PERCEPÇÃO DO ACADÊMICO SOBRE A DISCIPLINA CULTURA RELIGIOSA NA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

  • Adrieli de Fátima Teixeira Guimarães Faculdade Wenceslau Braz
  • Ivandira Anselmo Ribeiro Simões Faculdade Wenceslau Braz
Palavras-chave: Cultura. Religião. Enfermagem.

Resumo

Objetivos: identificar a percepção do acadêmico do 3º e 4º ano da graduação em enfermagem da Faculdade Wenceslau Braz, da cidade de Itajubá- MG, sobre a matéria Cultura Religiosa na graduação em enfermagem; identificar opinião do aluno sobre qual a contribuição da disciplina para a assistência de enfermagem ao paciente. Métodos: abordagem qualitativa, do tipo descritivo, exploratório e transversal, Discurso do Sujeito Coletivo, embasando-se na Teoria das Representações Sociais. Os participantes foram os 28 acadêmicos dos 3 º e 4 º ano da Faculdade Wenceslau Braz (FWB) Itajubá-MG, amostragem proposital, parecer consubstanciado nº 2.243.915/2017. Utilizado um questionário com perguntas referentes às características pessoais, familiares e sociais e um roteiro de entrevista semiestruturada constituído por duas perguntas abertas. Resultados: características pessoais, familiares e sociais detectou-se que 89% sexo feminino, idade entre 18-23 anos (79%), maior porcentagem de entrevistados solteiros (89%) e 89% não possuem filhos. Religião (71%) católica. Diante a percepção do acadêmico sobre a matéria Cultura Religiosa na graduação em enfermagem, 5 ideias centrais (IC): “Importante” , “ Conhecimentos sobre outras religiões”, “ Não teve ligação com a assistência de enfermagem” , “ Quebrar preconceitos” , “ Centrada no catolicismo”. Sobre a contribuição da disciplina para a assistência de enfermagem ao paciente, 6 (IC) : “Assistência de acordo com a religião”, “Respeitar e compreender as religiões”, “Contribuição positiva”, “Não contribui para a assistência de enfermagem”, “Contribui para o cuidado que irá ser prestado” e “Diferencial para o enfermeiro”. Conclusões: possibilitou alcançar os objetivos propostos e responder as indagações.

Referências

1 . Belo R. Diversidade cultural/religiosa no Brasil. In: Anais do 2º Simpósio Nordeste da ABHR; 2015 Set 15-17; São Paulo. p. 1-18.

2. Miranda PS. O desafio da secularidade. Terá o cristianismo direito de cidade? para a superação do secularismo redutor: uma reflexão teológica, pedagógica e didática para a lecionação da unidade letiva 1 - Ética Política e Religião - do Programa de Educação Moral e Religiosa Católica para o Ensino Secundário. [dissertação na internet]. Porto (Portugal): Universidade Católica Portuguesa. Faculdade de Teologia; 2015 [citado 13 maio 2017]. 239p. Disponível em: https://repositorio.ucp.pt/bitstream/10400.14/18333/1/DEFINI%C3%87%C3%95ES%20SECULARIZA%C3%87%C3%83O%20%28vers%C3%A3o%20final%29.pdf

3. Alves ARCPA. Desenvolvimento de competências culturais no licenciado em enfermagem: estudo comparativo de análise qualitativa entre estudantes portugueses e brasileiros. [dissertação na internet]. Porto (Portugal): Universidade Católica Portuguesa. Instituto de Ciências da Saúde; 2016 [citado 10 jun. 2017]. 240p. Disponível em: https://repositorio.ucp.pt/bitstream/10400.14/21295/1/Desenvolvimento%20de%20compet%C3%AAncias%20culturais%20no%20licenciado%20em%20enfermgem%20-%20Ana%20Rita%20Almeida%20Alves.pdf

4. Abdala GA, Pimentel MO, Reinert KG, Slutz M, Meira MDD, Teixeira CA. Implantação do programa “enfermagem na Comunidade de fé”: relato de experiência. Rev Bras Promoc Saude. 2016;29(4):611-3.

5. Lèfevre, F. Discurso do sujeito coletivo: nossos modos de pensar: nosso eu coletivo. São Paulo: Andreoli; 2017.

6. Conselho Federal de Enfermagem, 2015 (on line). Pesquisa inédita traça perfil da enfermagem. Acesso em 23/07/2018. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/pesquisa-inedita-traca-perfil-da-enfermagem_31258.html

7. Federação Nacional de Enfermeiro, 2015 (on line). As mulheres na enfermagem. Acesso em 23/07/2018. Disponível em: http://www.portalfne.com.br/noticias/as-mulheres-na-enfermagem

8. Godói MF. Orientação nutricional entre os hipertensos e diabéticos no programa de saúde da família zona rural 1 do município de Itajubá-MG. [monografia na internet]. Belo Horizonte (Brasil): Universidade Federal de Minas Gerais. Faculdade de Medicina; 2015 [citado 23 jul. 2018]. 42p. Disponível em: https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/registro/Orientacao_nutricional_entre_os_hipertensos_e_diabeticos_no_Programa_de_Saude_da_Familia_zona_rural_1do_municipio_de_Itajuba___MG/453

