ATEROSCLEROSE DE CARÓTIDA: ASSOCIAÇÃO ENTRE O LADO ACOMETIDO COM FATORES DE RISCO E DOENÇAS SISTÊMICAS

  • Teófilo Dorneles Claro dos Santos Silva Universidade Federal do Maranhão
  • Laís dos Santos Pimentel Universidade Federal do Maranhão
  • Ronan Lacerda Barbosa Universidade Federal do Maranhão
  • Marlon Ferreira Santos Universidade Federal do Maranhão
  • Felipe Rodrigues de Carvalho Universidade Federal do Maranhão
  • Leonardo Hunaldo dos Santos Universidade Federal do Maranhão
  • Edem Moura de Matos Junior Universidade Federal do Maranhão
Palavras-chave: Aterosclerose da carótida, ultrassonografia doppler, fatores de risco

Resumo

  Introdução: A aterosclerose é uma doença degenerativa de etiologia multicausal. Diferentes fatores de risco (genéticos e adquiridos) atuando em conjunto podem determinar sua ocorrência. Objetivo: Considerando a importância epidemiológica da aterosclerose, resolveu-se estudá-la por meio da ultrassonografia e observar sua associação entre o lado acometido (direito, esquerdo, ambos os lados) com fatores de risco, como: idade, sexo, hipertensão arterial, tabagismo e diabetes melito. Metodologia: Os dados foram obtidos a partir da análise de fichas de atendimento, disponibilizadas por uma clínica particular de Imperatriz – MA, que oferece o serviço de doppler de carótida, no período de janeiro a dezembro de 2016. O exame ultrassonográfico teve como objetivo a localização e quantificação de lesões ateromatosas das carótidas. Resultado: Foram estudados 50 indivíduos, cuja a faixa etária variou de 42 a 86 anos, com idade média de 69,72 anos (± 9,43), dos quais 31 (62%) eram do sexo feminino e 19 (38%) masculino. Dessa população, 13 (26%) eram portadores de diabetes melito, e 11 (22%) eram tabagistas, 38 (76%) indivíduos eram hipertensos e 22 (44%) tinham história pregressa de acidente vascular cerebral. Conclusão: Embora os estudos evidenciem diferenças no grau de desenvolvimento aterosclerótico quando comparado o lado da artéria carótida acometida, demonstra-se não haver correlação específica ente o lado acometido (direito, esquerdo, ambos) com os fatores de risco (sexo, tabagismo) e doenças sistêmicas (acidente vascular cerebral, diabetes melito e hipertensão).

Referências

1 - Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Diretrizes para o cuidado das pessoas com doenças crônicas nas redes de atenção à saúde e nas linhas de cuidado prioritárias. Brasília: Ministério da Saúde, 2013. 28p.
2 - de Groot E, Hovingh GK, Wiegman A, Duriez P, Smit AJ, Fruchart JC, et al. Measurement of arterial wall thickness as a surrogate marker for atherosclerosis. Circulation. 2004;109(23 Suppl 1):III33-8.
3 - Freitas P de, Piccinato CE, Martins W de P, Mauad Filho F. Aterosclerose carotídea avaliada pelo eco-Doppler: associação com fatores de risco e doenças arteriais sistêmicas. J Vasc Bras. 2008;7(4):298-307.
4 - Guyton AC, Hall JE. Tratado de Fisiologia Humana. 13th ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2017.
5 - Isolan GR, Pereira AH, Aguiar PHP de, Antunes ACM, Mousquer JP, Pierobon MR. Anatomia microcirúrgica da artéria carótida externa: um estudo estereoscópico. J Vasc Bras. 2012;11(1):3-11.
6 - Geschwind N. The organization of language and the brain. Science. 1970;170(3961):940-44.
7 - Davis PH, Dawson JD, Riley WA, Lauer RM. Carotid intimal-medial thickness is related to cardiovascular risk factors measured from childhood through middle age: The Muscatine Study. Circulation. 2001;104(23):2815-19.
8 - Oren A, Vos LE, Uiterwaal CSPM, Grobbee DE, Bots ML. Cardiovascular risk factors and increased carotid intima-media thickness in healthy young adults. Arch Intern Med. 2003;163(15):1787-92.
9 - Mourgela S, Anagnostopoulou S, Sakellaropoulos A, Spanos A. Dolichoectatic cervical arteries (carotid and vertebral arteries) heralded by recurrent cerebral ischemia: case illustration. Angiology. 2008;59(1):107-10.
10 - McTigue K, Kuller L. Cardiovascular risk factors, mortality, and overweight. JAMA. 2008;299(11):1260–61.
11 - Stein JH, Korcarz CE, Hurst RT, Lonn E, Kendall CB, Mohler ER, et al. Use of carotid ultrasound to identify subclinical vascular disease and evaluate cardiovascular disease risk: a consensus statement from the American Society of Echocardiography Carotid Intima-Media Thickness Task Force. Endorsed by the Society for Vascular Medicine. J Am Soc Echocardiogr. 2008;21(2):93-111.
12 - Freire CMV, Alcantara ML de, Santos SN dos, Amaral SI do, Veloso O, Porto CLL, et al. Recomendação para a quantificação pelo ultrassom da doença aterosclerótica das artérias carótidas e vertebrais: grupo de trabalho do Departamento de Imagem Cardiovascular da Sociedade Brasileira de Cardiologia – DIC – SBC. Arq Bras Cardiol: Imagem cardiovasc. 2015;28(nº especial):1-64.
13 - IBM Corp. Released 2013. IBM SPSS Statistics for Windows, Version 22.0. Armonk, NY: IBM Corp.
14 - Callegari-jacques SM. Bioestatística - princípios e aplicações. 1st ed. Porto Alegre: Artmed; 2003.
15 - Joakimsen O, Bonaa KH, Stensland-Bugge E, Jacobsen BK. Age and sex differences in the distribution and ultrasound morphology of carotid atherosclerosis: The Tromsø Study. Arterioscler Thromb Vasc Biol. 1999;19(12):3007-13.
16 - Luo X, Yang Y, Cao T, Li Z. Differences in left and right carotid intima-media
thickness and the associated risk factors. Clin Radiol. 2011;66(5):393-98.
17 - Filardi V. Carotid artery stenosis near a bifurcation investigated by fluid dynamic analyses. Neuroradiol J. 2013;26(4):439-53.
18 - Xu C, Yuan C, Stutzman E, Canton G, Comess KA, Beach KW. Quest for the vulnerable atheroma: carotid stenosis and diametric strain—A Feasibility Study. Ultrasound Med Biol. 2016;42(3):699–716.
19 - Fragata I, Galo S, Manita M, Ferreira S, Reis J. Prevalência de doença carotídea na patologia cérebro-vascular isquêmica: O papel do eco-doppler. Acta Med Port. 2006;19:446-50.
Publicado
2018-12-21