Friedrich Hegel, Direito E Episteme No Estado Moderno

  • Gilson Xavier de Azevedo
Palavras-chave: Filosofia do Direito, Hegel, Estado Moderno

Resumo

A proposta desse artigo é discutir alguns dos aspectos elementares da teoria de Friedrich Hegel no que concerne suas contribuições para o campo do direito. Parte-se de três obras basilares: Fenomenologia do espírito, Enciclopédia das ciências filosóficas e Princípios de filosofia do direito. O Artigo analisa o posicionamento de Hegel em relação à questão epistemológica e a partir de tal, sua crítica ao estado de natureza, bem como sua compreensão do estado de liberdade e do estado de direito. Por último o artigo considera a concepção de direito e de Estado dentro dos conceitos políticos que moveram a ideologia alemã de um Estado Racional. Justifica-se esse estudo pela iniciativa da construção de uma obra feita a muitas mãos que compreenda o pensamento moderno que funda a partir da Revolução francesa (1979) o Estado republicano e suas vertentes. Parte-se da problemática de que a contribuição de Hegel seria ímpar na compreensão de uma filosofia para a compreensão do direito pós revolução, pois abarca toda sabedoria elencada pelos jusnaturalistas, além de revisitar a concepção política aristotélica com primor. A hipótese com que se trabalha é a de que Hegel acerta em alguns pontos ao entender o Estado como instância Racional. A metodologia adotada é a de um estudo exploratório e revisional. Acredita-se que o presente texto prepondera subsídios essenciais de uma discussão filosófica aprofundada servindo a debates no processo ode formação acadêmica.  

Referências

ANTISERI, Dario; REALE, Giovanni. História da Filosofia (vol. III). 6. ed. São Paulo: Paulus, 1991.
AZEVEDO, Gilson Xavier de. Filosofia do direito: entre os gregos clássicos. Timóteo: Garcia, 2018.
BITTAR, Eduardo C. B.; ALMEIDA, Guilherme Assis de. Curso de Filosofia do Direito. São Paulo: Atlas, 2005.
HARTMANN, N. 1983. A filosofia do idealismo alemão. Lisboa: C. Gulbenkian.
HEGEL, G. W. F. Fenomenologia do Espírito. Trad. Paulo Meneses. Edição revisada, Vol. único. Petrópolis, Vozes, 1992.
___________. Enciclopédia de las Ciências Filosóficas. V. I. São Paulo : Loyola, 2005.
___________. Princípios da filosofia do direito. Tradução Orlando Vitorino. São Paulo: Martins Fontes, 1997. (Clássicos).
MARX, Karl. Crítica à filosofia de direito de Hegel. Tradução Rubens Enderle e Leonardo de Deus, 1ª ed. São Paulo: Editora Bom tempo, 2005.
RAMOS, Cesar Augusto. Hegel e a crítica ao estado de natureza do Jusnaturalismo moderno. Kriterion, Belo Horizonte, v. 52, n. 123, p. 89-104, June 2011. Disponível em: . Acesso em: 03 June 2018.
TROTTA, Wellington. O pensamento político de Hegel à luz de sua filosofia do direito. Rev. Sociol. Polit., Curitiba, v. 17, n. 32, p. 9-31, Feb. 2009. Disponível em: . Acesso em: 03 June 2018.
VAZ, Henrique Cláudio de Lima. Apresentação. in: HEGEL, G. W. F. Fenomenologia do Espírito. Trad. Paulo Meneses. Edição revisada, Vol. único. Petrópolis, Vozes, 1992.
Publicado
2021-12-28