Dimensões e consequências do movimento antivacina na realidade brasileira

  • Anna Paula Amaral Nassaralla
  • Arthur Marinho Doumit
  • Caio Freitas Melo
  • Lucas Caldas Léon
  • Rafael Augusto Reis Vidal
  • Léa Resende Moura
Palavras-chave: Imunização, Vacinação, Prevenção

Resumo

A imunização certamente é um dos métodos mais seguros e eficazes para prevenir doenças e atenuar a disseminação daquelas já existentes no território brasileiro. Diversas leis e programas foram adotados pelo governo para tornar as vacinas acessíveis a todos e, por conseguinte, mitigar os efeitos prejudiciais causados por patógenos. A vacinação e sua efetividade, no entanto, são questionados por uma parcela da população devido a variados fatores, abordados nesta revisão, que fundamentam os ideais do movimento antivacina pelo Brasil. Nesta perspectiva, este estudo, elaborado mediante o uso de sete artigos, publicados entre os anos de 2015 e 2019, provenientes das plataformas SciELO e PUBMED, teve como objetivo evidenciar e discutir o conjunto de razões para que o movimento antivacina tenha se tornado uma realidade comum entre brasileiros e as consequências de sua instalação para a sociedade. Conclui-se, portanto, que os principais aspectos para o engrandecimento desse movimento foram: o medo dos efeitos deletérios, o baixo nível de escolaridade e renda, a desinformação dos próprios profissionais de saúde e o descaso da divulgação sobre o ato de vacinar. Tais circunstâncias são decisivas para o reaparecimento de doenças previamente controladas.

Referências

APS, L. R. DE M. M, et al. Eventos adversos de vacinas e as consequências da não vacinação: uma análise crítica. Revista de Saúde Pública, v. 52, p. 40-52, 2018.

BARBIERI, C. L. A.; COUTO, M. T.; AITH, F. M. A. A (não) vacinação infantil entre a cultura e a lei: os significados atribuídos por casais de camadas médias de São Paulo, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v. 33, n. 2, p. 1-11, 2017.

BEZERRA, A. C. M. Utilização de círculos de cultura sobre vacinas para promoção da educação em saúde dos adolescentes. 2018.

BROWN, A. L. et al. Vaccine confidence and hesitancy in Brazil. Cadernos de saúde pública, v. 34, n. 9, p. 1-12, 2018.

COUTO, M. T.; BARBIERI, C. L. A. Cuidar e (não) vacinar no contexto de famílias de alta renda e escolaridade em São Paulo, SP, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v. 20, n. 1, p. 105-114, 2015.

DE CARVALHO, F. L. O. et al. Implantação do sistema de informação do programa nacional de imunizações (SI-PNI). Revista de Saúde ReAGES, v. 1, n. 2, p. 53-65, 2018.

MALAGUTTI, W. Imunização, imunologia e vacinas. Editora Rubio, 2011.

MIZUTA, A. H. et al. Percepções acerca da importância das vacinas e da recusa vacinal numa escola de medicina. Revista Paulista de Pediatria, v. 37, n. 1, p. 34-40, 2019.
Publicado
2019-07-03
Seção
RESUMOS - Medicina Preventiva