Avaliação da sonolência diurna e qualidade do sono em idosos e sua relação com a qualidade de vida

  • Anna Carolina Rocha Magalhães Centro Universitário de Anápolis UniEVANGÉLICA, Anápolis – GO – Brasil
  • Débora de Freitas Duarte Centro Universitário de Anápolis UniEVANGÉLICA, Anápolis – GO – Brasil
  • Elaine dos Santos Batista Centro Universitário de Anápolis UniEVANGÉLICA, Anápolis – GO – Brasil
  • Andreia Moreira da Silva Santos Centro Universitário de Anápolis UniEVANGÉLICA, Anápolis – GO – Brasil
  • Juliana Aparecida de Souza Centro Universitário de Anápolis UniEVANGÉLICA, Anápolis – GO – Brasil
  • Viviane Lemos Silva Fernandes Centro Universitário de Anápolis UniEVANGÉLICA, Anápolis – GO – Brasil
  • Fabiane Alves de Carvalho Ribeiro Centro Universitário de Anápolis UniEVANGÉLICA, Anápolis – GO – Brasil

Resumo

Objetivo: Avaliar a sonolência diurna e a qualidade do sono em idosos e sua influência na qualidade de vida. Métodos: Pesquisa quantitativa, transversal e descritiva. Para avaliação da sonolência diurna foi utilizada a Escala de Sonolência de Epworth (ESE), para avaliação da qualidade do sono, o Índice de Qualidade do Sono de Pittsburgh (IQSP), e para avaliação da qualidade de vida o WHOQOL-BREF. Para analise e interpretação dos resultados os idosos foram divididos em grupos de acordo com a classificação da ESE e do IQSP. Resultados: Foram avaliados 128 idosos. Ao analisar a ESE, 24,2% dos idosos apresentaram uma pontuação igual ou maior a 11 pontos, o que indica Sonolência Diurna Excessiva (SDE). Quando avaliado a qualidade do sono, 69,6% dos idosos apresentaram pontuação superior a 5 no IQSP, o que indica sono ruim ou de má qualidade. Ao comparar através da ESE o grupo de idosos que não apresentaram SDE, com os idosos classificados com SDE, observou-se diferença significativa no domínio psicológico do WHOQOL-BREF, já ao comparar os idosos através do IQPS, houve diferença significativa para os domínios físico e ambiental. Conclusão: A ocorrência de sonolência diurna excessiva e a má qualidade do sono podem provocar impacto na qualidade de vida.

