INVESTIGAÇÃO DOS PRINCIPAIS MICRO-ORGANISMOS RESPONSÁVEIS POR INFECÇÕES NOSOCOMIAIS EM UTIs NEONATAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

  • Milce Costa Faculdade Evangélica de Ceres
  • Walita Naiara Silva Faculdade Evangélica de Ceres
Palavras-chave: Infecção Nosocomial, Infecção hospitalar, UTIN, Estudo Epidemiológico, Prevalência

Resumo

INTRODUÇÃO: Define-se Infecção Nosocomial como aquela que ocorre após a admissão do paciente na unidade hospitalar manifestando-se durante a internação ou após a alta. As IN são uma das principais causas de mortalidade em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTIN). A incidência de IN varia de acordo com as características de cada unidade de tratamento, a infraestrutura e os recursos humanos, bem como dos métodos utilizados para prevenção e diagnósticos disponíveis nessas unidades. Aproximadamente 1/3 de todas as IN são preveníveis pela adoção de medidas simples de lavagem correta das mãos pelos profissionais de saúde. OBJETIVOS: Verificar os principais micro-organismos causadores destas infecções em hospitais brasileiros no período compreendido entre 2000 a 2015, bem como identificar as principais vias de infecção descritas. METODOLOGIA: Trata-se de um estudo de revisão integrativa, por meio de levantamento bibliográfico e através da análise dos resultados. Os dados foram coletados nas bases eletrônicas Biblioteca Virtual de Saúde (BVS), SciELO, LILACS e BIREME. A princípio foram encontrados 37 estudos, dos quais 10 foram selecionados. Os descritores utilizados foram: Infecção Nosocomial, Infecção hospitalar, UTIN, Estudo Epidemiológico, Prevalência. RESULTADO E DISCUSSÃO: Os principais micro-organismos causadores de IN em UTIN foram: Staphylococcus spp 11 (39,3%), Candida 5 (17,9%) e Klebsiella pneumoniae 3 (10,7 %). As vias de IN mais frequentes foram: Cateter venoso central (CVC) 8 (25,8%), Ventilação mecânica (VM) 5 (16,2%), Intubação orotraqueal, Cateterismo e Nutrição parenteral (NP) 4 (12,9%). CONCLUSÃO: Os índices de infecção em recém nascidos (RN) são significativos em relação morbimortalidade. A conscientização e a adoção de medidas preventivas aos profissionais de saúde são de estrema importância para evitar a disseminação de IN em UTIN.

Referências

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Medidas de Prevenção de Infecção Relacionada à Assistência à Saúde. Série Segurança do Paciente e Qualidade em Serviços de Saúde. Brasília, DF, 2013

ALMUNEEF, M.; MEMISH Z. A.; BALKHY, H. H.; HALA ALALEM, H.; ABUTALEB, A. VENTILATOR-associated pneumonia in a pediatric intensive care unit in saudiarabia: a 30-month prospective surveillance.InfectionControland Hospital Epidemiology, v.25, n.9, p.753-758, 2004. Disponível em: Acesso em: 04 abr. 2017.

ALP, E.; VOSS, A. Ventilator associated pneumonia and infection control. Annals of Clinical Microbiology and Antimicrobials, v.5, n.7, p.1-11, 2006. Disponívelem: Acessoem: 03 set. 2017.

AMORIM, M.M.; GOMES, S.R. Ações de enfermagem para prevenção de infecções associadas à ventilação mecânica na unidade de terapia intensiva neonatal. REINPEC-Revista Interdisciplinar Pensamento Científico, v.1, n.2, 2015. Disponível em: Acesso em: 22 set. 2017.

APISARNTHANARAK, A.; HOLZMANN-PAZGAL, G.; HAMVAS, A. ; OLSEN, M.A.; FRASER , V.J. Ventilator- Associated Pneumonia in Extremely Preterm Neonates in a Neonatal Intensive Care Unit: Characteristics, Risk Factors, and Outcomes. Pediatrics, v.112, n.6, p.1283-1289, 2003. Disponível em: Acesso em: 02 set. 2017.

AURITI, C.; MACCALLINI, A.; DI LISO, G.; DI CIOMMO, V.; RONCHETTI, MP.; ORZALESI, M. Risk factors for nosocomial infections in a neonatal intensive-care unit. J HospInfect v.53, p.25-30, 2003. Disponível em: Acesso em: 12 jun. 2017.

AZAMBUJA, E.P.; PIRES, D.P.; VAZ, M.R.C. Prevenção e controle da infecção hospitalar: As interfaces com o processo de formação do trabalhador. Texto Contexto Enferm. v.3, (n.esp) p.79-86, 2004.Disponível em: Acesso em: 16 mai. 2017.

BAI-HORNG SU.; HSIN-YANG HSIEH.; HSIAO-YU CHIU.; HSIAO-CHUAN LIN.; HUNG-CHIH LIN. Nosocomial infection in a neonatal intensive care unit: A prospective study in Taiwan.American Journal of Infection Control, v.35, p.190-195, 2007. Disponívelem: Acessoem: 02 nov. 2017.

BRASIL. Ministério Da Saúde. Expede na forma de anexos diretriz e normas para a prevenção e controle das infecções hospitalares: Portaria Nº 2.616, de 12 de maio de 1998. Diário Oficial da União, República Federativa do Brasil, Brasília (DF), jul 1998.

BRASIL. Ministério Da Saúde. Protocolo para a prática de higiene Das mãos em serviços de saúde. Protocolo integrante do ProgramaNacional de Segurança do Paciente, Brasília, DF, 2013.

BONTEN, M. J. M.; KOLLEF, M. H.; HALL, J. B. Risk Factors for Ventilator- Associated Pneumonia: From Epidemiology to Patient Management.ClinicalInfectiousDiseases, v.38, p.1141-1149, 2005. Disponível em: Acesso em: 16 ago. 2017.

BORGES, R.M.; SOARES, L.R.; BRITO, C.S.; BRITO, D.V.D.; ABDALLAH, V.O.S.; FILHO, P.P.G. Fatores de risco associados à colonização por Candida spp em neonatos internados em uma Unidade de Terapia Intensiva Neonatal brasileira. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical v.42 n.4 p.431-435, jul-ago, 2009. Disponível em: Acesso em: 05 mai. 2017.

BOSZCZOWSKI, Í. Surto de Klebsiellapneumuniae B-lactamase de espectro estendido relacionado á colonização persistente das mãos de uma profissional de saúde em uma unidade de terapia intensiva neonatal. Universidade de São Paulo 2007. Disponível em: Acesso em: 05 set. 2017.

BUENO, A.C. Avaliação da implantação de potenciais boas práticas para prevenção de infecção hospitalar em uma Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. 2008. Tese (Pós-graduação em Saúde da Criança e da Mulher) Fundação Oswaldo Cruz. Instituto Fernandes Figueira. Rio de Janeiro, maio de 2008.

CAMPOS, L.A.; MARTINEZ, M.R.; NOGUEIRA, P.C. Adesão à técnica de lavagem de mãos em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. Revista Paulista de Pediatria. v.27, n.2, p.179-85, 2009. Disponível em: Acesso em: 03 abr 2017.

CARVALHO, M.L,; ARAÚJO, T.R.N.; SANTOS, C.F.B.; SOUSA, A.F.L.; MOURA, M.E.B. Infecções hospitalares em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. Rev. Interd. v.7, n.4, p.189-198, 2014. Disponível em: Acesso em: 17 mar. 2017.

CDC. CENTERS FOR DISEASE CONTROL AND PREVENTION. The National Healthcare Safety Network (NHSN) Manual. PatientSafetyComponentProtocols, Atlanta, GA, USA 2008.

CATARINO, C.F.; MARTINS, A.C.S.; SILVA, A.P.A.M.; GOMES, A.V.O.; NASCIMENTO, M.A.L. Perfil epidemiológico das infecções primárias de corrente sanguínea em uma unidade de terapia intensiva neonatal. R. pesq.: cuid. fundam. Online, v.5 n.1 p.3229-37, jan/mar. 2012. Disponível em: Acesso em: 05 mai. 2017.

CONSOLO, L. C.; PALHARES, D. B.; CONSOLO, L. Z. Avaliação da função pulmonar de recém-nascidos com síndrome do desconforto respiratório em diferentes pressões finais expiratórias positivas. Jornal de Pediatria, v. 78, n.5, p. 403-408, 2002. Disponível em: Acesso em: 02 ago. 2017.

COUTO, R.C.; CARVALHO, E.A.; PEDROSA, T. M.; PEDROSO, E.R.; NETO, M.C.; BISCIONE, F.M. A 10 yearprospectivesurveillanceof nosocomial infections in neonatal intensivecareunits.Am J InfectControl. v. 35, n.3, p. 183-9, Abr. 2007. Disponível em: Acesso em: 28 ago. 2017.

CUNHA, R.C.M.L.; ARAÚJO, G.C.; BORGES, M.R.M.M.; QUEIROZ, M.V.F.; PIMENTA, R.S. Prevalência de sepse e fatores de risco em neonatos de unidade de terapia intensiva de referência em Palmas, Tocantins, Brasil. Rev. panam. infectol, p. 86-94, 2014. Disponível em: Acesso em: 04 nov. 2017.

DAL-BÓ, K.; SILVA, R.M.; SAKAE, T.M. Infecção hospitalar em uma Unidade de Terapia Intensiva Neonatal do Sul do Brasil. Rev. Bras. Ter. Intensiva, v.24 n.4 p.381-385, 2012. Disponível em: Acesso em: 14 mar. 2017.

ESCOBAR, A. M.; ROCHA, S.; SZTAJNBOK, S.; EISENCRAFT, A.; GRISI, S. Sepse por Klebsiellapneumoniae: revisão de 28 casos. Jornal de Pediatria. v. 72, n. 4, 1996. Disponível em: Acesso em: 23 ago. 2017.

FOGLIA, E.; MEIER, M.; ELWARD, A. Ventilator-associated pneumonia in neonatal and pediatric intensive care unit patients. ClinicalMicrobiologyReviews, v.20, n.3, p. 409-425, 2007. Disponível em: Acesso em: 01 set. 2017.

GONÇALVES, N.F. Artigos, superfícies e equipamentos utilizados em unidades de terapia intensiva neonatal e pediátrica contaminados por Staphylococcus spp. resistentes aos antimicrobianos. 2013. Disponível em: Acesso: 23 set. 2017.

HOELZ, C.; CAMARGO, L.F.A.; BARBAS, C.S.V. Pneumonias Nosocomiais. In: KNOBEL, E. Terapia Intensiva: pneumologia e fisioterapia respiratória. São Paulo: Atheneu, 2004.

IZQUIERDO, G.Y.; SANTOLAYA, M.E. Invasive candidiasis in newborns: diagnosis, treatment and prophylaxis Rev ChilenaInfectol. v.31 n.1 p.73-83, 2014. Disponível em: Acesso em: 09 out. 2017.

JOBE, A.H.; BANCALARI, E. Bronchopulmonary Dysplasia. American Journal of Respiratory and Critical Care Medicine, v.163, p.1723-1729, 2001. Disponível em: Acesso em: 04 out. 2017.

KELLY, M.S.; BENJAMIN, D.K.; SMITH, P.B. The Epidemiology and Diagnosis of Invasive Candidiasis Among Premature Infants.ClinPerinatolv.42 p.105-17, 2015. Disponível em: Acesso em: 09 nov. 2017.

KRISTÓF, K.; SZABÓ, D.; MARSH, J.W.; CSER, V.; JANIK, L.; ROZGONYI, F.; NOBILIS, A.; NAGY, K.; PATERSON, D.L. Extended-spectrum beta-lactamase-producing Klebsiella spp. in a neonatal intensive care unit: risk factors for the infection and the dynamics of the molecular epidemiology. European Journal of Clinical Microbiology & Infectious Diseases, v.26, n.8, p.563-570, 2007. Disponível em: Acesso em: 30 set. 2017.

LAING, A.I.; GIBB, P.A.; MCCALLUM, A. Controlling an outbreak of MRSA in the neonatal unit: a steep learning curve. ArchDis Child Fetal Neonatal Ed 2009 n.94 p.F307–F310, 2009. Disponível em: Acesso em: 18 abr. 2017.

LOPES, G.K.; ROSSETTO, E.G.; BELEI, R.A.; CAPOBIANGO, J.D.; MATSUO, T. Estudo epidemiológico das infecções neonatais no Hospital Universitário de Londrina, Estado do Paraná. Acta Scientiarum. Health Sciences, v. 30, n. 1, 2008. Disponível em: Acesso em: 14 mar. 2017.


