“MÍSTICA FEMININA”: UMA CRÍTICA DO PASSADO?

  • MARCOS DELSON DA SILVEIRA
Palavras-chave: Mística Feminina. Problema sem Nome. Imaginário de Poder. Sociedade Hodierna. Mulher.

Resumo

Este artigo, fundamentado em pesquisas bibliográficas, intenciona uma sucinta reflexão sobre a ideia da “Mística feminina” de Betty Friedan focando no escopo principal do “problema sem nome”. Partindo desse pressuposto latente na obra da autora supracitada, busca-se, no resumo do primeiro capítulo, relatar a percepção de época denunciada para, em comparação, tecer alguns acontecimentos relativamente recentes ligados intrinsecamente ao imaginário de poder construído na sociedade hodierna sobre a ideia do que é uma mulher e dos seus possíveis papéis na sociedade.

Referências

AGÊNCIA BRASIL. Número de assassinato de mulheres no Brasil em 2019 preocupa CIDH. Disponível em: https://www.bol.uol.com.br/noticias/2019/02/04/numero-de-assassinatos-de-mulheres-no-brasil-em-2019-preocupa-cidh.html. Acesso em: 08 mar. 2019.

BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo: fatos e mitos. São Paulo: Difusão Europeia do livro, 1970.

______. O segundo sexo II: a experiência vivida. São Paulo: Difusão europeia do livro 2ªed – tradução de Sérgio Milliet, 1967.

BÍBLIA. Português. Bíblia Sagrada Ave-Maria, 141.ed. São Paulo: Editora Ave-Maria, 1959, (impressão 2001). 1632p.

BLOCH, Marc. Os reis taumaturgos: o caráter sobrenatural do poder régio - França e Inglaterra. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

BORGES, Joana Vieira. Da (des)construção do “clássico”: o Segundo sexo e a Mística feminina no Brasil e na Argentina. Disponível em: http://www.fg2013.wwc2017.eventos.dype.com.br/resources/anais/20/1381836121_ARQUIVO_joana-vieira-borges.pdf. Acesso em: 14 mar. 2019

BRASIL. Programa Nacional de Direitos Humanos. 2010. Disponível em: https://www.ohchr.org/Documents/Issues/NHRA/ProgrammaNacionalDireitosHumanos2010.pdf. Acesso 02 de fev. de 2019

FOX, Margalit. Morre Betty Friedan, pioneira na luta pelos direitos das mulheres. Jornal Folha de São Paulo, São Paulo, segunda-feira, 06 de fevereiro de 2006. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/fsp/mundo/ft0602200609.htm. Acesso em: 14 mar. 2019

FRAZÃO, Dilva. Malala Yousafzai: militante dos direitos das crianças. e-biografia. Disponível em: https://www.ebiografia.com/malala/. Acesso em: 08 mar. 2019.

FRIEDAN, Betty. Mística feminina – Tradução de Áurea B. Weissemberg. Rio de Janeiro: Vozes, 1971.

OLIVEIRA, KELLY. Agência Brasil. A partir de hoje, mulheres sauditas ganham o direito de dirigir. Online 2018. Disponível em: http://agenciabrasil.ebc.com.br/internacional/noticia/2018-06/partir-de-hoje-mulheres-saudistas-ganham-direito-de-dirigir. Acesso em: 08 mar. 2019.

OPAS Brasil, novembro de 2018. Disponível em: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5812:quase-60-das-mulheres-em-paises-das-americas-sofrem-violencia-por-parte-de-seus-parceiros&Itemid=820. Acesso em: 09 mar. 2019.

PAULO VI. Carta Encíclica Octogesina Adveniens, 1971. Disponível em:
http://w2.vatican.va/content/pauli/pt/apost_letters/documents/hf_pi_apl_19710514_octogesima-adveniens.html. Acesso em: 01 fev. 2019.

MARX, Karl. 18 Brumário de Luiz Bonaparte. São Paulo: Boitempo, 2011.

SCALA, Jorge. IPPF: a multinacional da morte. Anápolis: Múltipla Gráfica e editora, 2004.

SILVEIRA, Marcos Delson da. Marxismo e revolução cultural no Brasil: a política como instrumento de ascensão do mal. Goiânia: Kelps, 2019.
Publicado
2019-07-08