Implicações da síndrome alcoólica fetal

  • Ana Julia de Oliveira Gualberto
  • Ana Lara Menezes de Sousa
  • Guilherme Antônio Ferreira de Sena Soares
  • Lucas Lafaerto Felix Maia
  • Nathália Brandão de Bessa
  • Danielle Brandão Nascimento

Resumo

RESUMO: O presente artigo tem por objetivo avaliar os efeitos, os fatores de risco e os diagnósticos da Síndrome Alcoólica Fetal (SAF). Trata-se de uma revisão integrativa da literatura em que os descritores usados foram "Síndrome Alcoólica Fetal" e "Transtorno do espectro alcoólico fetal". Observou-se artigo nas línguas inglesa, espanhola e portuguesa que contemplam as causas e efeitos do consumo de álcool durante o período de gesta, que podem abranger, de importantes distúrbios sociais à déficits neurológicos. Dentre as principais consequências do consumo de álcool, o distúrbio neurológico é o mais predominante deles, devido à degeneração da bainha de mielina, baixa regulação dos genes associados à mielinazação dos axônios, diminuição da massa cinzenta entre outros. Ademais, a revisão retrata os distúrbios psicocomportamentais, que englobam as dificuldades verbais, déficits de linguagens e problemas da autorregulação comportamental, além da dificuldade de resolução de obstáculos, com inibição de resposta e memória de trabalho. Sendo que isso ocorre devido à migração incorreta de neurônios, que se encontram desprovidos de nutrientes devido ao uso do álcool, para áreas cerebrais específicas. Em relação aos fatores de risco abordados, os principais são: baixo nível socioeconômico, desemprego ou subemprego, início precoce do consumo de álcool, influência social incluindo família, amigos e mídia, episódios depressivos e de violência, não possuir religião, distúrbios sexuais e faixa etária de 17 a 19 anos. Além disso, foi comprovado que pré-natal inadequado também está diretamente relacionado às implicações da síndrome alcoólica fetal.  
Publicado
2019-11-23
Seção
RESUMOS - Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente