Incidência de lesões em praticantes de crossfit e musculação

  • Juliana de Oliveira
  • Yasmini Portes Carneiro
  • Patricia Espíndola Mota Venâncio Centro Universitário de Anápolis-UniEVANGÉLICA
Palavras-chave: crossfit; musculação; lesões.

Resumo

O objetivo desse estudo foi identificar a incidência e tipos de lesões, quais os locais são mais comuns as dores nos praticantes de crossfit e musculação. A amostra foi composta por 59 indivíduos, sendo 41 do crossfit e 18 da musculação. Foram utilizados dois instrumentos de questionários, um semiestruturado, com 25 questões, que aborda qual a modalidade de treinamento, as patologias e as lesões, e o questionário de prontidão para o esporte com foco nas lesões musculoesqueléticas (MIR-Q), contendo seis questões focadas em avaliar a possibilidade de ocorrer tais lesões ou fatores predisponentes. Como resultado, constatou-se que a maioria dos praticantes de crossfit não possuem nenhum tipo de lesão e que o índice encontrado em musculação foi superior. Porém quanto ao tipo de lesão, as mais acometidas nas modalidades analisadas durante o estudo foram: 9,8% de tendinite no crossfit e na musculação, 5,6%, de torção e estiramento muscular. Os locais de maior incidência de dor no crossfit foram, 9,8% no joelho, 7,3% no punho, seguido de 4,9% no tornozelo e de 2,4% na lombar, enquanto que, na modalidade de musculação esse índice alcançou 5,6% tanto no joelho, quanto na lombar e no tornozelo. Os testes, no presente estudo de caso, nos levam a concluir que a maioria dos praticantes não tem acometimento de lesões em nenhuma das modalidades, porém, na minoria lesionada, as lesões que mais prevaleceram foram citadas acima. 

Referências

1. Lazzoli JK. O exercício físico: um fator importante para a saúde. Rev bras med esport _, 1997;3(3).
2. Tibana RA et al. Two consecutive days of extreme conditioning program training affects pro and anti-inflammatory cytokines and osteoprotegerin without impairments in muscle power. Frontiers in physiology. 2016;7(260).
3. Gomes VDS et al. Análise dos principais tipos de lesões em praticantes de musculação na cidade de cachoeira alta-go. 2013.
4. Montalvo AM et al. Retrospective injury epidemiology and risk factors for injury in crossfit. Journal of sports science & medicine. 2017;16(53).
5. Murer, E. Epidemiologia da musculação. R. Vilarta. Saúde coletiva & atividade física: conceitos e aplicações dirigidos à graduação em educação física. 2007: 33-38
6. Wagner e et al. Estudo de lesões musculares e articulares em praticantes de musculação de uma academia do munícipio de florianópolis. 2013.
7. Sousa EA, Cunha FMAM. Incidência de lesões desportivas advindas da prática do treinamento resistido: uma revisão integrativa. 2016 (214).
8. Beppu SRG, Barros ACS, Junior JM. Motivos que levam as pessoas a escolher e permanecer na prática da musculação. VII encontro internacional de produção científica. Anais eletrônicos. Rio de janeiro. Cesumar, 2011.
9. Feito Y. Prevalence and incidence rates are not the same: letter to the editor. Orthopaedic journal of sports medicine, 2014;2(7).
10. Souza GL, Moreira NB, Campos W. Ocorrência e características de lesões entre praticantes de musculação. Saúde e pesquisa, 2015;8(3): 469-477.
11. Hak PT, Hodzovic E, Hickey B. The nature and prevalence of injury during crossfit training. Journal of strength and conditioning research. 2013.
12. Weisenthal BM, Beck CA, Maloney MD, Dehaven KE, Giordano BD. Injury rate and patterns among crossfit athletes. Orthopaedic journal of sports medicine. 2014; 2(4).
13. Oliva OJ, Bankoff ADP, Zamai CA. Possíveis lesões musculares e ou articulares causadas por sobrecarga na prática da musculação. Revista brasileira de atividade física & saúde. 1998;3(3): 15-23.
Publicado
2020-07-07
Seção
Artigos