O PRINCÍPIO DA INSIGNIFICÂNCIA E SUA APLICABILIDADE NO DIREITO PENAL BRASILEIRO

  • PRISCILLA RAISA MOTA CAVALCANTI Faculdade Raízes. Anápolis, Goiás, Brasil.
  • MARIA AUXILIADORA DA SILVA Faculdade Raízes. Anápolis, Goiás, Brasil.
Palavras-chave: Princípio, Insignificância, Aplicação, Direito Penal

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo central explorar sistematicamente os princípios gerais do direito, com destaque basilar no princípio da insignificância que vem ganhando destaque no cenário jurídico penal brasileiro como causa de excludente de tipicidade dos crimes de bagatela. A aplicação desse princípio tem como finalidade a tentativa de dar maior celeridade, economia processual e a efetiva aplicação das penas que realmente alcancem os objetivos para o quais as leis são criadas. Associada ao Princípio da Insignificância há vários outros princípios, como por exemplo, o da Intervenção Mínima, onde o Direito Pena deve ser aplicado de forma subsidiária e tão somente quando se constatar prejuízo efetivo ao bem tutelado. Ainda não existe no Brasil, norma regulamentadora do Princípio da Insignificância, no entanto, a Jurisprudência, em sua maioria, vem se posicionando pela sua aplicação. O STF e o STJ têm aplicado esse princípio sopesando quatro requisitos essenciais, quais sejam: a mínima ofensividade da conduta; nenhuma periculosidade da conduta; o reduzidíssimo grau de reprovabilidade da conduta e a inexpressividade da lesão ou do perigo de lesão causado ao bem jurídico tutelado. Fato é que sua aplicação fundamenta-se no critério da razoabilidade e tem o objetivo de ocupar o Judiciário com situações consideradas realmente relevantes.

Referências

BATISTA, Nilo. Introdução Crítica ao Direito Penal Brasileiro. 11.ed. Rio de Janeiro: Revan, 2007.

BECCARIA, Cesare. Dos delitos e das penas. Martin Claret: São Paulo, 2007.

BITENCOURT, Cézar Roberto. Tratado de direito penal: parte geral. v.1. São Paulo: Saraiva, 2009.

______. Manual de Direito Penal. v.1. 10.ed. São Paulo: Saraiva, 2008.

______. Código Penal Comentado – 3. Ed. Atual. – São Paulo: Saraiva, 2005.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal, HC. 104820, 2ª T, Relator: Min. Ayres Britto, 2010. Disponível: http://portal.stf.jus.br/jurisprudencia/ Acesso em: 18 de ago 2018.

______. Supremo Tribunal Federal, HC. 94649, 1ª T, Relatora: Min. Carmen Lúcia, 2008. Disponível: http://portal.stf.jus.br/jurisprudencia/ Acesso em: 18 de ago 2018.

RIO GRANDE DO SUL, Superior Tribunal de Justiça, REsp 835.553, 5ªT, Relatora: Min. Laurita Vaz, 2007. Disponível em: http://www.stj.jus.br/portal/site/STJ. Acesso em: 29 de ago 2018.

SÂO PAULO, Supremo Tribunal Federal, HC. 104820, 2ªT, Relator: Min. Ayres Britto, 2010. Disponível em: http://portal.stf.jus.br/jurisprudencia/. Acesso em: 29 de ago 2018.

SÃO PAULO. Superior Tribunal de Justiça. EDcl. no AgRg. no Ag. 100.787/SP 1996/0009507-8, 6ªT, Relator. Min. Luis Vicente Cernicchiaro, 1997. Disponível em: http://www.stj.jus.br/portal/site/STJ. Acesso em: 31 de ago 2018.

SÃO PAULO. Superior Tribunal de Justiça, 6ªT,HC 241.121, Relator: Min. Og Fernandes. Disponível em: http://www.stj.jus.br/portal/site/STJ . Acesso em: 21 set de 2018.
MINAS GERAIS. Superior Tribunal de Justiça. 5ª T, REsp 1206030, Relatora: Min. Laurita Vaz, 2010. Disponível em: http://www.stj.jus.br/portal/site/STJ. Acesso em: 21 set 2018.

RIO GRANDE DO SUL, Superior Tribunal de Justiça, REsp 1.171.199, 5ª T, Relator: Min. Gilson Dipp, 2011. Disponível em: http://www.stj.jus.br/portal/site/STJ . Acesso em: 02 set 2018.

