PREVALÊNCIA BACTERIANA EM FÔMITES E MÃOS DE PROFISSIONAIS E ACADÊMICOS DE SAÚDE EM ENFERMARIAS DE UM HOSPITAL DE ANÁPOLIS – GOIÁS

  • Guilherme Leite Mesquita UniEvangélica
  • Denis Masashi Sugita
  • Jivago Carneiro Jaime
  • Alice Leite Mesquita
  • Clara Braga dos Santos Azevedo
  • Dennys Ivanovas Beltrão
  • Vanessa Vieira Bastos
  • Karen Cristine Almeida Barbosa
Palavras-chave: Resistência Microbiana a Medicamentos., Telefones Celulares., Infecção Hospitalar.

Resumo

Objetivo: Identificar a prevalência bacteriana em mão, estetoscópio e celulares de profissionais e acadêmicos de saúde em enfermarias de um hospital filantrópico em Anápolis, Goiás, avaliando-se o perfil de sensibilidade das bactérias isoladas a beta-lactâmicos e verificar a ocorrência de práticas de higienização para estetoscópios e ou celulares. Métodos: estudo observacional, transversal e descritivo. Os pesquisados foram submetidos à aplicação de questionário e à coleta de amostra biológica. As amostras foram testadas para a pesquisa de bactérias do gênero Staphylococcus spp e para bacilos gram-negativos com destaque para enterobactérias produtoras de beta-lactamase de espectro estendido (ESBL) e Staphylococcus aureus resistente à oxacilina (ORSA). Resultados: foram avaliadas 60 amostras de mãos, 59 celulares e 19 estetoscópios, observando-se contaminação de 86,7% amostras de mãos, 89,8% de celulares e 94,7% de estetoscópios. A maior prevalência de ORSA foi observada em amostras de estetoscópios (25%). Não foi documentado isolamento de ESBL. A não adesão à prática de higienização de estetoscópios e celulares foi verificada em 26,3% e 27,1% dos participantes, respectivamente. Observou-se que as mãos de estudantes de medicina, terapeutas e outros profissionais exibiram maior taxa de contaminação. Conclusões: foram verificadas altas taxas de contaminação em fômites e mãos de acadêmicos e profissionais de saúde em enfermarias. A importância conferida em relação à higienização das mãos é maior comparada aos fômites pesquisados.

