AÇÃO EDUCACIONAL PARA CONTROLE DA GLICEMIA SANGUÍNEA: UMA EXPERIÊNCIA EXITOSA

  • Leticiane Teixeira Castro Universidade Federal do Maranhão -UFMA
  • ILKA KASSANDRA PEREIRA BELFORT Universidade Aberta do SUS - UNA-SUS/UFMA
  • Sally Cristina Moutinho Monteiro
Palavras-chave: Diabetes Mellitus; Educação em saúde; Glicemia

Resumo

Objetivo: Avaliar a efetividade de um processo de intervenção em saúde, baseado em estratégias de ações educativas e aconselhamento medicamentoso, para o controle glicêmico de pessoas com diabetes mellitus do tipo 2. Métodos: Estudo de intervenção em saúde com usuários de uma Unidade Básica de Saúde (UBS) de uma capital do Nordeste brasileiro. Foram selecionadas 44 pessoas com diabetes tipo 2, inseridos em um programa de Estratégia de Saúde da Família (ESF). As ações intervencionais envolveram equipe multiprofissional, com realização de atividades educativas, visitas domiciliares e acompanhamento ambulatorial. Para análise dos resultados utilizou-se a análise descritiva e estatística (por meio do teste T de Student), para comparação da concentração glicêmica pré e pós-intervenção. Resultados: O grupo apresentou média de idade de 62,5 anos e todos apresentavam co-morbidades como, por exemplo, hipertensão (68,2%), dislipidemia (100%) e obesidade (27,3%). Verificou-se que 86,4% são sedentários e 54,6% possuem ensino fundamental incompleto. A média da glicemia de jejum pré e pós intervenção foi 161,3 (±89,5) e 145,05 (±76,4), respectivamente, apresentando-se estatisticamente significativo (p<0,002). Conclusão: Constatou-se uma contribuição positiva das atividades desenvolvidas em relação ao cuidado e ao controle da glicemia, tornando-se potenciais modificadores da realidade dos usuários, principalmente no que diz respeito aos fatores de risco cardiovascular.

Biografia do Autor

Leticiane Teixeira Castro, Universidade Federal do Maranhão -UFMA
Especialista em Educação. Graduação em Farmácia pela Universidade Federal do Maranhão (2014) , curso-tecnico-profissionalizante pelo Instituto Federal do Maranhão (2009) e ensino-medio-segundo-grau pelo Colégio Aprovação (2005) .
Sally Cristina Moutinho Monteiro
Farmacêutica-Bioquímica. Mestrado (2001) e Doutorado (2005) em Biociências e Biotecnologia Aplicada a Farmácia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Especialista em Farmácia Clínica pela Associação dos Farmacêuticos de Ribeirão Preto/SP (2010). Concluiu o programa de Especialização do Instituto Regional FAIMER - Brasil (2014) pela Universidade Federal do Ceará e Foundation for Advancement of Medical Education and Research, com apoio da Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde do Ministério da Saúde (SEGTS) e Organização Panamericana da Saúde (OPAS). Especialista em Docência em Saúde (2015) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Foi Coordenadora do PET REDES Atenção Psicossocial - UFMA (2013 a 2015). Atualmente é Professora Adjunta de Bioquímica Clínica do Departamento de Farmácia, da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), Presidente do Núcleo Docente Estruturante (NDE) do Curso de Farmácia da UFMA, Membro do Comitê de Ética do Hospital Universitário da UFMA, Professora do Programa de Pós-Graduação em Saúde do Adulto (PPGSAD) da UFMA, Pesquisadora do Banco de Tumor e DNA do Maranhão (BTMA) - UFMA e Coordenadora do PET-GRADUA-SUS/Farmácia - UFMA.

Referências

1. World Health Organization (WHO). Noncommunicable diseases country profiles [Internet]. Geneva: WHO; 2011.
2. Santos L, Torres HC. Práticas educativas em diabetes mellitus: compreendendo as competências dos profissionais de saúde. Texto contexto – enferm 2012 Jul-Set 21: 574-80.
3. Guariguata L, Whiting DR, Hambleton I, Beagley J, Linnenkamp U, Shaw JE. Global estimates of diabetes prevalence for 2013 and projections for 2035. Diabetes Res Clin Pract 2014; 103: 137-49.
4. Flor LS, Campos MR. Prevalência de diabetes mellitus e fatores associados na população adulta brasileira: evidências de um inquérito de base populacional. Rev Bras Epidemiol 2017 Jan-Mar;20:16-29.
5. Sociedade Brasileira de Diabetes. São 12 milhões de diabéticos no Brasil. São Paulo; 2016.

6. Oliveira Junior HM, Formiga FFC, Alexandre CS. Perfil clínico-epidemiológico dos pacientes em programa crônico de hemodiálise em João Pessoa – PB. J. Bras. Nefrol 2014 July-Sept;36: 367-74.
7. Rodrigues TC, Pecis M, Canani LH, Schreiner L, Kramer CK, Biavatti K, et al. Caracterização de pacientes com diabetes mellitus tipo 1 do sul do Brasil: complicações crônicas e fatores associados. Rev Assoc Med Bras 2010; 56:67-73.
8. Ribeiro M, Faria L, Lemos G. Atenção farmacêutica em pacientes com hipertensão arterial sistêmica em uma Unidade de Saúde de Jequié-BA. JMPHC. Journal of Management and Primary Health Care 2013;176:176-82.
9. Gazzinelli MF, Reis DC, Marques RC. Educação em saúde: teoria, método e imaginação. Belo Horizonte: Ed UFMG; 2006.
10. Bermudez J, Rozenfeld S, Portela MC. Avaliação do Programa Farmácia Básica: Brasil, 1997/1998: projeto submetido ao Ministério da Saúde. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública/Fundação Oswaldo Cruz; 1997.
11. Sociedade Brasileira de Cardiologia. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Cardiologia. Rio de Janeiro: Pocket Book; 2016.
12. Sociedade Brasileira de Diabetes. O que é diabetes?. São Paulo; 2017.
13. Sakata KN, Almeida MCP, Alvarenga AM, Craco PF, Pereira MJB. Concepções da equipe de saúde da família sobre as visitas domiciliares. Rev bras Enferm 2007;60:659-64.
14. Sociedade Brasileira de Diabetes. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes 2012-2013. São Paulo: SBD; 2012-2013.
15. Torres HC, Santos LM, Cordeiro PMCS. Visita domiciliaria: estratégia educativa em saúde para o autocuidado em diabetes. Acta Paul Enferm 2014;27(1):23– 8.
16. Almeida FK, Gross JL, Rodrigues TC. Complicações microvasculares e disfunção autonômica cardíaca em pacientes com diabete melito tipo 1. Arq Bras Cardiol 2010;96(6):484-9.
17. Ministério da Saúde. Vigitel Brasil 2016: hábitos dos brasileiros impactam no crescimento da obesidade e aumenta prevalência de diabetes e hipertensão. Brasília, DF; 2017. Disponível em: http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2017/abril/17/Vigitel.pdf. Acesso em: 28 de novembro de 2017.
18. Souza SS, Silva JM, Santos MF. Análise do perfil de hipertensão e diabetes no município de Jequié – BA. Revista InterScientia 2014 Jan/Abr;2(1):63 -76.
19. Carvalho ALM, Leopoldino RWD, Silva JEG, Cunha CP. Adesão ao tratamento medicamentoso em usuários cadastrados no Programa Hiperdia no município de Teresina (PI). Ciênc. Saúde Colet 2012 July;17(7):1885-92.
20. Medeiros LSS, Medeiro LSS, Morais AMB, Rolim LADMM. Importância do controle glicêmico como forma de prevenir complicações crônicas do diabetes mellitus. Rev Bras Anal Clin 2016;48.
21. Silva SM. As estatinas como anti‐dislipidêmicos hoje e como anti‐inflamatórios amanhã. Dissertação [Mestrado] - Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias; 2013. Disponível em: ofona.pt/xmlui/bitstream/handle/10437/3284/tese_final.pdf?sequence=1. Acesso em: 10 de dezembro de 2017.
22. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). População de aglomerados subnormais: Coroadinho. Rio de Janeiro; 2011. Disponível em: < http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/aglomerados_subnormais/tabelas_pdf/tab2.pdf>. Acessao em: 5 de dezembro de 2017.
23. Pontieri FM, Bachion MM. Crenças de pacientes diabéticos acerca da terapia nutricional e sua influência na adesão ao tratamento. Ciênc. Saúde Colet 2010;15(1):151-60.
Publicado
2018-12-21