MINAS GERAIS, Tribunal de Justiça, APR: 10105110027031001, 5ª C.C, Relator: Alexandre Victor de Carvalho. 2013. Disponível em: http://www.tjmg.jus.br/portal-tjmg/jurisprudencia/ Acesso em: 02 set 2018.

DISTRITO FEDERAL, Supremo tribunal Federal, HC 112.563, 2ª T. Relator: Min. Ricardo Lewandowski, 2012. Disponível em: http://portal.stf.jus.br/jurisprudencia. Acesso em: 02 set 2018.

RIO GRANDE DO SUL. Superior Tribunal de Justiça, HC 186.728, 5ª T, Relator: Min. Napoleão Nunes Maia Filho, 2011. Disponível em: http://www.stj.jus.br/portal/site/ST . Acesso em: 02 set 2018.

RIO GRANDE DO SUL. Superior Tribunal de Justiça, HC 211.695, 6ª T, Relator: Min. Og Fernandes, 2012. Disponível em: http://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/21812994/habeas-corpus-hc-211695-rs2011-0152543-0-stj/certidao-de-julgamento-21812997. Acesso em: 02 set 2018.

CAPEZ, Fernando. Curso de Direito Penal: parte geral. v.1. 15.ed. São Paulo: Saraiva, 2011.

______. Curso de Direito penal, volume 1: parte geral. 13 ed. São Paulo: Saraiva, 2009.

ESTEFAM, André; GONÇALVES, Victor Eduardo Rios. Direito Penal Esquematizado: parte geral. São Paulo: Saraiva, 2012.

FILHO, Diomar Ackel. O princípio da insignificancia do direito penal. Revista de Jurisprudencia de Alçada de São Paulo. 2008.

GOMES, Luiz Flávio. Princípio da Insignificância e outras excludentes de tipicidade. 3.ed. ver. atual. e ampl. São Paulo. Revista dos Tribunais, 2013.

______. Princípio da insignificância: STF concede quase 1/3 dos HCs. Juízes ainda condenam por um pote de manteiga Disponível em http://www.lfg.com.br - 11 de março de 2011. Acesso em: 01 set 2018.

GRECO, Rogério. Curso de Direito Penal. 11.ed. Rio de Janeiro: Impetus, 2009.

GOMES, Dermeval Farias Gomes Filho. A dimensão do Princípio da Insignificância. Artigo extraído da internet no site: http://mpdft.gov.br. Acesso em 01 set 2018.

JESUS, Damásio E. de Direito Penal, volume 1: parte geral, 30.ed. – São Paulo: Saraiva, 2009.

MAIA, Cândido Furtado Maia Neto. Justiça Penal Democrática e dos Direitos Humanos. Artigo extraído do site www.apmppr.org.br. Acesso em 10 set. 2018.

MASSON, Cleber Rogério. Direito Penal Esquematizado: parte geral. v.1. 4.ed. São Paulo: Método, 2011.

MEIRELLES, Hely Lopes. Direito Administrativo Brasileiro. 23.ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1998.

MIRABETE, Julio Fabbrini. Manual de Direito Penal, volume 1: parte geral, 24ª Ed. rev. E atual. Até 31 de dezembro de 2006. – São Paulo: Atlas, 2007.

NUCCI, Guilherme de Souza. Manual de Direito Penal: parte geral, parte especial. 7.ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2011.

PRADO, Luis Regis. Curso de direito penal brasileiro: parte geral. v.1, 11.ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2011.

QUEIROZ, Paulo de Souza. Direito Penal: Introdução Crítica. São Paulo: Saraiva, 2001.

ROXIN, Claus. Derecho Penal: parte general. Tomo I. Fundamentos. La Estructura De La Teoría Del Delito. Madrid: Civitas, 1997.

SANTOS, Juarez Cirino dos. Direito Penal: parte geral. 3.ed. Curitiba: Lumen Juris, 2008.

SILVA, Igor Luis Pereira e. Princípios Penais. Salvador: Jus Podivm, 2012.

SILVA. Ivan Luiz da. Princípio da insignificância no direito penal. 2.ed. Curitiba: Juruá, 2011.

TOLEDO, Francisco de Assis. Princípios básicos de direito penal. 4ª ed. São Paulo: Saraiva, 1991.

ZAFFARONI, Eugenio Raúl; PIERANGELI, José Henrique. Manual de Direito Penal Brasileiro: parte geral. 3° ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2001.
Publicado
2019-07-01