Da Violência Simbólica E Real Contra A Mulher Autonomia, Religiosidade E Legislação

  • Luís Antonio Alves Bezerra Universidade Católica de Goiânia - UCG
  • Pedro Fernando Sahium Universidade Estadual de Goiás - UCG

Resumo

Resumo:   A transversalidade dos direitos tem uma referência organizada, que defende a indivisibilidade dos direitos, implica no alargamento da concepção de direitos humanos e a ampliação da base das mobilizações, tal como a igualdade, liberdade, fraternidade, solidariedade, justiça e paz social, a condensar direitos civis, políticos, econômicos, sociais, culturais e ambientais. Nas sociedades atuais, portanto, globalizadas e complexas que são, por vezes de forma velada ou sutil, a experiência religiosa, intrincada no modelo patriarcal religioso colonialista, deixou cicatrizes de todos os matizes para a vida das culturas, indígenas e africanas, notadamente para a mulher, a título de pseudovontade divina, como naturalização da violência e ampla resistência à sociedade cultura machista, da proibição da erotização da mulher, mas somente a sacralização do ventre materno. No amálgama de tal contexto estão as vítimas de gênero da criminalidade incontida, que grassou ideologicamente para firmar valores culturais e morais, em detrimento da oprimida mulher, até mesmo legais, mesmo na atual Constituição cidadã, de 1988 que permeou pela igualdade de gênero, para disseminação influenciada pela cultura cristã de há muito, até a data hodierna.Palavras-Chave: Religião. Legislação. Preconceitos. Violência simbólica e real contra a mulher. Abstract: the mainstreaming of human rights has an organized reference, which defends the indivisibility of rights, involves the enlargement of the concept of human rights and the expansion of the base of the mobilizations, such as equality, liberty, fraternity, solidarity, justice and social peace, the condense civil rights, political, economic, social, cultural and environmental.  Current societies, so globalized and complex that are sometimes subtly or subtle, the religious experience, intricate in patriarchal religious colonial model, left scars of all stripes to the lives of indigenous and African cultures, especially for women, the title of divine pseudovontade, as naturalization of violence and widespread resistance to sexist culture society, the stranger was sleek women's ban , but only the sacralization of the womb.  In the amalgam of this context are victims of unrestrained crime that genre has festered ideologically to establish cultural and moral values, at the expense of the oppressed woman, even cool, even in the current Constitution, citizen of 1988 that permeated by gender equality, to spread influenced by Christian culture for a long time, until the date today.Keywords: Religion. Legislation. Prejudices. Symbolic and real violence against women.

Biografia do Autor

Luís Antonio Alves Bezerra, Universidade Católica de Goiânia - UCG
Luís Antônio Alves Bezerra, é aluno do programa de Doutoramento de Ciências da Religião, da Pontifícia Universidade Católica – PUC-GO, Professor Universitário dos Cursos de Graduação e Pós Graduação em Direito da Universidade Salgado de Oliveira-UNIVERSO. Magistrado Presidente da 1ª Turma Recursal Mista da Capital e Juiz Titular do 7º Juizado Especial Cível de Goiânia.  laabdr1@hotmail.com 
Pedro Fernando Sahium, Universidade Estadual de Goiás - UCG
Professor de História Moderna e Contemporânea na Universidade Estadual de Goiás UEG-GO; Mestre em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás PUC-GO e Doutorando em Ciências da Religião pela Pontifícia Universidade católica de Goiás PUC-GO. psahium@hotmail.com

Referências

BÍBLIA DE JERUSALÉM. Les Éditions du Cerf. Paris, 1998. Ed. Revista e ampliada. São Paulo: Paulus, 2002.

BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 1988, 5 ed. p. 31-57; 69-78.

BRASIL. Constituição Federal da República Federativa do Brasil. 35. Ed. São Paulo: Saraiva, 2014.

CUNHA, Rogério Sanches. Violência doméstica: Lei Maria da Penha: comentada artigo por artigo / Rogério Sanches Cunha, Ronaldo Batista Pinto. 5. Ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais 2014.

DIAS, Maria Berenice. A Lei Maria da Penha na justiça: a efetividade da Lei 11.340/2006, de combate à violência doméstica e familiar contra a mulher. 3. Ed. São Paulo. Editora Revista dos Tribunais 2012.

GOHN, Maria da Glória. Movimentos sociais e redes de mobilizações civis no Brasil contemporâneo. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010, p. 15-37 e 89 -125.

LEI 11.340/2006, de 7 de agosto 2006. Presidência da República.
Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos, acessado em 1º de julho de 2015.

LEVINAS, Emmanuel. Totalidade e infinito. Lisboa, Portugal: ed. 70, 1988.

NEPSTAD, Sharon E. e WILLIAMS, Rhys H. Religion in Rebellion, Resistance and Social Movements, in: BECKFORD, J. e DEMERATH, N. J. (orgs.) The Sage HANDBOOK of the Sociology of Religion. London: Sage, 2007, p. 419-437.

OLIVEIRA, Hermelino de; JESUS, Damásio de. A empregada doméstica e a Lei Maria da Penha. Disponível em: www2.mp.pr.gov.br/cpdignid/telas/cep_b16_04.html]. Acesso em 01.07.2015.

SCHERER-WARREN, Ilse. Redes de movimentos sociais. São Paulo: Loyola, 1996, p.109-130.
Publicado
2016-12-13