MACHADO, C.D.; ANTUNES, F.S.; DE SOUZA, P.A. Incidência de infecções primárias na corrente sanguínea em uma UTI neonatal. Arquivos Catarinenses de Medicina, v.46, n.2, p.88-96, 2017. Disponível em: Acesso em: 04 ago. 2017.

MALIK, R.K.; GUPTA, R.K.Two Year Experience in Continuous Positive Airway Pressure Ventilation Using Nasal Prongs and Pulse Oximetry.Medical JournalArmedForces India, v. 59, n.1, p. 36-39, 2003. Disponível em: Acesso em: 02 out. 2017

MANZO, B.F.; CORRÊA, A.R.; ROCHA, L.L.M.; BARROS, S.; BUENO, M.; VELOSO, M.A. Utilização do bundle de acesso venoso central em unidades neonatal e pediátrica: revisão integrativa. Revista de enfermagem UFPE online-ISSN: 1981-8963, v. 9, n. 4, p. 8111-8122, 2015. Disponível em: Acesso em: 04 out. 2017.

MANZONI. P.; MOSTERT, M.; JACQZ-ALGRAIN, E.; STRONATI, M.; FARINA, D. Candida colonization in the nursery.JPediatr. v.88 n.3 p.187-90, 2012. Disponível em: Acesso em: 28 set. 2017.

MATOS, E.N.; LOPES, J.O. Infecção hospitalar em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. Ações preventivas de enfermagem: uma revisão bibliográfica da literatura. Dissertação (Graduação Bacharel em Enfermagem), Faculdade Padrão, Goiânia, GO, 2014.

MEIRELES, L.A.; VIEIRA, A.A.; COSTA, C.R. Avaliação do diagnóstico da sepse neonatal: uso de parâmetros laboratoriais e clínicos como fatores diagnósticos. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 45, n. 1, 2011. Disponível em: Acesso em: 18 abr. 2017.

MENDONÇA M. Serviço de controle de infecções hospitalares na prevenção da pneumonia associada à ventilação mecânica. Prática Hospitalar. 2009; 9(66):55-6.Disponível em: Acesso em: 05 nov

MOURA, M.E.B.; CAMPELO, S.M.A.; BRITO, F.C.P.; BATISTA, O.M.A.; ARAÚJO, T.M.A.; OLIVEIRA, A.D.S. Infecção hospitalar: estudo de prevalência em um hospital público de ensino. Rev. Bras. Enferm. Brasília v.60, n.4, p.416-21, 2007. Disponível em: Acesso em: 16 mai. 2017.

MURRAY, P.R.; PFALLER, M.A.; ROSENTHAL, K.S. Microbiologia médica. 5 ed. Rio de Janeiro: 2009.

NAGATA, E.; BRITO, A.S.J.; MATSUO, T. Infecções hospitalares em uma unidade de terapia intensiva neonatal: um estudo de coorte de três anos. JournalofInfectControl v.4 n.1p.01-05, 2015. Disponível em: Acesso em: 24 mai. 2017.


OLIVEIRA, A.C.; KOVNER, C.T.K.; SILVA, R.S. Infecção hospitalar em unidade de tratamento intensivo de um hospital universitário brasileiro. Rev. Latino-Am. Enfermagem v.18 n.2 08 telas, 2010. Disponível em: Acesso em: 10 mai. 2017.


PAULA, P.A.O.; SALGE, A.K.M.; PALOS, M.A.P. Infecções relacionadas à assistência em saúde em unidades de terapia intensiva neonatal: uma revisão integrativa. Rev. Eletrônica Trimestral de enfermagem, n.45, p.523, 2017. Disponível em: Acesso em: 17 mar. 2017.

PEREIRA, F.G.F.; CHAGAS, A.N.S.; FREITAS, M.M.C.; BARROS, L.M.; CAETANO, J.Á. Caracterização das infecções relacionadas à assistência à saúde em uma Unidade de Terapia Intensiva. Rev. Vigil. Sanit. Debate v.4, n.1, p.70-77, 2016. Disponível em: Acesso em: 24 mai. 2017.

