A violência física e psicológica praticada contra a mulher na gestação e suas consequênias imediatas e tardias

  • Bianca Mendonça Reis
  • Bruno Carraro
  • Caroline Borges de Assis
  • Gabriela El Bazi
  • Millena Batistela Pereira
  • Ravy Soares Álvares
  • Léa Resende Moura

Resumo

RESUMO: O presente artigo teve por objetivo avaliar as consequências da violência física, psicológica e emocional na gestação, tanto pré quanto pós-parto.Trata-se de uma revisão integrativa em que se utilizaram das seguintes palavras como descritores: Intimate partner violence; domestic violence; preagnancy; preagnant obtidos das bases de dados US National Library of Medicine, Nacional Institutes of Health (PubMed Central) e Biblioteca Virtual em Saúde. Ao longo da leitura desse artigo, fica evidente que qualquer tipo de violência causada contra a mulher acarreta em diversas complicações a ela e que esse quadro se agrava durante a gravidez, tornando-a mais susceptível as consequências durante esse período, podendo gerar, também, complicações ao filho dessa gestante. Dessa forma, podemos notar na gestante que esses tipos de violência aplicadas contra ela resulta em quadros como depressão, depressão pós-parto, ansiedade, anemia, síndrome do pânico e, em alguns casos mais graves, suicídio. As consequências dessas violências atingem também o feto, causando distúrbios como a desnutrição, relação inadequada entre mãe e filho e trabalho de parto prematuro e/ou espontâneo. Conclui-se que há uma necessidade de buscar medidas que indiquem que a mulher, gravida ou não, esteja sendo vítima de qualquer um desses tipos de violência, para que possam ser adotadas as medidas cabíveis e que venham a garantir uma qualidade de vida melhor para essa mulher e, caso esteja grávida, para a criança que estar por vir.     
Publicado
2019-11-23
Seção
RESUMOS - Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente