Influência da Cal Hidratada na Massa de Concreto Convencional

Autores

  • Yasmin Gabriele Beires Mendes UniEvangélica
  • Jakeliny Miguel de Sousa UniEvangélica
  • Isa Lorena Silva Barbosa

Palavras-chave:

Cal hidratada, Concreto, Trabalhabilidade

Resumo

O presente artigo tem como principal objetivo estudar a influência da cal na massa de concreto. Observando esses aspectos pretende-se mostrar que além de melhorar a plasticidade da massa do concreto ela aumentará o rendimento e em alguns casos não altera a resistência, além de proporcionar uma proteção as ferragens, visto que torna a pasta de concreto mais alcalina. Será exposto no decorrer do trabalho o ciclo de hidratação da cal assim como sua obtenção. A metodologia utilizada para a dosagem do concreto foi o EPUSP/IPT sendo fabricado os traços rico, pobre e intermediário, a caracterização dos materiais e os ensaios de compressão foram feitos conforme as NBR`s e todos estes, em ensaio de laboratório com o auxílio de ferramentas e equipamentos devidamente adequados. O estudo foi desenvolvido com cimento comum de obra, o CPII Z 32. O concreto foi fabricado com resistência a compressão de 30MPa e abatimento de 60 ± 10 mm. É abordado as características do concreto fresco assim como a do endurecido, comparando posteriormente essas particularidades da massa com e sem o aditivo. O melhor resultado encontrado foi sem o aditivo que obteve 40Mpa de resistência.

Referências

ALVES, A. S. Efeitos físicos e químicos de mistura pozolânicas na carbonatação e penetrabilidade à água em concretos de alto desempenho. Santa Maria, 2000. 117p. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Santa Maria, 2000.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CIMENTO PORTLAND
Guia básico de utilização do cimento portland.
7.ed. São Paulo, 2002. 28p. (BT-106)

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 12655 – Projeto de estruturas de concreto – Procedimento. Rio de Janeiro, 2006.

____. NBR 5738 – Concreto – Procedimento para moldagem e cura de corpos-de-prova. Rio de Janeiro, 2015.

____. NBR 5739 – Concreto – Ensaio de compressão de corpos-de-prova-cilíndricos. Rio de Janeiro, 2007.

____. NBR 6118 – Projeto de estruturas de concreto – Procedimento. Rio de Janeiro, 2014.

____. NBR 7175 – Cal hidratada para argamassas - Requisitos. Rio de Janeiro, 2003.

____. NBR 7211 – Agregados para concreto – Especificação. Rio de Janeiro, 2005.

____. NBR NM 248 – Agregados - Determinação da composição granulométrica. Rio de Janeiro, 2003.

____. NBR NM 26 – Agregados - Amostragem. Rio de Janeiro, 2001.

____. NBR NM 27 – Agregados – Redução da amostra de campo para ensaios de laboratório. Rio de Janeiro, 2001.

____. NBR NM 45 – Agregados – Determinação da massa unitária e do volume de vazios. Rio de Janeiro, 2006.

____. NBR NM 52 – Agregado miúdo – Determinação da massa específica e massa específica aparente. Rio de Janeiro, 2003.

____. NBR NM 53 – Agregado graúdo – Determinação de massa específica, massa específica aparente e absorção de água. Rio de Janeiro, 2009.

____. NBR NM 67 – Concreto – Determinação da consistência pelo abatimento do tronco de cone. Rio de Janeiro, 1998.

BOGGIO, Aldo J. Estudo comparativo de métodos de dosagem de concretos de cimento Portland. Porto Alegre: UFRGS, 2007.

CAMPITELI, V.C. Concreto de cimento Portland: um método de
dosagem. Revista Engenharia Civil - UM, nº 20. Paraná, 2004.

DAL RI, M. Efeitos da adição da cal hidratada em concretos com altos teores de adição mineral na penetração da cal hidratada em concretos com altos teores de adição mineral na penetração de cloretos e na solução aquosa dos poros do concreto. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria,2002.

