A falha na prevenção, subnotificação e conhecimento da sífilis congênita

  • Caroline Almeida Resplande Centro Universitário de Anápolis - UniEVANGÉLICA
  • Gabriel Guimarães Rocha Centro Universitário de Anápolis - UniEVANGÉLICA
  • Gisela Gomes Fraga Centro Universitário de Anápolis - UniEVANGÉLICA
  • João Marcos Palmeira Ferrato Gomes Centro Universitário de Anápolis - UniEVANGÉLICA
  • Júlia Pina Vieira dos Santos Centro Universitário de Anápolis - UniEVANGÉLICA
  • Léa Resende Moura Centro Universitário de Anápolis - UniEVANGÉLICA
Palavras-chave: Sífilis Congênita, Prevenção, Notificação, Conhecimento

Resumo

A sífilis congênita corresponde à infecção do feto pelo Treponema pallidum, sendo transmitida via placentária durante o parto ou em qualquer momento da gestação. É uma doença de notificação compulsória, que apresenta até 40% de taxa de mortalidade. Estudos da Organização Mundial de Saúde evidenciam altos índices de SC na população mundial, em que na incidência de 12 milhões de casos de sífilis anualmente no mundo, 1 milhão ocorre em gestantes. O objetivo desta revisão é compreender os motivos do crescimento da taxa de transmissão vertical da sífilis, relacionando os pontos vulneráveis das instituições de saúde que englobam subnotificação, falha nas estratégias de prevenção e falta de conhecimento dos profissionais dos diversos níveis de atenção. Trata-se de um resumo expandido a partir de 5 artigos mais recentes (2016 a 2018) selecionados na base de dados Scielo e Medline, com uso dos descritores em ciências da saúde (DeCS): “Syphillis”, “Congenital”, “Primary Prevention”. Conclui-se com essa revisão que o controle da sífilis peca nos três pilares básicos: prevenção, notificação e conhecimento. É inegável que esses fatores estão interligados e a falha de um deles leva a ineficácia de todos.

Referências

ANDRADE, A. L. M. B., et al. Diagnóstico tardio de sífilis congênita: uma realidade na atenção à saúde da mulher e da criança. Revista Paulista de Pediatria, v. 36, n. 3, p. 376-381, 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de vigilância, prevenção e controle das IST, do HIV/AIDS e das Hepatites Virais. Boletim Epidemiológico de Sífilis. Brasília: Ministério da Saúde, 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde.Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de vigilância, prevenção e controle das IST, do HIV/AIDS e das Hepatites Virais. Diretrizes para o Controle da Sífilis Congênita. Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

DOMINGUES, R. M. S. M.; LEAL, M. C. Incidência de sífilis congênita e fatores associados à transmissão vertical da sífilis: Dado do estudo Nasser no Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v. 32, n. 6, 2016.

LAFETÁ, K .R. G., et al. Sífilis materna e congênita, subnotificação e difícil controle. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 19, n. 1, p. 63-74, 2016.

LAZARINI, F.M; BARBOSA, D.A. Intervenção educacional na atenção básica para prevenção da sífilis congênita. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v. 25, p.1-9, 2017.

SANTOS, R. R., et al. Conhecimento e conformidade quanto às práticas de diagnóstico e tratamento da sífilis em maternidades de Teresina - PI, Brasil. Revista Brasileira de Ginecologia., v. 39, n. 9, p. 453-463, 2017.
Publicado
2019-07-01
Seção
RESUMOS - Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente