Epidemiologia e fatores relacionados às doenças psiquiátricas em um centro de atenção psicossocial infanto-juvenil no interior do nordeste brasileiro

  • Ester Mesquita Pitaluga Universidade Federal do Maranhão
  • Renata Vasques Palheta Avancini
  • Gustavo Senra Avancini
  • Daniel Abner Paiva Caetano
  • Jair Castello Soares
  • Kivia Silverio de Aguiar Guedes
  • Laura Moreira Teixeira
Palavras-chave: Psiquiatria infantil, Saúde Mental, Transtornos Mentais

Resumo

Objetivo: Os distúrbios mentais têm representado um grande desafio para a saúde mundial, considerando que 12% da população necessita de algum atendimento em saúde mental e 3% apresenta algum transtorno mental severo e persistente que necessita de acompanhamento. O desenvolvimento psíquico-cognitivo da criança é influenciado por diversas situações, genéticas e ambientais. O objetivo principal deste estudo foi observar quais são as doenças psiquiátricas mais prevalentes em pacientes atendidos pelo Centro de Atenção Psicossocial Infanto-Juvenil (CAPSIJ) de Imperatriz e levantar fatores que poderiam estar relacionados ao aparecimento e a apresentação desses distúrbios na infância. Métodos: Essa pesquisa se caracteriza como indutiva, analítica-descritiva, retrospectiva e documental. O presente estudo foi conduzido no Centro de Apoio Psicossocial Infanto-Juvenil de Imperatriz-MA. Resultados. Ao todo, foram 137 diagnósticos ou hipóteses diagnosticas levantadas, tendo algumas crianças recebido mais de um diagnóstico. São 22 diagnósticos diferentes definidos por Código Internacional de Doenças (CID) que foram reagrupados em categorias maiores conforme a semelhança dos transtornos. O sexo masculino é o mais prevalente e a média de idade aproximada é de 6 anos. Conclusão: Os transtornos mentais mais prevalentes entre as crianças analisadas foram os transtornos globais do desenvolvimento (em primeiro lugar autismo infantil) e transtornos hipercinéticos, seguidos pelo estado de stress pós-traumático, retardo mental e transtornos ansiosos. Foi comprovada a associação entre os transtornos presentes neste estudo e fatores genéticos, biológicos e ambientais.  

Referências

1. Vicente JB, Marcon SS, Higarashi IH. Convivendo com o transtorno mental na infância: Sentimentos e reações da família. Texto Contexto Enferm, 2016; 25(1):e0370014.
2. Marques IA. EMDR com crianças : o estado da arte. Revista de Psicologia da Criança e do Adolescente. Lisboa, 6(1) 2015.
3. Williams ME, Zamora I, Akinsilo O, Chen AH, Poulsen MK. Broad Developmental Screening Misses Young Children With Social-Emotional Needs. Clin. Pediatr. (Phila) 2017.
4. Matsukura TS, Fernandes ADSA, Cid MFB. Saúde mental infantil em contextos de desvantagem socioeconômica : fatores de risco e proteção. Cad. Ter. Ocup. UFSCar, São Carlos, v. 22, n. 2, p. 251-262, 2014.
5. Machado CM, Gonçalves AMAL, Marques Filho AB, Oliveira MCOSM, Domingos NAM, Cabrera EMS. Ambulatório de psiquiatria infantil : prevalência de transtornos mentais em crianças e adolescentes. Revista Psicologia: Teoria e Prática, 16(2), 53‑62.
São Paulo, SP, maio-ago. 2014. ISSN 1516-3687.
6. Polanczyk GV, Salum GA, Sugaya LS, Caye A, Rohde LA. Annual Research Review : A meta-analysis of the worldwide prevalence of mental disorders in children and adolescents. Journal of Child Psychology and Psychiatry **:* 2015.
7. Thiengo DL, Cavalcante MT, Lovisi GM. Prevalência de transtornos mentais entre crianças e adolescentes e fatores associados: uma revisão sistemática. J. Bras. Psiquiatr. 63, 360–372, 2014.
8. Marfinati AC, Abrão JLF. Um Percurso Pela Psiquiatria Infantil: Dos Antecedentes Históricos à Origem do Conceito de Autismo. Estilos clin., São Paulo v. 19, , 244–262. 2014.
9. Tilahun D, Fekadu A, Tekola B, Araya M, Roth I, Davey B et al. Ethiopian community health workers ’ beliefs and attitudes towards children with autism : Impact of a brief training intervention. 2017.
10. Gomes PTM, Lima LHL, Bueno MKG, Araújo LA, Souza NM. Autism in Brazil: A systematic review of family challenges and coping strategies. J. Pediatr. (Rio. J). 91, 111–121. 2015.
11. Duvekot J, Ende JVD, Verhulst FC, Slappendel G, Daalen EV, Maras A et al. Factors influencing the probability of a diagnosis of autism spectrum disorder in girls versus boys. Autism 21, 646–658. 2017.
12. Silva Júnior EA, Gomes CAB. Psychiatric comorbidities among adolescents with and without anxiety disorders : a community study. J Bras Psiquiatr. 2015;64(3):181-6.
13. Mewton L, Hodge A, Gates N, Visontay R, Teesson M. The Brain Games study : protocol for a randomised controlled trial of computerised cognitive training for preventing mental illness in adolescents with high-risk personality styles. Mewton L, et al. BMJ Open 2017;7:e017721
14. Lehmann S, Heiervang ER, Havik T, Havik OE. Screening Foster Children for Mental Disorders : Properties of the Strengths and Difficulties Questionnaire. Plos One, 2014.
15. Teixeira JN, Alvarenga P. Relações entre controle psicológico e comportamental materno e ansiedade infantil Introdução. Arquivos Brasileiros de Psicologia 68, 145–160. 2016.
16. Schaefer SL, Lobo BOM, Brunnet AE, Kristensen CH. Reações Pós-Traumáticas em Crianças: Como, Por Que e Quais Aspectos Avalaiar? Interação em Psicologia 20, 459–478. 2016.
17. Silva RS, Gonçalves MA ocorrência de transtornos psiquiátricos em crianças e adolescentes abusados sexualmente. Uniciências 19, 72–78. 2015.
18. Schäfer JL, Teixeira VA, Fontoura LP, Castro LC, Horta RL. Exposure to physical and sexual violence and suicidal ideation among schoolchildren Exposição à violência física e sexual e ideação suicida entre escolares. J Bras Psiquiatr. 2017;66(2):96-103.
19. Vieira ECM, Giffoni DAS. Avaliação de preditores de risco para deficiência intelectual. Rev. Psicopedagogia 2017; 34(104): 189-95
Publicado
2020-07-13