Compartimentação Morfopedológica como Subsídio ao Planejamento do Uso da Terra das Bacias dos Rios Claro e dos Bois, Estado de Goiás

  • Maria Gonçalves da Silva Barbalho Centro Universitário de Anápolis - UniEVANGÉLICA
  • Selma Simões de Castro IESA/UFG – LABOGEF - Laboratório de Geomorfologia, Pedologia e Geografia Física.

Resumo

conflitos de uso da terra das bacias dos rios Claro e dos Bois, integrantes da alta bacia do rio Araguaia, estado de Goiás, a partir da compartimentação morfopedológica, de modo a identificar os compartimentos mais suscetíveis à ocorrência dos processos erosivos lineares, interpretando as possíveis causas. Utilizou-se análise integrada das principais variáveis da paisagem, ponderando-se a incidência das erosões lineares (ravinas e voçorocas) em relação aos fatores geológicos, geomorfológicos e o padrão de drenagem, a partir de correlação espacial com base em sensoriamento remoto e geoprocessamento, em escala de detalhe. Foram delimitados 4 (quatro) compartimentos morfopedológicos e 395 focos erosivos hídricos lineares de médio e grande porte...Palavras-Chave: Erosão; Assoreamento; Análise Integrada da Paisagem; Alta Bacia do Rio Araguaia.