GUIMARÃES, J. E. P.; GOMES, R. D.; SEABRA, M. A. Guia das argamassas nas
construções: construindo para sempre com cal hidratada. 8. ed. São Paulo:
Associação Brasileira de Produtores de Cal, 2004.

HEIKAL, M.; El-DIDAMONY, H.; MORSY, M. S. Limestone-filled pozzolanic cement. Cement and Concrete Research vol.30, n° 11, p. 1827-1834,2000.

HELENE, P. R. L.; TERZIAN, P. R. Manual e dosagem e controle do concreto.
São Paulo: PINI, 1993.

HOPPE FILHO, J. Efeitos da adição de cal hidratada sobre a permeabilidade ao oxigênio e absorção capilar de concreto com altos teores de adições minerais. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria,2002.

IBRACON. Concreto: Ciência e tecnologia. ed. G.C. Isaia. 1. ed. São Paulo, 2011. 1946p. 1v, 2v.

IBRACON. Materiais de construção civil e princípios de ciência e engenharia de materiais. ed. G.C. Isaia. 2. ed. São Paulo, 2010. 1712p. 1v.

MESCCO, Juan Francisco Pacco. Efecto de la adición de cal en la resistencia a la compresión de un concreto. Dissertação (Graduação) - UNIVERSIDAD NACIONAL DEL ALTIPLANO, PUNO,2016. Disponível em: <https://likedoc.org/the-philosophy-of-money.html?utm_source=pacco-mescco-juan-francisco>. Acesso em: 12/01/2018.

MIRA, P.; PAPADAKIS, V. G.; TSIMAS, S. Effect of lime putty addition on structural and durability properties of concrete. Cement and Concrete Research vol.32,2002

NEVILLE, A. M. Propriedades do concreto. 2. ed. São Paulo: Pini, 1997. 828p.

NEVILLE, A. M.; BROOKS, J. J. Tecnologia do concreto. 2. ed. Porto Alegre:
Bookman, 2013. 448 p.

PAIVA, Sérgio Carvalho; GOMES, Eduardo Alves de Oliveira ; OLIVEIRA, Romilde Almeida de. Controle de qualidade da cal para argamassas - metodologias alternativas. Revista ciências & tecnologia, Campinas, São Paulo, 2007. Disponível em: <http://www.unicap.br/revistas/revista_e/artigo8.pdf>. Acesso em: 12/01/2018.

PEDROSO, F. L. Concreto: as origens e a evolução do material construtivo mais
usado pelo homem. Revista Concreto e Construção: IBRACON, n. 53, p. 14-19,
2009. ISSN 1809-7197.

PETRUCCI, Eládio Geraldo Requião. Concreto de cimento Portland. 9. ed. Atualizada e rev. /por Vladimir Antonio Paulon. Porto Alegre – Rio de Janeiro: Globo, 1982.

QUARCIONI, V. A. Influência da cal hidratada nas idades iniciais da hidratação
do cimento Portland – estudo em pasta. 2008. Tese (Doutorado) – Departamento
de Engenharia da Construção Civil, Escola Politécnica da Universidade de São
Paulo, São Paulo, 2008.

RAGO, F.; CINCOTTO, M. A. Influência do tipo de cal hidratada na reologia de
pastas. Boletim técnico da escola politécnica da USP. São Paulo, 1999. 29 p.
ISSN 0103-9830.

SILVA, B. A. Análise da influência do tipo de cura na resistência à compressão
de corpos-de-prova de concreto. 2009. Monografia (Graduação) – Curso de
Engenharia Civil, ITA (Instituto Tecnológico da Aeronáutica), São Paulo, 2009.

STUMPP, M. J. Carbonatação de concretos com altos teores de adições minerais e cal hidratada. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2003.

TUTIKIAN, B.; DAL MOLIN, D. C. Concreto auto adensável. São Paulo: PINI,
2008. 140 p.

VANDERLEI, Romel Dias. Método de dosagem EPUSP/IPT. http://www.gdace.uem.br/romel/MDidatico/ConcretosEspeciais/PEU4025-Aula09-Metodo%20de%20Dosagem.pdf. 10/03/2018.

Downloads

Publicado

2019-02-26

Edição

Seção

Artigos