Desastre da Samarco no Brasil: desafios para a conservação da biodiversidade

  • Haruf Salmen Espindola Universidade Vale do Rio Doce - Univale, Brasil.
  • Renata Bernardes Faria Campos Universidade Vale do Rio Doce - Univale, Brasil.
  • Karla Cristine Coelho Lamounier Universidade Vale do Rio Doce - Univale, Brasil.
  • Rômulo Siqueira Silva Universidade Vale do Rio Doce - Univale, Brasil.

Resumo

No dia 5 de novembro de 2015, o Brasil e o mundo tomaram conhecimento do desastre ambiental provocado pelo rompimento da barragem de Fundão (Samarco/Vale/BHP Billiton), em Mariana-MG. O impacto do desastre não se restringiu às áreas imediatas à jusante do barramento, onde causou destruição de assentamentos humanos, mas impactou cursos d’água, terras agricultáveis, atividades econômicas, abastecimento de água potável para cidades e a biodiversidade. O Parque Estadual do Rio Doce (PERD), principal remanescente da Mata Atlântica do estado, se viu diante de uma ameaça não prevista em seu plano de manejo. Assim, este artigo é dedicado à história e importância do PERD, ao desastre da Samarco/Vale/BHP e aos impactos provocados nesta unidade de conservação. Discute-se impactos do desastre para a vida humana e biodiversidade, inclusive porque as condições ecológicas implicam em possibilidades e entraves para processos sociais.

Biografia do Autor

Haruf Salmen Espindola, Universidade Vale do Rio Doce - Univale, Brasil.
Professor Titular da Universidade Vale do Rio Doce - Univale, atua no Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu Interdisciplinar em Gestão Integrada do Território – GIT/Univale. Possui graduação em História pela UFMG (1981), mestrado em História Política pela UnB (1988) e doutorado em História Econômica pela USP (2000). Na pesquisa dedica à Ciência Política, História Social e História Ambiental. Na Extensão atua no campo do desenvolvimento territorial, em projetos ligados ao Território Rural do Médio Rio Doce e à Agroecologia.
Renata Bernardes Faria Campos, Universidade Vale do Rio Doce - Univale, Brasil.
Professora pesquisadora do PPG Interdisciplinar em Gestão Integrada do Território – GIT/Univale. Possui graduação em Biologia (1999) pela Universidade Federal de Viçosa; mestrado (2002) e doutorado (2008) em Entomologia pela mesma Universidade. Atua na área de Ecologia (com ênfase em ecologia de comunidades em matas ciliares) e formação de professores para Educação Ambiental e Ensino de Ciências. 
Karla Cristine Coelho Lamounier, Universidade Vale do Rio Doce - Univale, Brasil.
Advogada com experiência na área de Direito Civil e Direito Público; mestranda do PPG Interdisciplinar em Gestão Integrada do Território – GIT/Univale, desenvolvendo estudo com ênfase na área ambiental, particularmente em relação ao Parque Estadual do Rio Doce, em Minas Gerais. Possui graduação em Direito pela Faculdade de Direito do Vale do Rio Doce (2003).
Rômulo Siqueira Silva, Universidade Vale do Rio Doce - Univale, Brasil.
Graduando do curso de Engenharia Civil da Universidade Vale do Rio Doce e bolsista de iniciação científica pela FAPEMIG. 