Referências

1. Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Medidas de Prevenção de Infecção Relacionada à Assistência à Saúde Brasília: Anvisa; 2017.
2. Nangino GO, Oliveira CD, Correia PC, Machado NM, Dias ATB. Impacto financeiro das infecções nosocomiais em unidades de terapia intensiva em hospital filantrópico de Minas Gerais. Revista Brasileira de Terapia Intensiva. 2012;24(4):357-361.
3. Dutra LGB, Nascimento HB, Nedel FB. Prevalência de contaminação bacteriana em estetoscópios. Revista do Instituto Adolfo Lutz. 2013;72(2):155-160.
4. Vale B, Dinis A. O papel das fômites na transmissão de doenças infecciosas. Saúde Infantil. 2011 Abr; 33(1): p. 23-27.
5. Wood MW, Lund RC, Stevenson KB. Bacterial contamination of stethoscopes whit antimicrobial diaphragm covers. American Journal of Infection Control. 2007;35(4):263-266.
6. Locks L, Lacerda JT, Gomes E, Serratine ACP. Qualidade da higienização das mãos de profissionais atuantes em unidades básicas de saúde. Revista Gaúcha de Enfermagem. 2011 Set; 32(3):569-575.
7. Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Segurança do Paciente em Serviços de Saúde. Brasília: Anvisa; 2009.
8. National Committee for Clinical Laboratory Standards. Normas de Desempenho para Testes de Sensibilidade Microbiana: 15º Suplemento Informativo. Agência Nacional de Vigilância Sanitária; 2005.
9. Hernández MA, Barros CE, Martínez N, Olaya HA, Villegas S, Álvarez CA. Frecuencia de colonización de Staphylococcus aureus meticilino-resistente, de enterobactérias y de Candida spp. en estetoscopios y teléfonos móviles en una unidad de cuidados intensivos neonatal. Revista Salud Bosque. 2015;1(1):17-24.
10. Teixeira AA, Risola BM, Dias-Netto HP, Andrade MSd, Valente E, Nielebock MAp, et al. Eficácia do álcool gel na desinfecção de estetoscópios contaminados por Staphylococcus aureus resistente à meticilina. Revista de Epidemiologia e Controle de Infecção. 2015;5(4):187-190.
11. Dantas AVS, Vieira LAO, Amorin AVO, Santos MS, Souza EC, Souza LIO, et al. Staphylococcus aureus resistente à meticilina isolados de estetoscópio hospitalar. Revista do Instituto de Ciências da Saúde. 2014;32(2):145-147.
12. Brasil. Ministério da Saúde. Coordenação de Infecção Hospitalar. Processamento de artigos e superfícies em estabelecimentos de saúde. 2ª ed. Brasília: Ministério da Saúde; 1994.
13. Maluf MEZ, Maldonado AF, Bercial ME, Pedroso SA. Sthetoscope: a friend or an enemy? Sao Paulo Medical Journal. 2002;120(1):13-15.
14. Oie S, Hosokawa I, Kamiya A. Contamination of room door handles by methicillin-sensitive/methicillin-resistant Staphylococcus aureus. Journal of Hospital Infection. 2002;51(2):140-143.
15. Kramer A, Schwebke I, Kampf G. How long do nosocomial pathogens persist on inanimate surfaces? A systematic review. BMC Infectious Disease. 2006; 6(1):130.
16. Gastmeier P, Schwab F, Bärwolff S, Rüden H, Grundmann H. Correlation between the genetic diversity of nosocomial pathogens and their survival time in intensive care units. Journal of Hospital Infection. 2006;62(2):181-186.
17. Hota B. Contamination, disinfection, and cross-colonization: are hospital surfaces reservoirs for nosocomial infection? Clinical Infectious Disease. 2004;39(8):1182-1884.
18. Heyba M, Ismaiel M, Alotaibi A, Mahmoud M, Baqer H, Safar A, et al. Microbiological contamination of mobile phones of clinicians in intensive care units and neonatal care units in public hospital in Kuwait. BMC Infectious Diseases. 2015;15(1):434.
19. Selim HS, Abaza AF. Microbial contamination of mobile phones in a health care setting in Alexandria, Egypt. GMS Hygiene and Infection Control. 2015; 10:1-9.
20. Pal S, Juval D, Adekhandi S, Sharma M, Prakash R, Sharma N, et al. Mobile phones: reservoirs for the transmission of nosocomial pathogens. Advanced Biomedical Research. 2015;4:144.
21. Ulger F, Dileik A, Esen S, Sunbul M, Leblebicioglu H. Are healthcare workers mobile phones a potencial source of nosocimial infections? Review of the literature. Journal of Infection in Developing Countries. 2015; 9(10):1046-1053.
22. Zakai S, Mashat A, Abumohssin A, Samarkandi A, Almaghrabi B, Barradah H, et al. Bacterial contamination of cell phones of medical students at King Abdulaziz University, Jeddah Saudi Arabia. Journal of Microscopy and Ultrastructure. 2016;4(3):143-146.
23. Cunha CBC, Moraes FR, Monteiro VS, Feitosa FGMA, Silva ITC. Avaliação microbiológica dos aparelhos celulares de profissionais do Bloco Cirúrgico em um Hospital beneficente. Revista de Epidemiologia e Controle de Infecção. 2016;6(3):120-124.
24. Santos AAM, Verotti MP, Sanmartin JA, Mesiano ERAB. Importância do álcool no controle de infecção em serviços de saúde. Revista de Administração em Saúde. 2002;4(16):7-14.
25. Cobos LSD, Brito JEG, Garate MAH. Contaminación bacteriana y resistencia antibiótica en los celulares del personal de salud médico del Hospital Vicente Corral Moscoso, Cuenca, 2011-2012. [trabalho de conclusão de curso na internet]. Universidade de Cuenca. Faculdade de Ciências Médicas; 2012 [citado 17 nov. 2017] Disponível em: http://dspace.ucuenca.edu.ec/handle/123456789/3502
26. Schroeder A, Schroeder M, D'amico F. What's growing on your sthetoscope (and what you can do about it)? The Journal Family Practice. 2009;58(1):404-409.
Publicado
2018-12-21