Aptidão física entre crianças e adolescentes inseridos em um projeto esportivo comunitário

  • Fábio Santana UniEvangélica / UEG
  • Warley Otávio Alves da Mota
Palavras-chave: Aptidão Física. Projeto Esportivo. Saúde. Desempenho.

Resumo

Na atualidade, existe grande preocupação sobre a Aptidão Física de crianças e adolescentes, visto uma crescente onda de inatividade física entre estes, e que favorece o surgimento precoce de doenças crônicas que potencializam ao longo dos anos e que poderia ser evitadas. Assim, o objetivo é identificar os níveis de aptidão física entre crianças e adolescentes inseridos no Projeto Esportivo Comunitário e comparar os resultados entre os grupos. A amostra foi composta por 139 crianças e adolescentes na faixa etária de 7 a 17 anos, inseridos no Projeto Esportivo Comunitário através da AABB Comunidade. Para avaliar os componentes inseridos na Aptidão Física, foi adotado alguns testes provenientes do PROESP-BR (2016), onde foi avaliado as seguintes variáveis: Composição Corporal, Flexibilidade, Resistência Muscular, Força Muscular, Capacidade Aeróbica, Agilidade e Velocidade. Os resultados foram apresentados em percentuais e em valores absolutos, sendo comparados posteriormente entre os grupos masculino e feminino. Através dos resultados obtidos, o grupo masculino sobressaiu ao grupo feminino, atingindo uma classificação superior em todos os testes neuromotores. Em relação à distribuição e composição corporal, o grupo feminino apresentou maior índice de massa corporal, bem como, maior acúmulo de gordura corporal. Porém, os grupos apresentaram valores médios abaixo do esperado pela classificação do PROESP-BR, onde há necessidade de repensar a prática esportiva e outros fatores que podem interferir nas variáveis, para que estes componentes possam ser melhorados, necessitando de mais estudos, em especial, envolvendo controle das aulas com avaliação pré e pós intervenção, contribuindo com a comunidade acadêmica e científica.