Referências

Barbalho MGS et al. Caracterização Geo-Ambiental: uso e ocupação das terras - região do alto curso do rio Araguaia-GO/MT. Simpósio Brasileiro de Geografia Física Aplicada. Anais... Recife, Nov., 2001.
Barbalho MGS, Campos AB. Relações entre o relevo e as ocorrências erosivas na zona da alta bacia do rio Araguaia (GO/MT). VII Simpósio Nacional de Controle de Erosão, ABGE, Anais… Goiânia, 2001.
Barbalho MGS, Castro SS. Morfopedologia aplicada ao diagnóstico e diretrizes para o controle dos processos erosivos lineares na alta bacia do rio Araguaia (GO/MT/MS). IV Simpósio Nacional De Geomorfologia. Anais… São Luís, Nov., 2002.
Bayer M. Características do fluxo de sedimento em suspensão no Alto e Médio Araguaia. Goiânia (Tese De Doutorado, Doutorado em Ciências Ambientais da Universidade Federal de Goiás), 2010.
Blaschke T, Kux H. Sensoriamento remoto e Sig: Novos sistemas sensores: métodos inovadores. São Paulo: Oficina de Textos, 2005.
Castro SS et al. Atlas geoambiental das nascentes dos rios Araguaia e Araguainha: condicionantes dos processos erosivos lineares. Goiânia: Secretaria do Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos de Goiás, 2004a.
Castro SS et al. Plano de controle de erosão linear nas nascentes dos rios Araguaia e Araguainha, 2004b.
Castro SS, Queiroz Neto JP. Soil Erosion in Brazil, from coffee to the present-day soy bean production. In: J. F. Shroder (Editor Chefe); Latrubesse, E. (Org.). Elsevier Book of South America. Holanda: Elsevier, 2009, V. 32, P.195-221.
Castro SS. Diagnóstico e prognóstico para controle de erosões rurais e urbanas nos estados de Mato Grosso e Goiás. Relatório Final. Fapesp, Campinas, (2002b).
Castro SS. Diagnóstico, prognóstico e controle de erosões rurais e urbanas nos estados de Mato Grosso e Goiás. Relatório Final. CNPQ/PCOPG, (2002a).
Castro SS. Erosão hídrica na alta bacia do rio Araguaia: distribuição, condicionantes, origem e dinâmica atual. Revista do Departamento de Geografia, São Paulo, 2005.
Christofoletti A. Geomorfologia fluvial. São Paulo: Edgar Blucher Ltda., 1981.
Cunha AS. Uma avaliação da sustentabilidade da agricultura nos Cerrados. Ipea, Brasília, 1994.
De-Campos AB et al. Analise do comportamento espacial e temporal das temperaturas e pluviosidades no estado de Goiás. In: Almeida, M. G. (Org.). Abordagens geográficas de Goiás: o natural e o social na contemporaneidade. Goiânia: UFG, 2002, P. 91-118.
De-Campos AB et al. Geological and topographic indicators of the gully erosion at the Upper Araguaia River Basin, Brazil. In: International Symposium on Gully Erosion Under Global Change, 2000, Leuven. Book of abstracts, 2000. P. 1-149.
Donald S. 1983. Ocupación y desocupación de la frontera agrícola en el Brasil; un ensayo de interpretación estructural y espacial. In: Cepal/Pnuma (Org.), Expansión de la frontera agrícola y medio ambiente en América Latina. Madrid, Naciones Unidas/Cifca.
Embrapa. Centro Nacional de Pesquisa de Solo. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos: 2a Ed. Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 2006.
Faria KMS, Castro SS. Uso da terra e sua relação com os remanescentes do cerrado na alta bacia do rio Araguaia (GO, MT e MS). Associação de Geografia Teorética. Rio Claro. 2007.
Faria KMS. Caracterização dos remanescentes de Cerrado e suas relações com o uso e ocupação das terras na alta bacia do rio Araguaia. Goiânia. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Goiás, 2006.
Ferreira ME et al. Cobertura vegetal remanescente em Goiás: distribuição, viabilidade ecológica e monitoramento. In: Ferreira LG. (Org.). a encruzilhada socioambiental - biodiversidade, economia e sustentabilidade no cerrado. Goiânia, Editora UFG, P. 169-186, 2008.
Gomes H, Teixeira Neto A. Geografia de Goiás/Tocantins. Centro editorial e gráfico. Goiânia, UFG, 1993.
Kageyama A et al. O Novo padrão agrícola brasileiro: do complexo rural aos complexos agroindustriais. In: Delgado G, Gasques JG, Villa Verde CM. Agricultura e políticas públicas. Brasília: IPEA, 1990, P.113-223.
Klink CA, Machado RB. Conservation of the Brazilian cerrado. Conservation Biology, V. 19 (3): 707-713, 2005.
Latrubesse ME, Carvalho MT. Geomorfologia do estado de Goiás e Distrito Federal. Secretaria da Indústria e Comércio. Superintendência de Geologia e Mineração. Goiânia, 2006.
Machado RB et al. Estimativas de perda de área do cerrado brasileiro. Relatório Técnico. Conservação Internacional, Brasília, DF, 2008.
