação de valores. In Congresso Brasileiro de Zootecnia, Anais... Campo Grande, MS. .

Ludwig R, Putti FF, Brito RR 2012. Revisão sistemática sobre o uso de efluentes na agricultura. Rev For Amb Alta Paul, 8(6):167-176.

Mantovani EC, Bernardo S, Palartti LF 2006. Irrigação: princípios e métodos. UFV, Viçosa, 328 pp.

Maupin MA, Kenny JF, Hutson SS, Lovelace JK, Barber NL, Linsey KS 2014. Estimated use of water in the United States in 2010: Circular 1405. U.S. Department of the Interior / U.S. Geological Survey, 56 p. Disponível em: https://pubs.usgs.gov/circ/1405/pdf/circ1405.pdf.

Mazoyer M, Roudart L 1998. Histoire des agricultures du monde: du néolithique à la à la crise contemporaine. Seuil, Paris.

Meli S, Porto M, Belligno A, Bufo SA, Mazzatura A, Scopa A 2002. Influence of irrigation with lagooned urban wastewater on chemical and microbiological soil parameters in a citrus orchard under Mediterranean condition. The Science of the Total Environment, 285: 69-77. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1016/S0048-9697(01)00896-8

Melo PCT 2008. Panorama atual da cadeia brasileira de produção de hortaliças. In 20 Congresso Brasileiro de Fruticultura. Palestras. ENCAPER, Vitória. p.cd-rom.

Milan GS, Pretto MR 2006. Gestão Estratégica da Produção: Teoria, Casos e Pesquisas. EDUSC, Santa Catarina.

Neto PF, Almeida AAS, Fortes NLP, Silva EMAM 2009. Característica química do solo e o crescimento do Eucalyptus grandis fertilizado com efluente da indústria de refino de óleo vegetal. In II Seminário de Recursos Hídricos da Bacia Hidrográfica do Paraíba do Sul: Recuperação de Áreas Degradadas, Serviços Ambientais e Sustentabilidade. Anais. Taubaté, Brasil, 09-11 de dezembro, IPABHI, p. 711-716.

Nobre RG, Gheyi HR, Soares FAL, Andrade LO, Nascimento ECS 2010. Produção do girassol sob diferentes lâminas com efluentes domésticos e adubação orgânica. Rev Bras Eng Agric e Amb, 14:747-754.

Omar H, Rohani S 2015. Treatment of landfill waste, leachate and landfill gas: A review. Front of Chem Sci and Eng, 9(1):1-18.

ONU (Organização das Nações Unidas) 1992. Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. [publicação 1992; acesso 15 nov 2016]. Disponível em: http://www.onu.org.br/rio20/img/ 2012/01/rio92.pdf.

ONU (Organização das Nações Unidas) 1997. Comprehensive assessment of the freshwater ressources of the world. Unites Nations Department of Policy Coordination and Sustainable Development (DPCSD), Commission on Sustainable Development.

Pereira CEF, Afonso CG, Arruda LN, Ferreira MPL, Leite EB, Abuhid VS 2007. Aspectos relevantes na relação população x meio ambiente. Sinap Amb, 4(2):75-88.

Plessis J, Rand G 2012. The significance of traceability in consumer decision making towards Karoo lamb, Food Research International, 47(2):210-217.

Porréca LM 1998. ABC do meio ambiente: água. IBAMA, Brasília, 30 pp.

Redclift M, Goodman D 1991. The machinery of hunger: the crisis of Latin America food systems. In D Goodman, M Redclift (Eds.). Environ and Develop in Latin America. Manchester University Press, UK.

Ribas JR, Smith SBM 2009. O Marketing Verde Recompensa? Rev Cen Interdisci Desenvolv e Gest Soc, 2(1): .

Ribeiro JW, Rooke JMS 2010. Saneamento básico e sua relação com o meio ambiente e a saúde pública. Trabalho de Curso. (Especialização em Análise Ambiental), Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 28 pp.

Rijswijk W, Frewer LJ 2012. Consumer needs and requirements for food and ingredient traceability information. International Journal of Consumer Studies, 36:282- 290.

Rossi P 1989. Os filósofos e as máquinas. Cia. das Letras, São Paulo.

Santos JE, Sato M 2006. A Contribuição da Educação Ambiental à Esperança de Pandora. 3.ed. RiMa, São Carlos.

Shiva V 2000. Tomorrow´s Biodiversity. Thames & Hudson, Londres.

Silva E 2001. Avaliação de impactos ambientais. UFV/DEF, Viçosa, 68pp.

Telles DA 2002. Água na Agricultura e Pecuária. In AC Rebouças, B Braga, JG Tundisi (Orgs.). Águas Doces no Brasil: Capital Ecológico, Uso e Conservação. Escrituras Ed. e Distr. de Livros Ltda, São Paulo, p. 305-337.

Testezlaf R, Matsura EE, Cardoso JL 2002. Importância da irrigação no desenvolvimento do agronegócio. CSEI/ABIMAQ FEAGRI, UNICAMP, Campinas, 41pp.

Thode-Filho S, Caldas MAF 2008a. O uso da tecnologia da informação que integra a cadeia produtiva nas pequenas empresas do comércio varejista do município do Rio de Janeiro. In: IV Congresso Nacional de Excelência em Gestão. Anais... UFF, Niterói.

Thode-Filho S, Caldas MAF 2008b. O gerenciamento da informação nas micro e pequenas empresas. In Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia. Anais... Associação Educacional Dom Bosco, Resende.

Tucci CEM 2000. Desafios em Recursos Hídricos. In A Philippi Jr., CEM Tucci, DJ Hogan, R Navegantes. Interdisciplinaridade em Ciências Ambientais. Signus Editora, São Paulo, p.254-265.

Tundisi JG 2005. Água no século XXI: enfrentando a escassez. 2.ed. Rima, São Carlos, 248pp.

Tundisi JG 2006. Novas perspectivas para a gestão de recursos hídricos. Rev USP, 70:24-35.

Vieira DB 1989. As Técnicas de Irrigação. Globo, São Paulo, 263 pp.

WWF (World Wide Fund for Nature). Ameaças à Mata Atlântica. [publicação 2015; acesso 15 nov 2015]. Disponível em: http://www.wwf.org.br/natureza_brasileira/questoes_ambientais/biomas/bioma_ mata_atl/bioma_mata_atl_ameacas/.
Publicado
2019-05-01
Como Citar
Franco, Heider Alves, Sérgio Thode Filho, Daniel Vidal Pérez, e Monica Regina da Costa Maques. 2019. Aspectos Associados à Degradação Ambiental E Ao Uso De Efluentes Na Agricultura Do Brasil. Fronteiras: Journal of Social, Technological and Environmental Science 8 (2), 245-63. https://doi.org/https://doi.org/10.21664/2238-8869.2019v8i2.p245-263.