Desenvolvimento de Biossimilares no Brasil

  • Eduardo Braz Pereira Gomes Universidade Estadual de Goiás – UEG
  • Renato Rosseto Universidade Estadual de Goiás – UEG
  • Lucimar Pinheiro Centro Universitário de Anápolis – UniEVANGÉLICA
  • Lia Hasenclever Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ
  • Julia Paranhos Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ

Resumo

Este artigo apresenta uma breve visão do advento da indústria de biossimilares no Brasil e no mundo. Os biossimilares são medicamentos originários de proteínas terapêuticas ou biológicas, cujas patentes estão expiradas ou em expiração. Analogamente à indústria farmacêutica de genéricos, a expiração das patentes dos medicamentos biológicos condiciona o surgimento de um novo segmento na indústria farmacêutica. Seu advento enseja a transposição de inúmeras barreiras, não somente regulatórias, de propriedade intelectual, bem como de processos e domínio da expertise tecnológica. Esse nível de complexidade impõe às novas empresas que assumam a produção de biossimilares, o mesmo patamar estratégico das empresas originadoras ou detentoras das patentes. A importância dos biossimilares se deve no contexto de saúde pública, aos altos custos dos biológicos originadores. Como a incidência de doenças crônico-degenerativas dominará o cenário dos sistemas de saúde, devido ao envelhecimento da população, a emergência dos biossimilares acarretará reduções substanciais de custos.

Biografia do Autor

Eduardo Braz Pereira Gomes, Universidade Estadual de Goiás – UEG
Doutor em Políticas Públicas, Estratégias e Desenvolvimento pela Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ. Docente na Universidade Estadual de Goiás – UEG. Brasil.
Renato Rosseto, Universidade Estadual de Goiás – UEG
Doutor em Ciências pela Universidade Estadual de Campinas – Unicamp. Docente na Universidade Estadual de Goiás – UEG. Brasil.
Lucimar Pinheiro, Centro Universitário de Anápolis – UniEVANGÉLICA
Doutora em Ciências pela Universidade Estadual de Campinas – Unicamp. Docente no Centro Universitário de Anápolis – UniEVANGÉLICA. Brasil. 
Lia Hasenclever, Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ
Doutora em Programa de Pós Graduação Em Engenharia de Produção pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ. Docente na Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ. Brasil.
Julia Paranhos, Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ
Doutora em Economia da Indústria e da Tecnologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ. Docente na Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ. Brasil. 
Publicado
2016-06-28
Como Citar
Gomes, Eduardo, Renato Rosseto, Lucimar Pinheiro, Lia Hasenclever, e Julia Paranhos. 2016. Desenvolvimento De Biossimilares No Brasil. Fronteiras: Journal of Social, Technological and Environmental Science 5 (1), 31-42. https://doi.org/https://doi.org/10.21664/2238-8869.2016v5i1.p31-42.
Seção
Dossiê - Biotecnologia e Inovação: Dos laboratórios de Ensino e Pesquisa às Políticas Públicas