Referências

Alves HR 2015. O rompimento de barragens no Brasil e no mundo: desastres mistos ou tecnológicos?. Faculdade Dom Helder Câmara, Belo Horizonte. [cited 2016 Sep. 26]. Available from: http://www.domhelder.edu.br/uploads//artigo_HRA.pdf.
Brasil 2015. Laudo Técnico Preliminar: Impactos ambientais decorrentes do desastre envolvendo o rompimento da barragem de Fundão, em Mariana, Minas Gerais. IBAMA/Ministério do Meio Ambiente, Brasília. [cited 2016 Sep. 28]. Available from: http://www.ibama.gov.br/phocadownload/noticias_ambientais/ laudo_tecnico_preliminar.pdf.
Brasil 2016. Encarte Especial sobre a Bacia do Rio Doce. Rompimento da Barragem em Mariana/MG. Agência Nacional de Águas, Ministério do Meio Ambiente, Superintendência de Planejamento de Recursos Hídricos – SPR, Brasília. [cited 2016 Sep. 26]. Available from: http://www3.snirh.gov.br/portal/snirh/ centrais-de-conteudos/conjuntura-dos-recursos-hidricos/encarteriodoce_22_03_2016v2.pdf.
Coelho MAT 2011. Rio Doce: a espantosa evolução de um vale. Autêntica Editora, Belo Horizonte.
Companhia Vale do Rio Doce 1969. Desenvolvimento Agropecuário da Região de Influência da CVRD: estudo básico. Planejamentos Agro-Industriais – SEITEC, São Paulo.
Embrapa 2015. Avaliação dos impactos causados ao solo pelo rompimento de barragem de rejeito de mineração em Mariana, MG: Apoio ao plano de recuperação agropecuária. EMBRAPA.
Espindola HS 2001. A Colonização das Almas. Pós-Historia (UNESP. Assis), 9:115-126.
Espindola HS 2005. O Sertão do Rio Doce. Edusc, Bauru.
Espindola HS, Moraes JCPP, Aquino BP 2001. Nada se perde tudo se consome: devastação da floresta tropical de Minas Gerais no século XX. Anais do XIV Encontro Nacional da ANPUR. Rio de Janeiro, Anais encontros nacionais ANPUR, 1:1-17. [cited 2016 Sep. 30]. Available from: http://unuhospedagem. com.br/revista/rbeur/index.php/anais/article/view/3691.
Franco JLA 2002. Primeira Conferência Brasileira de Proteção à Natureza e a questão da Identidade Nacional. Revista Varia História, 26:77-96. [cited 2016 Sep. 30]. Available from: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-87752010000100020.
Freitas CM, Silva MA, Menezes FC 2016. O desastre na barragem de mineração da Samarco: fratura exposta dos limites do Brasil na redução de risco de desastres. Ciência e Cultura, 68(3):25-30. [cited 2016 Sep. 30]. Available from: http://dx.doi.org/10.21800/2317-66602016000300010.
Garcia LC, Ribeiro DB, Roque FO, Ochoa-Quintero JM, Laurance WF 2016. Brazil’s worst mining disaster: Corporations must be compelled to pay the actual environmental costs. Ecological Applications [serial on the Internet]. 2016 Oct. [cited 2016 Sep. 26]: [about 15 p.]. Available from: http://dx.doi.org/10.1002/eap.1461.
GIAIA (Grupo Independente para Avaliação do Impacto Ambiental) (Gomes e Souza et al.) 2016c. Resultados das análises quali-quantitativas do zooplâncton Rio Doce e afluentes, março e abril de 2016. [cited 2016 Sep. 30]. Available from: http://giaia.eco.br/wp-content/uploads/2016/07/RELATORIO-ZOOPLANCTON-2_jul2016.pdf.
GIAIA (Grupo Independente para Avaliação do Impacto Ambiental) (Lourenço et al.) 2016b. Levantamento de plantas aquáticas na Bacia do Rio Doce após o desastre ambiental de Mariana. [cited 2016 Sep. 30]. Available from: http://giaia.eco.br/wp-content/uploads/2016/08/RelatorioPlantasAquaticas _ago2016.pdf.
GIAIA (Grupo Independente para Avaliação do Impacto Ambiental) 2016a. Relatório Parcial. [cited 2016 Sep. 30]. Available from: http://giaia.eco.br/wp-content/uploads/2016/03/GIAIA_relatorio Parcial_mar2016.pdf.
Gontijo BM, Britto CQ 1997. Identificação e classificação dos impactos ambientais no Parque Florestal Estadual do Rio Doce – MG. Geonomos, 5(2):.
Gregório E (org.) 2007. Bacia Hidrográfica do Rio Doce. Informações sobre as bacias dos rios afluentes. 3º Fórum das Águas do Rio Doce, 2007. [cited 2016 Sep. 30]. Available from: https://cenfopgeografia.files.wordpress.com/2010/02/apostila-bacia-do-doce.pdf.