PESSOA-SILVA, C.L.; RICHTMANN , R.; CALIL, R.; SANTOS, R.M.; COSTA, M.L.; FROTA, A.C.; WEY, S.B. Healthcare associated infections among neonates in Brazil. InfectControlHospEpidemiol. N.25: p.772-7, 2004. Disponível em: Acesso em: 12 jun. 2017.

PINHAT, E.C.; BORBAI, M.G.S.; FERREIRAI, M.L.; FERREIRAI, M.A.; FERNANDESI, R.K.; NICOLAOUI, S.K.; OKAMOTO, C.T.; NETO, C.F.O.Fungalcolonization in newborn babies ofverylowbirthweight: a cohortstudy. Jornal de Pediatria. v.88 p. 211-216, 2012. Disponível em: Acesso em: 04 nov. 2017.

PINHEIRO, M.S.B.; NICOLETTI, C.; BOSZCZOWSK, I.; PUCCINI, D.M.T.; RAMOS, S.R.T.S.R. Infecção hospitalar em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal: há influência do local de nascimento? Rev. Paul. Pediatr. v.27 n.1 p.6-14, 2009. Disponível em: Acesso em: 14 mar. 2017.

REIS, A.T.; LUCA, H.M.; RODRIGUES, B.M.R.D.; GOMES, O.; VERÔNICA, A.Incidência de infecção associada a cateteres venosos centrais em uma Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. Revista de Pesquisa: Cuidado e Fundamental, v. 3, n. 3, 2011. Disponível em: Acesso em: 01 set. 2017.

REISS, I.; BORKHARDT, A.; FÜSSLE, R.; SZIEGOLEIT, A.; GORTNER, L.G. Disinfectant contaminated with Klebsiellaoxytoca as a source of sepsis in babies. The Lancet, v. 356, p. 310, jul, 2000. Disponível em: Acesso em: 23 abr. 2017.

ROMANELLI, R.M.C.; ANCHIETA, L.M.; MOURÃO, M.V.A.; CAMPOS, F.A.; LOYOLA, F.C.; MOURÃO, P.H.O.; ARMOND, G.A.; CLEMENTE, W.T.; BOUZADA, M.C.F. Risk factors and lethality of laboratory-confirmed bloodstream infection caused by non-skin contaminant pathogens in neonates. Jornal de Pediatria (Versão em Português), v. 89, n. 2, p. 189-196, 2013. Disponível em: acesso em: 03 mar. 2017.

ROMANELLI, R.M.D.C.; ANCHIETA, L.M.; MOURÃO, M.V.A.; CAMPOS, F.A.; LOYOLA, F.C.; JESUS, L.A.D.; ARMOND, G.A.; CLEMENTE, W.T. Infecções relacionadas à assistência a saúde baseada em critérios internacionais, realizada em unidade neonatal de cuidados progressivos de referência de Belo Horizonte, MG. Revista Brasileira de Epidemiologia, v16 n.1, p.77-86, 2013. Disponível em: Acesso em: 20 mar. 2017.

ROSADO, V.; ROMANELLI, R.M.C.; CAMARGOS, P.A.M. Fatores de risco e medidas preventivas das infecções associadas a cateteres venosos centrais. J pediatr. V.87, n.6, p.469-77, 2011. Disponível em: Acesso em 12 out. 2017.

ROYLE, J.; HALASZ, S.; EAGLES, G.; GILBERT, G.; DALTON, D.; JELFS, P.; ISAACS, D. Outbreak of extended spectrum a lactamase producing Klebsiellapneumoniae in a neonatal unit.ArchDisChild Fetal Neonatal. Ed 1999. Disponível em: Acesso em: 28 out. 2017.

SANTOS, D.F. Características microbiológicas de Klebsiellapneumoniae isoladas no meio ambiente hospitalar de pacientes com infecção nosocomial. Dissertação (Mestrado em Ciências Ambientais e Saúde) – Universidade Católica de Goiás, 2006.

SEVERINO, A.J. Metodologia do trabalho científico. 23. ed. ver. atual. São Paulo: Cortez, 2007.

SILVA, A.R.A.; SIMÕES, M.L.C.L.; WERNECK, L.S.; TEIXEIRA, C.H. Infecções relacionadas à assistência à saúde por Staphylococcus coagulase negativa em unidade de terapia intensiva neonatal. Rev. bras. ter. intensiva, v. 25, n. 3, p. 239-244, 2013. Disponível em: Acesso em: 07 set. 2017.