Referências

1. Heller E. Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) e HelpAge International, 2012.
2. Nasri F. O envelhecimento populacional no Brasil. Einstein. 2008; 6 (Supl 1):S4-S6.
3. Geib LTC, Neto AC. Wainberg R, Nunes ML. Sono e envelhecimento. R. Psiquiatr. RS, 25(3):453-465, 2003.
4. Ballone GJ, Moura EC. Transtornos do Sono em Idosos, PsiqWeb, internet, disponível em www.psiqweb.med.br, revisto em 2004.
5. Costa SV, Ceolim MF, Neri AL. Problemas de sono e suporte social: estudo multicêntrico fragilidade em idosos Brasileiros. Rev. Latino-Am. Enfermagem, 19(4),2011.
6. Duailibi K. Depressão. Opyright Moreira Jr. Editora. RBM 13, 70 (12): 6-13.
7. Benedetti TRB, Borges LJ, Petroski EL, Gonçalves LHT. Atividade física e estado mental de idosos. Revista de Saúde Pública. 42(2), 2008.
8. Souza JC, Magna LA, Paula TH. Sonolência excessiva diurna e uso de hipnóticos em idosos. Rev. Psiq. Clín. 30 . Psiq. Clín. . Psiq. Clín. 30 (3):80-85, 2003.
9. Manual técnico de promoção da saúde e prevenção de riscos e doenças na saúde suplementar / Agência Nacional de Saúde Suplementar (Brasil). – 3. ed. rev. e atual. – Rio de Janeiro : ANS, 2009.
10. Silveira C. Avaliação do Sono e sua Relação com Sintomas em Pacientes do Sexo Feminino com Transtornos Psiquiátrico. Orients. Ellis Dárrigo Busnello, Maria Paz Loayza Hidalgo – Porto Alegre – UFRGS: 2004.
11. Araújo CLO, Ceolim MF. Qualidade do sono de idosos residentes em instituição de longa permanência. Rev. esc. enferm. USP, 44 (3), 2010.
12. Fleck MPA. O instrumento de avaliação de qualidade de vida da Organização Mundial da Saúde (WHOQOL-100): características e perspectivas. Ciência & Saúde Coletiva, 5(1):33-38, 2000.
13. Mello TM, Santos RHE, Pires LNP. Sonolência e Acidentes. In: Tufik, S. et al. Medicina e Biologia do Sono. Barueri: Manole, 2008. P. 416 - 420.
14. Andersen ML, Bittencourt LRA. Fisiologia do sono. In: Tufik, S. et al. Medicina e Biologia do Sono. Barueri: Manole, 2008. p. 48 - 58.
15. Penna FB, Santo, FHE. O movimento das emoções na vida dos idosos: um estudo com um grupo da terceira idade. Rev. Eletr. Enf. [online], 8(1):17-24, 2006.
16. Lopes, JM. Prevalência de sonolência excessiva em idosos. Dissertação – Universidade Estadual da Paraíba, Pró- Reitoria de Pós Grduação e pesquisa, 2012.
17. Hara C, Rocha FL, Castro ÉD, Fuzikawa C, Uchoa E, Lima-costa MF. Prevalence of excessive daytime sleepiness in Brazilian community-dwelling older adults with very low levels of schooling, and its association with sociodemographic characteristics and lifestyle: the Bambuí Health and Ageing Study (BHAS). J Bras Psiquiatr, 2008;57(2):91-7.
18. Motta LB, Sá RMB, Oliveira FJ. – Insónia: Prevalência e factores de Risco Relacionados em população de Idosos acompanhados em ambulatório. Rev. Bras. Geriatr. Gerontologia. 10(2), 2007.
19. Silva JMN, Costa ACM, Machado WW, Xavier, CL. Avaliação da qualidade de sono em idosos não institucionalizados Com Scientia e Saúde, 11(1): 29-36, 2012.
20. Monteiro, Natália Tonon; Ceolim, Maria Filomena. Qualidade do sono de idosos no domicílio e na hospitalização. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, 2014 Abr-Jun; 23(2): 356-64.
21. Araújo CLO. Qualidade do sono em idosos residentes em instituição de longa permanência. [dissertação de mestrado]. Campinas: Universidade Estadual de Campinas; 2008.
22. Gooneratne NS, Weaver TE, Cater JR, Pack FM, Arner HM, Greenberg AS, et al. Functional outcomes of excessive daytime sleepiness in older adults. J Am Geriatr Soc. 2003;51(5):642-9.
23. Braga MCP, Casell, M.A; Campos, M.L.N; Paiva, S.V; Qualidade de vida medida pelo WHOQOL-BREF: estudo com idosos residentes em juiz de fora/mg. Rev. APS; 2011; jan/mar; 14(1); 93-100.
24. Pereira RJ, Cotta RMM, Franceschini SCC, Ribeiro RCL, Sampaio RF, Priore SE, et al., Contribuição dos domínios físico, social, psicológico e ambiental para a qualidade de vida global de idosos. Rev. psiquiatr. Rio Gd. Sul. 28 (1), 2006.
25. Spilker B. Quality of life assessments in clinical trials. New York: Raven Press; 1990.
26. Tamai SAB, Paschoal SMP, Lityoc J, Machado AN, Curiati PK, Prada LF, Jacob-Filho W. Impact of a program to promote health and quality of life of elderly. Inst Ens Pesq Albert Einstein, 2011; 9(1):8-13.
27. Mcauley E, Doerksen SE, Morris KS, Motl RW, Hu L, Wójcicki TR, White SM, Rosengren KR. Pathways from physical activity to quality of life in older women. Ann Behav Med 2008; 36(1):13-20.
28. Souza, J.C.; Magna, L.A.; Paula, T.H. Sonolência excessiva diurna e uso de hipnóticos em idosos. Rev. Psiq. Clín. 30 . Psiq. Clín. . Psiq. Clín. 30 (3):80-85, 2003.
29. Voyer P, Verreault R, Mengue PN, Morin CM. Prevalence of insomnia and its associated factors in elderly long-term care residents. Arch Gerontol Geriatr. 2006;42(1):1-20.
Publicado
2017-12-18