Pré-natal: a visão das gestantes e puérperas usuárias do serviço de saúde pública

  • Ana Paula Fontana Universidade de Rio Verde, Rio Verde – GO – Brasil
  • Adriane Borges de Andrade Medanha Universidade de Rio Verde, Rio Verde – GO – Brasil
  • Mariana Xavier Inácio Universidade de Rio Verde, Rio Verde – GO – Brasil
  • Priscilla de Paula Gusmão Centro Universitário de Anápolis UniEVANGÉLICA, Anápolis – GO – Brasil

Resumo

Objetivo: Este trabalho objetiva conhecer a visão das gestantes e puérperas usuárias do serviço de saúde pública de Rio Verde sobre o pré-natal. Método: É um estudo de campo, transversal, qualiquantitativo, realizado com gestantes atendidas em uma maternidade na cidade de Rio Verde-GO no período de outubro de 2015 a março 2016. Para a coleta de dados foi utilizado um questionário semiestruturado elaborado pelos autores. Resultados: Foram entrevistadas 88 mulheres, com média de idade de 25,38±6,11 anos. A cobertura pré-natal na amostra foi alta 92 (97,88%), com número médio de consultas de 6,5±2,45 e idade gestacional média de início de acompanhamento de 10,36±6,22 semanas. Poucas gestações foram planejadas 32 (34,09%), e um alto número de mulheres 6 (6,81%) não tem apoio familiar para realização do pré-natal, entretanto tais variáveis não reduziram a adesão ao pré-natal ou o número de consultas realizadas. Destas, 26 (29,54%) relataram encontrar dificuldades na realização do pré-natal, sendo a principal delas o transporte. As doenças com maior índice de diagnóstico foram infecção de trato urinário e anemia. Conclusão: O percentual de gestantes que tem aderido ao pré-natal tem aumentado, apesar de ainda haver, entre elas, desconhecimento sobre o que é o acompanhamento e quais são seus objetivos. Percebe-se que, com a realização do pré-natal, muitas doenças podem ser diagnosticadas e tratadas minimizando os problemas de saúde no binômio mãe-filho.

Referências

1. Guimarães CA, et al. Concepções de gestantes sobre o pré-natal realizado por profissional do programa Mais Médicos. Cinergis, Santa Cruz do Sul 2016; 18 (1): 25-28.
2. Domingues RMSM, et al . Adequação da assistência pré-natal segundo as características maternas no Brasil. Rev Panam Salud Publica, Washington 2015; 37 (3):140-147.
3. Cunha MA, et al. Assistência pré-natal: competências essenciais desempenhadas por enfermeiros. Esc. Anna Nery Enferm 2009; 13 (1):145-153.
4. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Área Técnica de Saúde da Mulher. Pré-natal e Puerpério: atenção qualificada e humanizada – manual técnico/Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas – Brasília: Ministério da Saúde, 2006.
5. Holanda CSM, et al. Estratégias de desenvolvimento, acompanhamento e avaliação do atendimento da gestante no ciclo gravídico-puerperal. Rev Panam Salud Publica, Washington 2015; 37(6): 388-394.
6. Serruya SJ, Lago TDG, Cecatti JGO. Panorama da atenção pré-natal no Brasil e o Programa de Humanização do pré-natal e Nascimento. Ver. Bras. Saúde Matern. Infant., Recife 2004;4(3): 269-279.
7. Silva ALA, et al. Avaliação da assistência hospitalar materna e neonatal: índice de completude da qualidade. Ver. Saúde Pública 2014; 48 (4): 682-691.
8. Landerdahl MC, et al. a percepção de mulheres sobre atenção pré-natal em uma Unidade Básica de saúde. Esc. Anna Nery R Enferm 2007; 11(1): 105-111.
9. Castro ME, Moura MAV, SILVA, LMS. Qualidade da assistência pré-natal: uma perspectiva das puérperas egressas. Ver. Rene, 2010; 11(s/n): 72-81.
10. Domingues, et al. Prevalência de sífilis na gestação e testagem pré-natal: Estudo Nascer no Brasil. Rev. Saúde Pública 2014; 48 (5): 766-774.
11. Fonseca SC, et al. Desigualdades no pré-natal em cidade do Sudoeste do Brasil. Ciência e Saúde Coletiva 2014; 19 (7): 1991-1998.
12. Leite FMC, et al. A influência das características socioeconômicas no perfil obstétrico de puérperas. Aquichan 2014; 14(4): p.571-581.
13. Anversa ETR, et al. Qualidade do processo da assistência pré-natal: unidades básicas de saúde e unidades de Estratégia Saúde da Família em município no Sul do Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro 2012; 28(4): 789-800.
14. Silva EP, et al . Desenvolvimento e aplicação de um novo índice para avaliação do pré-natal. Rev Panam Salud Publica, Washington 2013; 33 (5): 356-362.
15. Viellas EF, et al. Assistência pré-natal no Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro 2014; sv(sn): 85-100.
16. Lopes HV, Tavares W. Diagnóstico das infecções do trato urinário. Rev. Assoc. Med. Bras., São Paulo 2005; 51(6): 306-308.
17. Camargo RMS, et al. Fatores associados à deficiência de ferro em gestantes atendidas em serviço público de pré-natal. Rev. Nutr., Campinas 2013; 26(4): 455-464.
18. Rezende J. Obstetrícia Fundamental. Rio de Janeiro: Koogan, 10. ed. 2006.
19. Carrara HHA, Duarte G. Semiologia Obstétrica. Medicina, Ribeirão Preto 1996; 29: 88-103.
20. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Atenção ao pré-natal de baixo risco [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. – 1. ed. rev. – Brasília : Editora do Ministério da Saúde, 2013.
21. Domingues RMSM, et al. Avaliação da adequação da assistência pré-natal na rede SUS do Município do Rio de Janeiro, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro 2012; 28 (3): 425-437.
22. Grando, et al. Consulta pré-natal: satisfação das usuárias do SUS. Cogitare enferm. 2012; 17(2): 336-341.
23. Ziebell NS, Feil AC, Renner, FW. Perfil epidemiológico das gestantes HIV positivas e de seus recém-nascidos em um hospital de referência no interior do Rio Grande do Sul no período de 2012-2013. Revista da AMRIGS, Porto Alegre 2017; 61 (1): 84-87.
24. Domingues RMS, et al . Adequação da assistência pré-natal segundo as características maternas no Brasil. Rev Panam Salud Publica, Washington 2015; 37 (3): 140-147:107–15.
Publicado
2017-12-18