TREINAMENTO RESPIRATÓRIO EM INDIVÍDUOS SAUDÁVEIS

  • Thaís Carvalho Barros UniEvangélica
  • Áxel José Siqueira Pinheiro UniEvangélica
  • Luciana Nunes de Oliveira UniEvangélica
  • Henrique Poletti Zani UniEvangélica
  • Daniella Alves Vento Centro Universitário de Anápolis- UniEvangélica
Palavras-chave: Força muscular, Exercício respiratório, Diafragma

Resumo

Comparar a efetividade do Threshold IMT e do Voldyne no fortalecimento muscular respiratório de jovens saudáveis através de um protocolo estruturado. A pesquisa envolveu jovens saudáveis, divididos aleatoriamente em grupo threshold (GT) e grupo voldayne (GV), e submetidos a um protocolo de treinamento, realizado em 10 sessões, duas vezes por semana. O protocolo consistiu em inspirações com dispositivos realizados em 3 séries de 15 repetições partindo do volume residual e alcançando a capacidade pulmonar total. Adotou-se para o grupo GT uma carga de 40% da pressão inspiratória máxima (Pimáx). Foram submetidos a avaliação e treinamento 20 jovens distribuídos nos grupos (GT n-10 e GV n-10). Houve aumento relevante da força muscular respiratória em ambos os grupos, amostra apresentou um alto aumento de 15,43% e 35,45% no pós intervenção na Pimáx, em GT (p <0,004) e GV (p <0,016), respectivamente. Comparando os efeitos dos dispositivos utilizados para a intervenção por ANOVA twoway em GT e GV, não foi demonstrada diferença entre dois tipos de tratamento (p = 0,22). Ambos os dispositivos apresentaram resultados satisfatórios no fortalecimento muscular respiratório. No entanto, o dispositivo Voldyne, um incentivo que fornece biofeedback ao indivíduo, apresentou melhores resultados clínicos quando comparado ao dispositivo Threshold IMT.

Referências

1-West JB. Fisiologia respiratória: princípios básicos. 9ª edição. Porto Alegre: Artmed; 2013.
2- Tout R, Tayara L, Halimi M. The effects of respiratory muscle training on improvement of the internal and external thoraco- pulmonary respiratory mechanism in COPD patients. Ann Phys Rehabil Med. 2013; 5(6) 193-211. doi: 10.1016/j.rehab.2013.01.008.

3- Enright SJ, Unnithan VB Effect of inspiratory muscle training intensities on pulmonary function and work capacity in people who are healthy: a randomized controlled trial. PhysTher. 201; 9(1) 894-905. doi: 10.2522/ptj.20090413

4- McConnell AK, Romer LM. Respiratory muscle training in healthy humans: resolving the controversy. Int J Sports Med. 2005; 2(5) 284-93. DOI: 10.1055/s-2004-815827.

5- Matheus GB et al. Treinamento muscular melhora o volume corrente e a capacidade vital no pós-operatório de revascularização do miocárdio. Rev Bras Cir Cardiovasc. 2012; 27(3) 362-9. http://dx.doi.org/10.5935/1678-9741.20120063.

6- Casali CCC et al. (2011) Effects of inspiratory muscle training on muscular and pulmonary function after bariatric surgery in obese patients. ObesSurg. 2011; 21(9)1389-94. doi: 10.1007/s11695-010-0349-y.

7- Schmidt V, Bender L, Nunes F, Heinen AC; Albuquerque IM ,Paiva DN. Treino muscular respiratório com threshold ou voldyne: qual o mais efetivo? RevBrasFisioter. 2008; 12 128-128. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302010000600010.

8- Carvalho CR, Paisani DM, Lunardi AC. Incentive spirometry in major surgeries: a systematic review. RevBrasFisioter. 2011;15(5) 343-50. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-35552011005000025.

9- Lunardi AC, Porras DC, Barbosa RC, Paisani DM, Marques da Silva CC, Tanaka C, Carvalho CR. Comparison of distinct incentive spirometers on chest wall volumes, inspiratory muscular activity and thoracoabdominal synchrony in the elderly. Respir Care. 2013; 27. DOI: https://doi.org/10.4187/respcare.02665

10- Pascotini FS, Ramos MC, Silva MVS, Trevisan ME. Espirometria de incentivo a volume versus a fluxo sobre parâmetros respiratórios em idosos. Fisioter Pesq. 2013; 20(4) 355-360. http://dx.doi.org/10.1590/S1809-29502013000400009.

11- Paiva DN et al, Assmannb LB, Bordinb DF, Gass R, Jost RT, Filho MB, Rodrigo Franca RA, Cardoso DM. Inspiratory muscle training with thresholdor incentive spirometry: Which is the most effective? Port Journal of Pneum. 2015; 21(2) 76-81. doi: 10.1016/j.rppnen.2014.05.005.

12- Rocha CBJ, Araújo S. Avaliação das pressões respiratórias máximas em pacientes renais crônicos nos momentos pré e pós-hemodiálise. J Bras Nefrol. 2010; 32(1) 107-13. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-28002010000100017.

13- Wattie J. Incentive spirometry following coronary artery bypass surgery. Physiotherapy. 1998; 84(10) 508-14. https://doi.org/10.1016/S0031-9406(05)65874-9

14- Fonseca MA, Ali S, Dantas EHM, Bacelar SC, Silva EB, Leal SMO. Programas de treinamento muscular respiratório: impacto na autonomia funcional de idosos. Rev Assoc Med Bras. 2010; 56(6) 642-8. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302010000600010.

15- Smith K, Cook D, Guyatt GH. Respiratory muscle training in chronic airflow limitation: a meta-analysis. The American review of respiratory disease. 1996; 145(s/n) 533-39. DOI: 10.1164/ajrccm/145.3.533.
Publicado
2018-12-21