AUTOPERCEPÇÃO DE IDOSOS ATENDIDOS NA ATENÇÃO BÁSICA SOBRE A RELAÇÃO EDENTULISMO E ENVELHECIMENTO

  • Lucas Richter Oliveira Dantas Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)
Palavras-chave: saúde do idoso, autoimagem, boca edêntula, envelhecimento

Resumo

OBJETIVO: Avaliar a autopercepção de idosos atendidos na atenção básica, de um município do interior do nordeste brasileiro, sobre a relação edentulismo e o processo de envelhecimento humano. MÉTODOS: Estudo transversal e quantitativo, com 108 idosos do município de Caicó – Rio Grande do Norte. A coleta dos dados ocorreu entre maio a dezembro de 2017, através de questionário estruturado com três perguntas sobre a associação edentulismo e envelhecimento e o instrumento GOHAI (Geriatric Oral Health Assessment Index). RESULTADOS: 60,1% dos idosos eram do sexo feminino, apresentando pouca escolaridade (70,3%) e edentulismo parcial (64%). A maioria entendia que a perda e fragilidade dos dentes são comuns na fase idosa e o valor médio do GOHAI foi de 23,07 pontos, indicando uma satisfação da maioria dos idosos sobre sua saúde bucal, apesar de possuírem poucos dentes. CONCLUSÕES: O entendimento que a falta de dentes é um aspecto de normalidade entre os idosos limita avanços de ações preventivas em saúde bucal e o aperfeiçoamento de políticas de saúde para esta população.

Referências

Moreira RS, Nico LS, Tomita NE. A saúde bucal do idoso brasileiro: revisão sistemática sobre o quadro epidemiológico e acesso aos serviços de saúde bucal. Cad Saúde Pública. 2005;21(6):1665-75.
Veras RP, Oliveira M. Envelhecer no Brasil: a construção de um modelo de cuidado. Ciência & Saúde Coletiva. 2018;23(6):1929-36.
Brasil. Ministério da Saúde. Projeto SB Brasil 2010: condições de saúde bucal da população brasileira 2009-2010. Brasília: Ministério da Saúde, 2011. 118p.
Brasil. Ministério da Saúde. Projeto SB Brasil 2003: condições de saúde bucal da população brasileira 2002-2003. Brasília: Ministério da Saúde, 2004. 52p.
Cardoso M, Balducci I, Telles DM, Lourenço EJV, Nogueira Júnior L. Edentulism in Brazil: trends, projections and expectations until 2040. Ciência & Saúde Coletiva. 2016;21(4):1239-45.
Agostinho ACMG, Campos ML, Silveira JLGC. Edentulismo, uso de prótese e autopercepção de saúde bucal entre idosos. Rev Odontol UNESP. 2015;44(2):74-9.
Peres MA, Barbato PR, Reis SCGB, Freitas CHSM, Antunes JLF. Perdas dentárias no Brasil: análise da Pesquisa Nacional de Saúde Bucal 2010. Rev Saúde Pública. 2013;47(3):78-89.
Teixeira DSC, Frazão P, Alencar GP, Baquero OS, NArvai PC, Lebrão ML et al. Estudo prospectivo da perda dentária em uma coorte de idosos dentados. Cad Saúde Pública. 2016;32(8):1-12.
Palma JM, Schliebe LRO, Tonello AS, Queiroz RCS. Edentulismo e autopercepção em saúde bucal em idosos de um município do nordeste brasileiro. Rev Pesq Saúde. 2015;16(3):144-8.
Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo demográfico 2010 (online). Acesso em 22/08/2018. Disponível em: http://www.censo2010.ibge.gov.br
Atchison KA, Dolan TA. Development of the geriatric oral healh assessment index. Journal of Dental Education. 1990;54:680-7.
Carvalho C, Manso AC, Escoval A, Salvado F, Nunes C. Tradução e validação da versão portuguesa do Geriatric Oral Health Assessment Index (GOHAI). Rev Port Saúde Pública. 2013;31(2):153-9.
Freitas YN, Lima KC, Silva DA. Condições de saúde bucal e capacidade funcional em idosos: um estudo longitudinal de base populacional. Rev Bras Epidemiol. 2016;19(3):670-4.
Mestriner SF, Almeida ASQ, Mesquita LP, Bulgarelli AF, Mestriner Júnior W. Oral health conditions and quality od life of elderly users of the Unified National Health System. Rev Gaúch Odontol. 2014;62(4):389-94.
Bulgarelli AF, Mestriner SF, Pinto IC. Percepções de um grupo de idosos frente ao fato de não consultarem regularmente o cirurgião-dentista. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2012;15(1):97-107.
Haikal DS, De Paula AMB, Martins AMEBL, Moreira AN, Ferreira e Ferreira E. Autopercepção da saúde bucal e impacto na qualidade de vida do idoso: uma abordagem quanti-qualitativa. Ciência & Saúde Coletiva. 2011;16(7):3317-29.
Rigo L, Basso K, Pauli J, Cericato GO, Paranhos LR, Garbin RR. Satisfação com a vida, experiência odontológica e autopercepção da saúde bucal entre idosos. Ciência & Saúde Coletiva. 2015;20(12):3681-88.
Moreira RS, Nico LS, Tomita NE. O risco espacial e fatores associados ao edentulismo em idosos em município do Sudeste do Brasil. Cad Saúde Pública. 2011;27(10):2041-53.
Dalazen CE, Bomfim RA, De-Carli AD. Fatores associados à autopercepção da necessidade de tratamento odontológico e de prótese em idosos brasileiros. Ciência & Saúde Coletiva. 2018;23(3):945-52.
Colussi CF, Patel FS. Uso e necessidade de prótese dentária no Brasil: avanços, perspectivas e desafios. Saude Transform Soc. 2016;7(1):41-8.
Luthi LF, Dos Santos BF, Henriques GEP, Barbosa CMR. Odontogeriatria e as lesões não cariosas. UNOPAR Cient Ciênc Biol Saúde. 2010;12(4):37-40.
Vasconcelos LCA, Prado Júnior RR, Teles JBM, Mendes RF. Autopercepção da saúde bucal de idosos de um município de médio porte do Nordeste brasileiro. Cad Saúde Pública. 2012;28(6):1101-10.
De Souza EHA, Barbosa MBCB, Oliveira PAP, Espíndola J, Gonçalves KJ. Impacto da saúde bucal no cotidiano de idosos institucionalizados e não institucionalizados da cidade do Recife (PE, Brasil). Ciência & Saúde Coletiva. 2010;15(6):2955-64.
Publicado
2018-12-21