Marinho GV et al. Hydrology and gully processes In the upper Araguaia river basin, Central Brazil. Zeitschrift Fur Geomorphologie. Supplementband, 2006.
Marinho GV, Castro SS. Caracterização físico-hídrica e de suscetibilidade s voçorocamento dos solos da sub-bacia do córrego Queixada na alta bacia do Rio Araguaia. In: X SBGFA, 2003, Rio De Janeiro.
Martins MS. Substrato geológico e suas relações com os processos erosivos Lineares na alta bacia do rio Araguaia. Trabalho de conclusão de curso. (Graduação em Geografia). Universidade Federal de Goiás. Goiânia, 2000.
Miller KR. Em busca de um novo equilíbrio: diretrizes para aumentar as oportunidades de conservação da biodiversidade por meio de manejo biorregional. Brasília: Ibama, 1997.
Ministério da Agricultura. II PND. Setor de Agricultura. 1975/1979, MA/Suplan, 1975.
Ministério do Meio Ambiente. Secretaria de Recursos Hídricos - Relatório Final - Caderno Regional da Região Hidrográfica do Tocantins/Araguaia. Brasília - DF, 2006.
Miziara F, Ferreira NC. Expansão da fronteira agrícola e evolução da ocupação e uso do espaço no estado de Goiás: Subsídios a política ambiental. In: Ferreira LG. (Org.). A encruzilhada socioambiental - biodiversidade, economia e sustentabilidade no cerrado. Goiânia, Editora UFG, p. 107-126, 2008.
Morais RP. A Planície Aluvial do Médio Araguaia: processos geomorfológicos e suas implicações ambientais. Tese de doutoramento. Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2006.
Muller CC. 1992 Dinâmica, condicionantes e impactos ambientais da evolução da fronteira agrícola no Brasil, Revista de Administração Pública, Jul.; Set., 26 (3): 64-87.
Novaes Pinto M. Cerrado: caracterização, ocupação e perspectivas. 2a Ed. Brasília: Ed. UnB, 1993.
Oliveira VCV, Castro SS. Compartimentação morfopedológica, sistemas pedológicos e erosão laminar: Algumas considerações sobre o setor sul da alta bacia do rio Araguaia-GO/MT. In: VI Simpósio Nacional de Geomorfologia - Regional Conference on Geomorphology. Anais… Goiânia - Goiás, 2006.
Prodecer. Programa Nipo-Brasileiro de Desenvolvimento do Cerrado. Available from: Updated: August 10, 2010.
Ribeiro JF, Walter BMT. Fitofisionomias do bioma cerrado. In: Sano S. M.; Almeida, S. P. (Eds.). Cerrado: Ambiente e Flora. Planaltina: Embrapa-Cpac. 1998. P. 89-168.
Salomão FXT. 1999. Controle e prevenção dos processos erosivos. In: Guerra, T.A.J.; Silva, A.S. & Botelho, R.G. (Organizadores). Erosão e Conservação dos Solos: Conceitos, Temas e Aplicações. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, P. 229-265.
Sano EE. et al. Mapeamento Semidetalhado do Uso da terra do Bioma Cerrado. Pesq. Agropec. Bras. Jan 2008, Vol.43, Nº1, P.153-156.
Santana MP et al. Chuvas, Erosividade, erodibilidade, uso do solo e suas relações com focos erosivos lineares na alta bacia do rio Araguaia. Sociedade e Natureza, Uberlândia, 19(2): P. 103-121. Dez., 2007.
Santana MP. Chuva, Erodibilidade, Uso Das Terras E Erosão Hídrica Linear Na Alta Bacia Do Rio Araguaia (Go/Mt). Dissertação De Mestrado. Universidade Federal De Goiás, 2007.
Santos AP et al. Metodologia de interpretação de dados de sensoriamento no uso da terra. São José dos Campos: Inpe, 1981.
Silva RAA, Castro SS. relação entre relevo e arenização no setor sul da alta bacia do rio Araguaia (GO-MT-MS). In: VI Simpósio Nacional de Geomorfologia - Regional Conference on Geomorphology. Anais Do VI Simpósio Nacional de Geomorfologia - Regional Conference on Geomorphology. Goiânia: Cegraf, Vol. 1, 2006.
Silva RAA. Arenização/Desertificação no setor sul da alta bacia do rio Araguaia (GO/MT): distribuição e fatores condicionantes de formação dos areais. Goiânia. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal De Goiás, 2006.
Tricart J. In: Ecodinâmica. Rio De Janeiro: IBGE, SUPREN, 1977.
Veldkamp A et al. (2001). Multi-scale approaches in agronomic research at landscape Level. Soil and Tillage Res., 58: 129-140.
Vergolino JRO et al. Produtos internos brutos dos municípios brasileiros: 1970, 1975, 1980, 1985, 1990 E 1996. Brasília: Ipea, 2001. 26p.
Villar PMD, Ferreira CM. As dinâmicas de ocupação do espaço e a exploração dos recursos e imposições agronômicas e ambientais nas áreas sensíveis dos cerrados brasileiros, nos planos ecológico e econômico. Projeto Cirad. Embrapa, 2005.
Xavier LS et al. Linear erosion in the region of the source area of Araguaia river. Sociedade e Natureza, Uberlândia, 2005.
Publicado
2014-12-28