Referências

1. Bergmann GG. Alteração anual no crescimento e na aptidão física relacionada à saúde de escolares. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano. 2005:57-61.
2. Araújo DSMS de, Araújo CGS de. Aptidão física, saúde e qualidade de vida relacionada à saúde em adultos. Rev. Bras. Med. Esp. 2000; (5)6:194-203.
3. Ronque VER, Cyrino ES, Dórea V, Serassuelo Júnior H, Galdi EHG et al. Diagnóstico da aptidão física em escolares de alto nível socioeconômico: avaliação referenciada por critérios de saúde. Rev. Bras. Med. Esp. 2007; (2)13:71-76.
4. Tassiano RM. Atividade física em adolescentes brasileiros: Uma revisão sistemática. Rev. Bras. Cineantropom. Desemp. Human. 2007; 9(1):55-60.
5. Fundação Vale. Crescimento, desenvolvimento e maturação. Brasília: Fundação Vale, UNESCO. 2013:5-42.
6. Fundação Vale. Caderno de Referência do Esporte. Brasília: Fundação Vale, UNESCO. 2014:27-33.
7. Ulbrich AZ. Aptidão física em crianças e adolescentes de diferentes estágios maturacionais. Fitness e Perform. 2007; (5)6:277-282.
8. Pitanga FJG. Epidemiologia, Atividade Física, Exercício Físico e saúde. 3 ed. São Paulo: Phorte, 2004.
9. Howley E, Franks BD. Manual de condicionamento físico. 5 ed. Porto Alegre: Artmed, 2008.
10. Luguetti CR, Allessandro HN. Indicadores de aptidão física de escolares da região centro-oeste da cidade de São Paulo. Rev. Bras. Cineantropom. Desemp. Human. 2010; (5)12:331-337.
11. Sharkey BJ. Condicionamento físico e saúde. 5 ed. Porto Alegre: ArtMed: Porto Alegre, 2006.
12. Barbanti VJ. Treinamento Físico: bases científicas. 3 ed. São Paulo: CRL Balieiro, 2001.
13. Glaner MF. Aptidão física relacionada à saúde de adolescentes rurais e urbanos em relação a critérios de referência. Rev. Bras. Ed. Fís. Esp. 2005; (1)19:13-24
14. Mello FAP, Oliveira FMM, Almeida MB. Nível de atividade física não identifica o nível de flexibilidade de adolescentes. Rev. Bras. Ativ. Físic. Saúde. 2009; (1)14.
15. Guedes DP, Guedes JERP, Barbosa DS, Oliveira JA. Atividade física habitual e aptidão física relacionada à saúde em adolescentes. Rev. Bras. Ciênc. Mov. 2002:13-21.
16. França AM, Barbosa, MT. Perfil da composição corporal de mulheres de diferentes faixas etárias praticantes de atividade física regular. Rev. Dig. Ed. Físic. 2007; (1)2:1-13.
17. Alter MJ. Ciência da flexibilidade. 2 ed. Porto Alegre: Artmed Editora, 1999.
18. ACMS. Manual da ACMS para avaliação da aptidão física relacionada à saúde. 3 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. 2011.
19. Heyward VH. Avaliação física e prescrição de exercício: técnicas avançadas. 6 ed. Porto Alegre: Artimed, 2013.
20. Aragão JCB de, Dantas EHM, Dantas BHA. Efeitos da resistência muscular localizada visando a autonomia funcional e a qualidade de vida do idoso. Fitness e Performa. Journal. 2002; (3)1:29-38.
21. Gobbi S, Villar R, Zago AS. Bases teórico-práticas do condicionamento físico. Guanabara Koogan, 2005.
22. Moreira KC, Afonso CA. Estudo Comparativo da Agilidade entre Crianças de Diferentes Ambientes. 2006.
23. PROESP-BR, 2016. Manual de Testes e Avaliação: Projeto Esporte Brasil. In: Gaya A, Lemos A, Gaya A, Teixeira D, Pinheiro E, Moreira R.. Brasília, Ministério do Esporte, 2016.
24. Ãnez, CRR, Hino, Ferreira AA. Manual prático para a aplicação do teste de Vai e Vem de 20m de Léger. Grupo de Pesquisa em Atividade Física e Qualidade de Vida – GPAQ. 2005:2.
25. CNS, 2012. Conselho Nacional de Saúde. Resolução CNS. Nr. 466/2012. Brasília, Ministério da Saúde, 2012.
26. OMS, 2005. Organização Mundial da Saúde. Referências antropométricas para crianças e adolescentes. Brasília, Ministério da Saúde, 2005.
27. Fernandes RA, Casonatto J, Christofaro DGD, Cucato GG, Romanzini M, Ronque ERV. Aptidão cardiorrespiratória, excesso de peso e pressão arterial elevada em adolescentes. Rev. Bras. Med. Esp. 2015; (6)16:404-407.
28. Dumith SC, Azevedo Júnior MR de, Rombaldi AJ. Aptidão física relacionada à saúde de alunos do ensino fundamental do município de Rio Grande, RS. Rev. Bras. Med. Esp. 2008; (5)14:454-459.
29. Grego LG, Monteiro HL, Gonçalves A, Padovani CR. Aptidão Física e Saúde de Praticantes de Dança e de Escolares. Rev. Salusvita. 2006; (2)25:185-200.
30. Minatto G, Silva DAS, Pelegrini A, Fidelix YL, Da Silva AF, Petroski L. Aptidão cardiorrespiratória, indicadores sociodemográficos e estado nutricional em adolescentes. Rev. Bras. Med. Esp. 2015; (1)21:12-16.
31. Feitosa DF, Oliveira JAM de. Capacidade física de velocidade e a relação com desempenho motor dos alunos do Projeto História de Superação. Rev. RedFoco. 2017; (1)4.
32. Silveira MB da, Santos AR dos, Zechin EJ, Faria Jr M, Arcari G. Estudo do desempenho da velocidade em escolares. Rev. Bras. Presc. Fisiol. Exerc. 2017: (66)11:336-342.
33. Petry F, Manchini AR, Rossato VM, Panda MDJ. Características da valência física agilidade dos alunos do PIBID/UniCruz/Educação Física. XVII Seminário Internacional de Educação no Mercosul. UNICRUZ, 2014.
34. Joaquim AG, Santos AR dos, Rosa LF. Correlação entre nível de flexibilidade e desempenho na agilidade em escolares de 7 a 10 anos: um estudo transversal. Rev. Bras. Presc. Fisiol. Exerc. 2017; (71)11;997-1005.
Publicado
2020-07-07
Seção
Artigos