Estudo epidemiológico das fraturas expostas em um hospital terciário de Anápolis

  • Alexandre Cesar Alves de Castro
  • Ana Paula Pereira de Morais
  • Bárbara Messias Pereira
  • Stefan Vilges de Oliveira Universidade Federal de Uberlândia
Palavras-chave: suicídio, intoxicação, saúde pública, prevenção

Resumo

Objetivos: descrever e caracterizar os casos de tentativa de suicídio por intoxicação exógena ocorridos em uma cidade do interior de Minas Gerais (MG), Brasil. Desenvolver uma proposta de intervenção para controle do aumento do número de casos ocorridos no município, além de melhorar o sistema de notificação deste agravo. Método: estudo epidemiológico, descritivo, em que foram analisados dados do SIH/SUS, disponibilizados pelo DATA/SUS, referentes a cidade de Coromandel-MG, compreendendo os casos notificados no período entre os anos de 2007 a 2017. Resultados: Nota-se um aumento no número de casos de tentativa de suicídio por intoxicação exógena entre o ano de 2010 e 2017, destacando-se o intervalo de 2012 a 2013 que apresentou um número de ocorrência 14 vezes maior. Conclusão: Esse tipo de agravo possui relevância na saúde pública e dessa maneira é imprescindível ações conjuntas da sociedade civil e órgãos governamentais para garantir a melhoria da qualidade da saúde mental dos habitantes do município.

Referências

1. Silva, Bráulio Figueiredo Alves da, Prates, Antônio Augusto Pereira, Cardoso, Alexandre Antônio, Rosas, Nina. O suicídio no Brasil contemporâneo. Soc. estado. Brasília, v. 33, n. 2, p. 565-579, ago. 2018.
2. Nunes, Everardo Duarte. O Suicídio: reavaliando um clássico da literatura sociológica do século XIX. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 14, n. 1, p. 7-34, jan. 1998.
3. World Health Organization (WHO). Global Health Estimates 2016: Deaths by cause, age, sex, by country and by region, 2000-2016. World Health Organization, Geneva.

4. Boletim Epidemiológico. Secretaria de Vigilância em Saúde − Ministério da Saúde. v. 48. n. 30. Brasil, 2017
5. Ajdacic-Gross, Vladeta; Weiss, Mitchell G, Ring, Mariann; Hepp, Urs; Bopp, Matthias; Gutzwiller, Felix et al. Methods of suicide: international suicide patterns derived from the WHO mortality database. Bulletin of the World Health Organization, v. 86, p. 726-732, 2008.
6. WK Kellogg Foundation. WK Kellogg Foundation logic model development guide. WK Kellogg Foundation, 2004.
7. Maia, Paulo Borlina. Mortalidade por Suicídio no Estado de São Paulo. SP Demográfico – Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo, ano 16, nº3. São Paulo, Fundação SEADE, 2016.

8. Brasil, Ministério da Saúde. Portaria N° 1271 de 6 de junho de 2014. Acesso em 14/05/2018. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2016/prt0204_17_02_2016.html
9. Brasil, Ministério da Saúde. Portaria N° 1.876 de 14 de agosto de 2006. Acesso em 14/05/2018. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2006/prt1876_14_08_2006.html
Publicado
2020-07-13