Buscando la Historia en los Bosques: el papel de los macrovestigios y de la vegetación en la Mata Atlántica

  • Adi Estela Lazos Ruíz Centro Universitário de Anápolis - UniEVANGÉLICA
  • Rogério Ribeiro de Oliveira Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC-Rio, Brasil.
  • Alexandro Solórzano Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC-Rio, Brasil.

Resumo

El paisaje de hoy es un reflejo de usos sobrepuestos a lo largo del tiempo, cada época va dejando huellas. Los bosques suelen tomar parte de esas transformaciones y están por lo tanto marcados por la historia. En este trabajo recopilamos evidencias de usos pasados dentro del bosque de Mata Atlántica del sureste brasileño a través de macrovestigios (e.g. ruinas, caminos antiguos, etc.) y del estudio de la configuración de la vegetación (e.g. identificando especies y su estado sucesional). Utilizando la metodología de lectura del paisaje, asociamos estos elementos presentes en el bosque actual con su contexto histórico y ofrecemos una posible interpretación. De esta manera, los macrovestigios y la vegetación resultan ser particularmente útiles como “documentos” para los paisajes sin historia. El reconocimiento del valor histórico del bosque es importante para fortalecer la identidad de los pueblos y para incluirlo en medidas de gestión y conservación de los recursos.

Biografia do Autor

Adi Estela Lazos Ruíz, Centro Universitário de Anápolis - UniEVANGÉLICA
Mestre em Ciências Ambientais pelo Programa de Pós-Graduação em Sociedade, Tecnologia e Meio ambiente PPSTMA do Centro Universitário de Anápolis - UniEVANGÉLICA. Coordenadora do Portal de Periódicos da UniEVANGÉLICA. Docente no Centro Universitário de Anápolis - UniEVANGÉLICA. Responsável Técnica pelo Laboratório de Pesquisas Avançadas e Geoprocessamento (LAPAGeo) do PPSTMA/ UniEVANGÉLICA.
Rogério Ribeiro de Oliveira, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC-Rio, Brasil.
Doutorado em Geografia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, Brasil. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC-Rio, Brasil.
Alexandro Solórzano, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC-Rio, Brasil.
Doutorado em Ecologia, Universidade de Brasília, UnB, Brasil. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC-Rio, Brasil.

Referências

Abreu M 2006. Um quebra-cabeça (quase) resolvido: os engenhos da capitania do Rio de Janeiro-séculos XVI e XVII. Revista Electrónica de Geografía y Ciencias Sociales 218(32).
Angelstam P, Dönz-Breuss M 2004. Measuring Forest Biodiversity at the Stand Scale: An Evaluation of Indicators in European Forest History Gradients. Ecological Bulletins 51:305-332.
Antonil AJ 1711. Cultura e opulência do Brasil por suas drogas e minas, N. Officina Real, Lisboa, 205 pp.
Araujo A. 2016. Dez mil anos de convivência: A Arqueologia da Mata Atlântica do Sudeste. En D Cabral, A Bustamante, Metamorfoses florestais: Culturas, ecologias e as transformações históricas da Mata Atlântica, Prismas, Curitiba, p. 106-123.
Azevedo V 2015. Ewé Igbo: Árvores sagradas do candomblé no contexto socioambiental, tesis de maestría, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 132 pp.
Barlow J, Gardner T, Lees A, Parry L, Peres C 2012 How pristine are tropical forests? An ecological perspective on the pre-Columbian human footprint in Amazonia and implications for contemporary conservation. Biology Conservation 151(1):45-49.
Cabral D, Cesco S 2008. Notas para uma história da exploração madereira na mata atlântica do sul-sudeste. Ambiente e sociedade 11(1):33-48.
Costa L 2008. A floresta sagrada da Tijuca. Estudo de caso de conflito envolvendo uso público religioso de parque nacional, tesis de maestría, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 398 pp.
Dean W 1991. A Botânica e a Política Imperial: a introdução e a domesticação de plantas no Brasil. Estudos Históricos 4(8):216-228.
Dean W 1996. A ferro e fogo. A história e a devastação da Mata Atlântica brasileira. Companhia das Letras, São Paulo, 484 pp.
Del Piere M 2000. Os Tupinambás e os papagaios amarelos ou as relações entre Brasil e França entre os séculos XVI e XVII. História e Ensino 6:11-32.
Drummond J 1997. Devastação e preservação ambiental: os parques nacionais do Estado do Rio de Janeiro, EDUFF, Niterói, 306 pp.
Duncan J, Duncan N 1988. (Re) reading the landscape. Environmental and Planning D Society and Space 6:117-126.
Engemann C, Chagas J, Santos R, Borges A, Oliveira R 2005. Consumo de recursos florestais e produção de açúcar no período colonial: o caso do engenho do Camorim, RJ. En R Oliveira, As marcas do homem na floresta: história ambiental de um trecho de Mata Atlântica, PUC-Rio, Rio de Janeiro, p. 119-140.
Fausto C 1992. Fragmentos de história e cultura Tupinambá. Da etnología como instrumento crítico de conhecimento etno-histórico. En M Cunha, História dos Índios no Brasil, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, São Paulo, p. 381-396.
Fernandes F 1989. A organização social dos Tupinambá, Hucitec, São Paulo, 325 pp.
Freyre G 2010. Nordeste, Global Editora, São Paulo, 272 pp.
Furtado C 1975. Formação econômica do Brasil, Companhia Editora Nacional, São Paulo.
Gaspar C, Barata C 2008. De engenho a jardim, Memórias históricas do Jardim Botânico, Capivara, Rio de Janeiro, 220 pp.
Gomes F. 2005. A Hidra e os pântanos. Mocambos, quilombolas e comunidades de fugitivos no Brasil (séculos XVII-XIX), UNESP-Polis, São Paulo, 464 pp.
Guevara S, Laborde J, Sánchez G 2005. Los árboles que la selva dejó atrás. Interciencia 30(10):595-601.
Joly C, Metzger J, Tabarelli M 2014. Experiences from the Brazilian Atlantic Forest: ecological findings and conservation initiatives. New Phytologist 204:459-473.
Klein H 1987. A demografia do tráfico atlântico de escravos para o Brasil. Estudos económicos 17(2):129-149.
Lazos A, Moreno-Casasola P, Guevara S, Gallardo C, Galante E 2016. El uso de los árboles en Jamapa, tradiciones en un territorio deforestado. Madera y Bosques 22(1):17-36.
Lopes P, Araújo K, Lopes I, Rangel R, Santos N, Kageyama P 2014. Uma análise das consequências da agricultura convencional e das opções de modelos sustentáveis de produção-agricultura orgânica e agroflorestal. Revista Espaço de Diálogo e Desconexão, Araraquara 8(2).
Maestri M 1995. Os senhores do litoral: Conquista portuguesa e agonia tupinambá no litoral brasileiro, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 164 pp.
Marks P, Gardescu S 2005. Inferring Forest Stand History from Observational Field Evidence. En D Egan, E Howell, The Historical Ecology Handbook, A Restorationists’ Guide to Reference Ecosystems, Island Press, Washington, p. 177-198
Medeiros R 2006. Evolução das tipologias e categorias de áreas protegidas no Brasil. Ambiente e Sociedade 9(1):41-64.
Ministério do Meio Ambiente (MMA). 2008. Lista Oficial das Espécies da Flora Brasileira Ameaçadas de Extinção. Disponible en: http://www.mma.gov.br/estruturas/ascom_boletins/_arquivos/83_1909200 8034949.pdf.
Netto A 2005. A interface florestal-urbana e os desastres naturais relacionados à água no maciço da Tijuca: desafios ao planejamento urbano numa perspectiva sócio-ambiental. Revista do Departamento de Geografia 16:46-60.
Oliveira R 2007. Mata Atlântica, paleoterritórios e história ambiental. Ambiente e sociedade 10(2):11-23.
Oliveira R 2010. As marcas do homem na floresta, PUC-Rio, Rio de Janeiro, 230 pp.
Oliveira R 2015. Fruto da terra e do trabalho humano: paleoterritórios e diversidade da Mata Atlântica no Sudeste brasileiro. Revista de História Regional 20(2):277-299.
Oliveira R, Bovini M, Buarque A, Scheel-Ybert R 2014. Uma cápsula do tempo: o uso potencial de recursos naturais por visitantes pré-coloniais no arquipélago das Cagarras, Rio de Janeiro. HALAC 4(1):33-56.
Oliveira R, Engemann C 2011. História da paisagem e paisagens sem história: a presença humana na floresta atlântica do sudeste brasileiro. Revista Esboços 18(25):9-31.
Oliveira R, Fraga J 2011. Metabolismo social de uma floresta e de uma cidade: paisagem, carvoeiros e invisibilidade social no Rio de Janeiro dos séculos XIX e XX. GEOPUC 4(7).
Oliveira R, Fraga J, Berck D 2011. Um bosque de vestígios: el metabolismo social y la actividad de carboneros en los siglos XIX y XX en Rio de Janeiro, RJ. Interthesis 8(2):286-315.
Oliveira R, Solórzano A 2014. Três hipóteses ligadas à dimensão humana da Mata Atlântica. Fronteiras Journal of Social, Technological and Environmental Science 3(2):80-95.
Oliveira R, Solórzano A, Sales G, Beauclair M, Scheel-Ybert R 2013. Ecologia histórica de populações da carrapeta (Guarea guidonia (L.) Sleumer) em florestas de encosta do Rio de Janeiro. Pesquisas, Botânica 64:323-339.
Pádua A 2010. As bases teóricas da história ambiental. Estudos avançados 24(68):81-101.
Perring M, Ellis E 2013. The extent of novel ecosystems: long in time and broad in space. En R Hobbs, E Higgs, C Hall. Novel Ecosystems, Intervening in the New Ecological World Order, Wiley-Blackwell, West Sussex, p. 66-80.
Plano Municipal de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica do Rio de Janeiro (PMMA). 2015. Prefeitura do Rio de Janeiro y Ecobrand. Disponible en: http://www.rio.rj.gov.br/web/smac/pmma-rio.
Plieninger T, Schaich H, Kizos T 2011. Land-use legacies in the forest structure of silvopastoral oak woodlands in the Eastern Mediterranean. Regional Environmental Change 11(3):603-615.
Reinbolz A, Yasui A, Plieninger T 2008. The relevance of historical features for forest management in the Black Forest (Germany). German Journal of Forest Research 179:179-185.
Sales G 2016. No caminho dos carvoeiros: Estrutura da floresta em um paleoterritório de exploração de carvão no Maciço da Pedra Branca, RJ, tesis de maestria, Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 153 pp.
Santos F, Solórzano A, Guedes-Bruni R, Oliveira R 2006. Composição do estrato arbóreo de un paleoterritório de carvoeiros no Maciço de Pedra Branca, RJ. Pesquisas, Botânica 57:181-192.
Scheel-Ybert R 2001. Man and Vegetation in Southeastern Brazil during the Late Holocene. Journal of Archaeological Science 28:471-480.
Scheel-Ybert R, Klökler D, Gaspar M, Figuty L 2006. Proposta de amostragem padronizada para macro-vestígios bioarquelógicos: antracologia, arqueobotânica, zooarqueologia. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia 15-16:139-163.
Solórzano A, Guedes-Bruni R, Oliveira E 2009. Geografia, história e ecologia: criando pontes para a interpretação da paisagem. Ambiente e Sociedade 12(1):49-66.
Solórzano A, Lazos A, Oliveira R 2016. Landscape reading methodology of urban forests: interpreting past and current socioecological interactions in Rio de Janeiro. HALAC 6(1):211-224.
Svorc R, Oliveira R 2012. Uma dimensão cultural da paisagem: biogeografia e história ambiental das figueiras centenárias da mata atlântica. GEOUSP 32:140-160.
Tabarelli M, Pinto L, Silva J, Hirota M, Bedê L 2005. Desafios e oportunidades para a conservação da biodiversidade na Mata Atlântica brasileira. Megadiversidade 1(1):132-138.
Publicado
2017-04-28
Como Citar
Ruíz, Adi Estela, Rogério Oliveira, e Alexandro Solórzano. 2017. Buscando La Historia En Los Bosques: El Papel De Los Macrovestigios Y De La Vegetación En La Mata Atlántica. Fronteiras: Journal of Social, Technological and Environmental Science 6 (1), 163-82. https://doi.org/https://doi.org/10.21664/2238-8869.2017v6i1.p163-182.
Seção
Dossiê - Territórios e paisagens na América Latina