9. Brasil. Ministério da Educação, 2018 (on line). Censo mostra que ingresso de alunos cresceu 8,5% em 2008. Acesso em 23/07/2018. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/component/tags/tag/32041

10. Alves HD, Gomes LL. Perfil dos acadêmicos de enfermagem de uma instituição de ensino superior no noroeste do Paraná. [trabalho e conclusão de curso na internet]. Maringá (Brasil): Centro Universitário de Maringá, UniCesumar. Centro de Ciências Biológicas e da Saúde; 2017 [citado 23 jul. 2018]. 19f. Disponível em: http://rdu.unicesumar.edu.br/bitstream/handle/123456789/292/Helen%20Dutra%20Alves.pdf?sequence=1&isAllowed=y

11. Gleriano JS, Marca NCR, Justi J. Perfil e significados para a formação em enfermagem. Rev Saude Desenvolv. 2017;11(6):84-101.

12. Simões ASM, Salaroli TP. O retrato da intolerância religiosa no Brasil e os meios de combatê-la. Rev Eletron Teologia Cienc Relig. 2017;5(2):366-77.

13. Silva JB, Aquino TAA, Silva AF. As relações entre espiritualidade e cuidado segundo as concepções de estudantes de enfermagem. Rev Enferm UFPE on line. 2016;10(3):1029-37.

14. Borges MS, Santos MB, Pinheiro TG. Representações sociais sobre religião e espiritualidade. Rev Bras Enferm. 2015;68(4):609-16.

15. Simões ND, Martins PG, Santos ROP, Santana FR, Pilger C. Espiritualidade e saúde: experiência de uma disciplina na graduação de enfermagem. Rev Enferm UFSM. 2018;8(1):181-91.

16. Ferreira ECS, Arruda EAA, Bifano LC, Costa PV, Magalhães Júnior IV. Educação permanente dos profissionais de enfermagem na ESF frente à diversidade religiosa [internet]. Santo Antônio de Pádua: Faculdade Santo Antônio de Pádua; 2018 [citado 24 jul. 2018]. Disponível em: http://177.67.128.65/OJS/index.php/revista/article/download/38/69

17. Luz MRMB. O fenômeno da espiritualidade como suporte no processo saúde doença da pessoa idosa. [trabalho de conclusão de curso na internet]. Brasília (Brasil): Centro Universitário de Brasília. Faculdade de Ciências da Educação e Saúde; 2017 [citado 30 jul. 2018]. 19f. Disponível em: http://repositorio.uniceub.br/bitstream/235/11738/1/21330636.pdf

18. Góis ARS, Abrão FMS. O processo de cuidar do enfermeiro diante da morte. Rev Enferm UFSM. 2015;5(3):415-25.

19. Oliveira ALB. Significado da religião/religiosidade para a pessoa idosa. [dissertação na internet]. Salvador (Brasil): Universidade Federal da Bahia. Escola de Enfermagem; 2015 [citado 24 jul. 2018]. 78f. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ri/18901/1/Disserta%C3%A7%C3%A3o_%20Enf_%20Ana%20Lu%C3%ADza%20Barreto%20de%20Oliveira.pdf

20. Cecchetti E, Oliveira LB. Diversidade religiosa e direitos humanos: conhecer, respeitar e conviver. RIDH. 2015;4:181-97.

21. Borba AP, Santos BM, PUGGINA AC. Barreiras de comunicação nas relações enfermeiro-paciente: revisão integrativa. Rev Saude. 2017;11(1/2):48-61.

22. Santos DS, Liberato LO, Martins R. Atuação do enfermeiro diante das alterações emocionais em pacientes pós mastectomia. Anais do II Simpósio De Trabalho de Conclusão de Curso, I Seminário de Iniciação Científica; 2016 Dez. 05-09; Valparaíso de Goiás, GO. p. 1755-1960.

23. Pilger C, Macedo JQ, Zanelatto R, Soares LG, Kusumota L. Percepção da equipe de enfermagem de uma unidade de terapia intensiva com relação à espiritualidade e religiosidade. Cienc Cuid Saude. 2014;13(3):478-86.

24. Comin FS. A religiosidade/espiritualidade no campo da saúde. Rev Cienc Saude. 2018;8(2).

25. Araújo MAM, Batista RA, Silva Júnior IA, Sampaio CL, Martins LGF, Guerra DR et al. A percepção dos enfermeiros acerca dos cuidados espirituais. Rev Logos Exist. 2015;4(1):84-94.

26. Longuiniere ACFDL, Yarid SD, Silva ECS. Influência da religiosidade/ espiritualidade do profissional de saúde no cuidado ao paciente crítico. Rev Cuid. 2018;9(1):1961-72.
Publicado
2018-12-21