Meningite no Brasil segundo região, sexo e faixa etária

  • Ana Paula Bueno Andrade
  • Daiana Marina Andrade
  • Danielle Ferreira Santos
  • Júlia de Souza Lima
  • Rosane Dias da Silva
  • Naur Guimarães de Sousa Júnior
Palavras-chave: Meningite, Epidemiologia, Incidência

Resumo

As meningites, de uma maneira geral, são infecções que acometem o Sistema Nervoso Central (SNC), mais especificamente o espaço subaracnóideo e as membranas leptomeníngeas (aracnoide e pia-máter), levando a manifestações neurológicas e alterações sistêmicas. O objetivo da revisão foi determinar o perfil epidemiológico dos pacientes diagnosticados com meningite no Brasil nos últimos 5 anos, de acordo com região, sexo e faixa etária. Essa patologia consiste na inflamação das meninges e pode ser causada por fungos, bactérias, vírus. Os estudos analisados mostraram que a região com maior incidência de casos da doença é a região sul, com 7,2/100.000 habitantes atingidos no ano de 2015. Quanto ao sexo, o feminino é o que apresenta maior ocorrência. Em relação a faixa etária, há uma maior taxa de acometimento entre crianças (0-14 anos). Conclui-se, portanto, que a meningite é uma doença transmissível de alta incidência devido aos ambientes aglomerados, aspectos climáticos e características socioeconômicas. Dentre os estudos comparativos, as meningites bacterianas apresentam uma letalidade maior em comparação com as meningites virais. A etiologia viral foi a mais frequente em todos, pois os vírus se espalham com mais facilidade por via respiratória e contato, tendo um fator de contágio mais elevado que o das bactérias.

Referências

SILVA, H.; MEZAROBBA, N. Meningite no Brasil em 2015: O panorama da atualidade. Arquivos Catarinenses de Medicina, v. 47, n. 1, p. 34-46, 2018.

EMMERICK, I.C.M; et al. Estimativas Corrigidas de Casos de Meningite, Brasil 2008-2009. Epidemiol. Serv. Saúde. v.23, n.2, p.215-226, 2014.

MOSTRA CIENTÍFICA EM BIOMEDICINA – Aspectos microbiológicos e imunológicos da meningite meningocócica. v.1 n.1, 2016.

GONÇALVES, P.C.Z; et al. Perfil epidemiológico das meningites meningocócicas nos últimos 11 anos em Curitiba-PR. Rev. Med. Res., v.16, n.2, p.113-121, abr./jun.2014.

FERREIRA, J.H.S. Tendências e aspectos epidemiológicos das meningites bacterianas em crianças. Revista de Enfermagem UFPE Online, v.9, n.7, p. 34-41, 2015.
Publicado
2019-07-03
Seção
RESUMOS - Envelhecimento e Epidemiologia das Doenças Crônicas Não Transmissiveis