IBRAM 2012. Informações e Análises da Economia Mineral Brasileira. 7ed p. 32-37, dezembro.[cited 2016 Oct. 10]. Available from: http://www.ibram.org.br/sites/1300/1382/00002806.pdf.
ICMBio 2016. Ofício nº 22/2016-GABIN/PRESI/ICMBio. Ministério do Meio Ambiente, Brasília. [cited 2016 Sep. 15]. Available from: http://www.mpf.mp.br/es/sala-de-imprensa/docs/doc-3_20160036149-1-ibama.pdf/view.
Mattos IM 2004. Civilização e revolta: os Botocudos e a catequese na Província de Minas. Edusc-Anpocs, Bauru.
Minas Gerais 2016. Relatório Técnico. Acompanhamento da Qualidade das Águas do Rio Doce Após o Rompimento da Barragem da Samarco no distrito de Bento Rodrigues – Mariana/MG. IGAM, Belo Horizonte (1º de fevereiro). [cited 2016 Oct. 04]. Available from: http://www.igam.mg.gov.br/images/stories/2016/ QUALIDADE/3Relatorio_Tecnico_Monitoramento_Rio_Doce_Rev01_02_2016.pdf.
Neves CAR, Silva LR 2007. Universo da mineração brasileira. DNPM, Brasília. [cited 2016 Sep. 26]. Available from: http://www.dnpm.gov.br/dnpm/publicacoes-economia-mineral/arquivos/universo-da-mineracao-brasileira-2007.
Paiva AT 2012. Conhecimentos do território: as expedições de conquista e as classificações das nações indígenas... Anais do XV Seminário sobre Economia Mineira, Diamantina: CEDEPLAR/UFMG. [cited 2016 Oct. 02]. Available from: http://diamantina.cedeplar.ufmg.br/2012/arquivos/ Conhecimentos%20do%20territ%C3%B3rio.pdf.
Paula JA (coord.) 1997. Biodiversidade, população e economia: uma região de Mata Atlântica. UFMG/Cedeplar; ECMXC; PADCT/CIAMB, Belo Horizonte.
Pivari MO et al. 2011. Macrófitas aquáticas do sistema lacustre do Vale do Rio Doce, Minas Gerais, Brasil. Rodriguésia. Revista do Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 62(4):.
PoEMAS 2015. Antes fosse mais leve a carga: avaliação dos aspectos econômicos, políticos e sociais do desastre da Samarco/Vale/BHP em Mariana (MG). [cited 2016 Aug. 26]. Available from: http://www.ufjf.br/poemas/files/2014/07/PoEMAS-2015-Antes-fosse-mais-leve-a-carga-vers%C3% A3o-final.pdf.
Rache AL 1957. Contribuição ao estudo da economia mineira. José Olímpio, Rio de Janeiro.
Rosa LBRA 1976. Companhia Estrada de Ferro de Vitória a Minas: 1890-1940. Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo, São Paulo.
Santos EMB 2015. O parque e a estrada: Uma análise acerca de conservação e desenvolvimento na história do Parque Estadual do Rio Doce (1944-1993). Tese de Doutorado, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.
Segura FR et al. 2016. Potential risks of the residue from Samarco's mine dam burst (Bento Rodrigues, Brazil). Environmental Pollution, 218:813-825.
Stallings JR 1991. Mamíferos do Parque Florestal Estadual do Rio Doce, Minas Gerais, Brasil. Revista Brasileira de Zoologia, 7(4):663-677.
Strauch N 1955. A Bacia do Rio Doce. Estudo Geográfico. IBGE/CNG, Rio de Janeiro.
Strauch N 1958. Zona Metalúrgica de Minas Gerais e Vale do Rio Doce. Conselho Nacional de Geografia, Rio de Janeiro.
Vilarino MTB 2008. Entre lagoas e florestas: atuação do Serviço Especial de Saúde Pública (SESP) no saneamento do médio rio Doce: 1942-1960. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.
Vilarino MTB 2015. Da lata d'agua ao SESP: tensões e constrangimentos de um processo civilizador no Sertão do Rio Doce (1942-1960). Tese de Doutorado, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.
Publicado
2016-12-20
Como Citar
Espindola, Haruf, Renata Campos, Karla Cristine Lamounier, e Rômulo Silva. 2016. Desastre Da Samarco No Brasil: Desafios Para a Conservação Da Biodiversidade. Fronteiras: Journal of Social, Technological and Environmental Science 5 (3), 72-100. https://doi.org/https://doi.org/10.21664/2238-8869.2016v5i3.p72-100.
Seção
Dossiê - Uso e conservação da Biodiversidade