SILVA, J.V.F.; RODRIGUES, A.P.R.A. A infecção nosocomial em unidade de terapia intensiva neonatal. Ciências Biológicas e da Saúde, Maceió, v.3, n.1, p.129-138, 2015. Disponível em: Acesso em: 17 mar. 2017.

SIVASTRAVA, S.; SHETTY, N. Healthcare-associated infections in neonatal units: lessons from contrasting worlds. The Journal of Hospital Infection, v.65, p.292-306, 2007. Disponívelem: Acessoem: 27 set. 2017.

SOARES, L.P.M.A.; OLIVEIRA, R.T.; IRNA, C.R.S.C. Infecções da corrente sanguínea por Candida spp. em unidade neonatal de hospital de ensino da Região Norte do Brasil: estudo dos fatores de risco.Rev Pan-Amaz Saude v.4 n.3 p.19-24, 2013. Disponível em: Acesso em: 25 mar. 2017.

SOUZA, A. B. G. Enfermagem Neonatal cuidado integral ao recém-nascido. São Paulo: Martinari, 2011.

SOUZA, M.T.; SILVA, M.D.; CARVALHO, R. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein.v.8 n.1 p.102-106, 2010. Disponível em: Acesso em: 23 mai. 2017.

STOCCO, J.G.D.; CROZETA, K.; TAMINATO, M.; DANSKI, M.T.R.; MEIER, M.J. Avaliação da mortalidade de neonatos e crianças relacionada ao uso de cateter venoso central: revisão sistemática. Acta paul enferm v.25 n.1 p.90-5, 2012.. Disponível em: Acesso em: 06 nov. 2017.

SUD, S.; SUD, M.; FRIEDRICH, J. O.; ADHIKARI, N.K.J. Effect of mechanical ventilation in the prone position on clinical outcomes in patients with acute hypoxemic respiratory failure: a systematic review and meta-analysis.Canadian Medical AssociationJournal, v.178, n.9, p.1153-1159, 2008. Disponível em: Acesso em: 02 SET. 2017.

TIAN MING YUAN, LI-HUA CHEN, HUI-MIN YU. Risk factors and autcomes for ventilator-associated pneumonia in neonatal intensive care unit patients.JournalofPerinatology Medicine, v.35, p.334-338, 2007. Disponível em: Acesso em: 23, out. 2017.

TOMAZ, V.S.; NETO, F.H.C.; ALMEIDA, P.C.; MAIA, R.C.F.; MONTEIRO, W.M.S.; CHAVES, E.M.C. Medidas de prevenção e controle de infecções neonatais: opinião da equipe de enfermagem. Ver. Rene, Fortaleza, v.12, n.2, p.271-8, 2011. Disponível em: Acesso em: 16 mai. 2017.

TRAGANTE, C.G.; CECCON, M.E.J.R.; FALCÃO, M.C.; SEITI, M.; SAKITA, N.; VIEIRA, R.A. Prevalência de sepse por bactérias Gram negativas produtoras de beta-lactamase de espectro estendido em Unidade de Cuidados Intensivos Neonatal. Revista Paulista de Pediatria, v. 26, n. 1, p. 59-63, 2008. Disponível em: Acesso em: 22 mar. 2017.

VILELA, R.; DANTAS, S.R.P.E.; TRABASSO, P. Equipe interdisciplinar reduz infecção sanguínea relacionada ao cateter venoso central em Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica.Rev paul pediatr v.28 n.4 p.292-8, 2010. Disponível em: Acesso em: 10 out. 2017.

WINN, W.C.; ALLEN, S.D.; JANDA, W.M.; KONEMAN, E.W.; PROCOP, G.W.; SCHRENCKENBERGER, P.C.; WOODS WINN, G.L. Diagnóstico microbiológico: Texto y Atlas en color. 6 ed. Guanabara Koogan, 2008. Disponível em: Acesso em: 05 ago. 2017.

WORLD HEALTH ORGANIZATION - OMS. Orientações sobre a higiene das mãos na área da saúde. Geneva: WHO; 2006. p. 7-13.
Publicado
2018-11-07