PREPARANDO O ESTUDANTE DE MEDICINA PARA O ATENDIMENTO, COMUNICAÇÃO E CUIDADO DA PESSOA USUÁRIA DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS

  • DAYSE VIEIRA SANTOS BARBOSA
  • JULIANE MACEDO
  • MARLUCE MARTINS MACHADO DA SILVEIRA
  • PRISCILA MARIA USEVÍCIUS
  • WILSON NUNES
Palavras-chave: Comunidade terapêutica, transtornos relacionados ao uso de substâncias, educação médica.

Resumo

INTRODUÇÃO: As Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina (Resolução CNE nº 314/2014) preconizam a formação geral, humanista, crítica, reflexiva e ética do graduado, visando a concretizar a comunicação com pessoas, familiares, comunidades e membros das equipes profissionais com empatia, sensibilidade e interesse. Por sua vez, a Conferência Internacional de Ensino de Comunicação em Medicina, realizada em Oxford, em 1996, recomenda, entre itens básicos necessários à formação (graduação) e ao desenvolvimento (educação continuada) do profissional médico, que o ensino deverá orientar e ajudar o estudante no esforço da comunicação centrada no paciente;  que o ensino e a avaliação da comunicação deverão proporcionar o desenvolvimento pessoal e profissional; e que as habilidades estudadas deverão ser avaliadas diretamente na prática. A disciplina “Habilidades em Comunicação” busca desenvolver a relação entre alunos e pacientes drogaditos por meio de metodologias ativas de ensino e aprendizagem, com componente reflexivo, a fim de superar as dificuldades de comunicação. OBJETIVO: Analisar processo de aprendizagem de estudantes do curso de medicina em atividades práticas de comunicação com internos e egressos de uma comunidade terapêutica. MÉTODOS: Relato das experiências de 56 alunos do quarto período do curso de medicina da UniEVANGÉLICA, frente ao desenvolvimento de três intervenções: discussão de filme sobre drogadição, visita a uma comunidade terapêutica e entrevistas com usuários e ex-usuários de substâncias psicoativas e seus familiares. Utilizou-se metodologia qualitativa, por meio da técnica hermenêutico-dialética proposta por Habermas e objetivada por Minayo (2014), para análise dos relatos das vivências dos estudantes nas três atividades propostas. RESULTADOS: Foram evidenciados impactos das três estratégias de ensino-aprendizagem na reflexão e, consequentemente, desconstrução e reconstrução de valores do discente frente à condição da pessoa em drogadição. CONCLUSÃO: Resultados reforçam relevância do ensino de habilidades em comunicação na educação médica e a utilização de práticas reflexivas que contribuem com o desenvolvimento do cuidado integral e empático à pessoa, à família e à comunidade.

Referências

BLASCO PG. Educação médica, medicina de família e humanismo: expectativas, dilemas e motivações do estudante de medicina analisadas a partir de discussões sobre produções cinematográficas. Tese (Doutorado). São Paulo: Universidade de São Paulo (USP), Faculdade de Medicina, 2002.

BLASCO P. G, GALLIAN, D. M. C; RONCOLETTA, A. F. T; MORETO, G. Cinema para o estudante de medicina. Um recurso afetivo/efetivo na educação humanística. Revista Brasileira de Educação Médica, p. 119-128, v. 29, n. 2, 2005.

BLASCO P. G. Humanizando a medicina: uma metodologia com o cinema. Centro Universitário São Camilo. São Paulo, 2011.

GROSSEMAN S; STOLL C. O. O ensino-aprendizagem da relação médico-paciente: estudo de caso com estudantes do último semestre do curso de medicina. Ver. Bras Educ Med. p. 301-308, 2008.

KONRATH, S. et all. Can text messages increase empathy and prosocial behavior? The development and initial validation of text to connect. University of Michigan’s, IRB. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4565638. Acesso em: 21 ago. 2017.

MAKOUL, G.; SCHOFIELD, T. Communication teaching and assessment in medical education: an international consensus statement. Patient Educ. Couns., v. 37, n. 2, p.191-5, 1999.

RIOS, I. C. Subjetividade contemporânea na educação médica: a formação humanística em medicina Tese. (Doutorado). São Paulo: Universidade de São Paulo (USP), Faculdade de Medicina, 2010.

ROGERS, C. Tornar-se pessoa. 4.ed. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

WARNER, R. E. Enhancing teacher affective sensitivity by a videotape program. The Journal of Educational Research, p. 366-368, 1984.
Publicado
2019-07-08