ANÁLISE DE PRONTUÁRIOS DE MULHERES NA PÓS-MENOPAUSA QUANTO A INVESTIGAÇÃO DE OSTEOPOROSE

  • Heloísa Silva Guerra Universidade de Rio Verde
  • Humberto de Sousa Pires Filho
  • Irumuara Interaminense Uliana Filho
  • Lucas Veloso Perim
Palavras-chave: Osteoporose, Pós-Menopausa, Climatério, Saúde Pública.

Resumo

Objetivo: realizar uma análise retrospectiva dos prontuários de mulheres na pós menopausa, em acompanhamento na atenção primária, quanto a investigação de osteoporose. Métodos: estudo descritivo, mediante análise de prontuários via roteiro estruturado. Analisou-se 151 prontuários de mulheres na pós-menopausa, considerando: idade, estado civil, data da última menstruação (DUM), tipo de menopausa, história obstétrica, hábitos de vida, dentre outras informações. Os dados foram analisados em planilha do Microsoft® Excel® 2016, e apresentados de forma descritiva. Resultados: Dentre os 151 prontuários analisados, apenas 9 possuíam a informação do diagnóstico de osteoporose. Dentre estas, 2 (33,3%) eram casadas, com idade média de 63 anos (± 11,7 anos), e o período médio de amenorreia de 12,3 anos. Conclusão: A análise demonstrou possíveis problemas na assistência das mulheres acompanhadas na atenção primária e um subdiagnóstico de osteoporose, sugerida pela escassez de informações nos prontuários.

Referências

1. Bezerra MLR, Chaves MD, Nunes SFL, Costa AIS, Castro YTBO. Nursing diagnoses of the domain health promotion in menopausal women with osteoporosis. J Nurs UFPE on line. 2016; 10(3): 969-76.
2. World Health Organization Scientific Group on the Prevention and Management of Osteoporosis. Prevention and management of osteoporosis. Geneva: World Health Organization; 2003. (Technical Report Series, 921).
3. Pádua EE, Guimarães MRL. Osteoporose no homem. Rev Cientif Likania. 2014; 4(4): 1-12.
4. World Health Organization. Research on the menopause in the 1990s: Report of a WHO Scientific Group. Geneva, 1994. (WHO technical report series, n. 866). Disponível em: . Acesso em: 12 mar. 2015.
5. Federação Brasileira Das Associações De Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO). Manual de orientação em climatério. Rio de Janeiro: FEBRASGO, 2010. Disponível em: . Acesso em: 12 mar. 2015.
6. Fontes TMP, Araújo LFB, Soares PRG. Osteoporose no climatério I: epidemiologia, definição, rastreio e diagnóstico. Femina. 2012; 40(2):109-16.
7. Instituto Brasileiro de Geociências e Estatística (IBGE). Censo 2010. Distribuição da população por sexo, segundo os grupos de idade. Disponível em: http://www.censo2010.ibge.gov.br.
8. Bortolon PC. Envelhecimento e osteoporose senil: descrição do atendimento hospitalar para fratura de fêmur no SUS. [dissertação]. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz. 2010. 66 p.
9. Costa ALD, Neto da Silva MAC, Brito LMO, Nascimento ACB, Barbosa MCL, Batista JE, et al. Osteoporose na atenção primária: uma oportunidade para abordar os fatores de risco. Rev Bras Reumatol. 2016;56(2): 111-16.
10. Guarniero R. Osteporose na mulher. Rev Bras Med. 2008; 65(6): 179-185.
11. Ferreira ML, Jacinto TA, Simões FV. Prevalência de osteoporose em mulheres atendidas em uma clínica particular em Vitória, ES. Sapientia Pio XII. 2013; 12: 54-8.
12. Pinto Neto AM, Soares A, Urbanetz AA, Souza ACA, Ferrari AEM, Amaral B, et al. Consenso Brasileiro de Osteoporose 2002. Rev Bras Reumatol. 2002;42(6):343-54.
13.Faisal-Cury, A.; Zacchello, K. P. Osteoporose: prevalência e fatores de risco em mulheres de clínica privada maiores de 49 anos de idade. Acta Ortop Bras. 2007; 15(3): 146-50.
14. Radominski SC, Bernardo W, De Paula AP, Albergaria BH, Moreira C, Fernandes CE, et al. Diretrizes brasileiras para o diagnóstico e tratamento da osteoporose em mulheres na pós-menopausa. Rev Bras Reumatol. 2017; 57(S2): S452–S466.
15. Silva ACV, Rosa MI, Fernandes B, Lumertz S, Diniz RM, Damiani MEFR. Fatores associados à osteopenia e osteoporose em mulheres submetidas à densitometria óssea. Rev Bras Reumatol. 2015; 55(3): 223-28.
16. Polonini HC, Raposo NRB, Brandão MAF. A terapia de reposição hormonal e a saúde da mulher no climatério: riscos e benefícios. Revista APS. 2011; 14(3): 354-61.
17. Pardini D. Terapia de reposição hormonal na menopausa. Arq Bras Endocrinol Metab. 2014;58 (2): 172-81.
18. Rebelo AIMFT. A osteoporose no envelhecimento. [dissertação]. Coimbra: Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra. 2016. 68 p.
19. Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 224 de 26 de março de 2014. Aprova o Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas da Osteoporose. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.
20. Cova P, Panzarella FK, Montebelo Filho A, Tavano O, Junqueira JLC, Oliveira LB. Estudo radiomorfométrico como indicador de risco de osteoporose. Pesq Bras Odontoped Clin Integr. 2012;12(2): 217-22.
21. Souza MPG. Diagnóstico e tratamento da osteoporose. Rev Bras Ortop. 2010; 45(3): 220-229.
Publicado
2018-12-21