Expressões da Violência na Escola: Rupturas e desafios em debate

  • Sheila Daniela Medeiros Santos Universidade Estadual de Campinas (FE/UNICAMP); Universidade Federal de Goiás

Resumo

Esta pesquisa objetivou analisar o modo como as crianças representam a violência na escola, assim como o impacto da experiência de violência nas relações que se instauram no contexto escolar. Para concretizar esse estudo utilizou-se os dados de uma pesquisa qualitativa (Lüdke e André 1986) realizada anteriormente em uma escola pública de ensino fundamental, localizada em Campinas, São Paulo. As análises do material empírico, ancoradas na perspectiva histórico-cultural em Psicologia (Vigotski 1999), evidenciaram fundamentalmente dois aspectos: as crianças recorrem a diferentes modos de linguagem (produções gráficas: desenhos e escrita; gestos;...Palavras-Chave: Violência; Linguagem; Escola; Crianças; Pesquisa Qualitativa.

Biografia do Autor

Sheila Daniela Medeiros Santos, Universidade Estadual de Campinas (FE/UNICAMP); Universidade Federal de Goiás
Doutora em Educação pela Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas (FE/UNICAMP) e Docente no Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Goiás

Referências

Abramovay M, Castro M G, Pinheiro L C, Lima F S, Martinelli C C 2002. Juventude, violência e vulnerabilidade social na América Latina, Brasília, Unesco, Cortez.
Arroyo M G 2007. Quando a violência infanto-juvenil indaga a pedagogia. Educação & Sociedade 28 (100): 787-807.
Benevides M V 1994. Os dreitos humanos como valor universal. Lua Nova, 1(34):179-188.
Bourdieu P 2002. Introdução a uma sociologia reflexiva. In P Bourdieu, O poder simbólico, Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, p.17-58.
Bourdieu P, Chamboredon J C, Passeron J C 1999. A profissão do sociólogo: reliminares epistemológicas, Petrópolis, Vozes.
Candau V M 2001. Reinventar a escola, Petrópolis, Vozes.
Chauí M 1999. Uma Ideologia Perversa. Folha de São Paulo, Caderno Mais, São Paulo, 14 de março, p. 3.
Da Matta R 1982. As raízes da violência no Brasil: reflexões de um antropólogo social. In R Da Matta et al. Violência brasileira, São Paulo, Brasiliense, p. 11-44.
Durkheim E 1978. Da divisão do trabalho social, São Paulo, Abril.
Durkheim E 1982. O suicídio, São Paulo, Brasiliense.
Guimarães A M 2005. A dinâmica da violência escolar: conflitos e ambiguidades, Campinas, Autores Associados.
Lorenz K 1966. On aggression, New York, Hartcourt, Brace & World.
Lüdke M, André M E D A 1986. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas, São Paulo, EPU.
Maffesoli M 1987. Dinâmica da violência, São Paulo, Vértice.
Marx K 2004. Manuscritos Econômico-Filosóficos de 1844, São Paulo, Boitempo.
Marx K, Engels F 1999. A ideologia alemã, São Paulo, Hucitec.
Paoli M C P M 1982. Violência e espaço civil. In R Da Matta et al. A violência brasileira. São Paulo, Brasiliense.
Patto M H S 2007. Escolas cheias, cadeias vazias: notas sobre as raízes ideológicas do pensamento educacional brasileiro. Estudos Avançados, 21 (61): 243-266.
Peralva A 2000. Violência e democracia: o paradoxo brasileiro, Rio de Janeiro, Paz e Terra.
Pino A 1995, Violence in schools in Brazil, Thresholds in Education, XXI(2):11-17.
Santos S D M 2002. Sinais dos tempos: marcas da violência na escola, Campinas, Autores Associados.
Schilling F 2004. Sociedade da insegurança e violência na escola, São Paulo, Moderna.
Sposito M P 2001. Um breve balanço da pesquisa sobre violência escolar no Brasil. Educação e Pesquisa, 27(1): 87-103.
Sussekind E. Aspectos da política prisional no Brasil. 2001 set / dez; (15):12-29. Avaliable from: http://www2.cjf.jus.br/ojs2/index.php/revcej/article/view/425/606
Velho G 1986. As vítimas preferenciais. Ciência Hoje, 5(28): 3-4.
Velho G 2000. O desafio da violência. Estudos Avançados, 14(39): 56-60.
Vigotski L S 1994. A formação social da mente, São Paulo, Martins Fontes.
Vigotski L S 1999. Teoria e método em psicologia, São Paulo, Martins Fontes.
Vigotski L S 2000. Obras Escogidas. (5 Vols.) Madrid, Visor.
Vigotski L S 2009. A construção do pensamento e da linguagem, São Paulo, Martins Fontes.
Zaluar A 1983. Condomínio do diabo: as classes populares urbanas e a lógica do ferro e do fumo. In P S Pinheiro (Org.) Crime, violência e poder, São Paulo, Brasiliense, p. 251-277.
Zaluar A 1995. A autoridade, o chefe e o bandido: dilemas e saídas educacionais. Educação & Sociedade, XVI (53): 694-714.
Publicado
2014-11-27
Como Citar
Santos, Sheila Daniela Medeiros. 2014. Expressões Da Violência Na Escola: Rupturas E Desafios Em Debate. Fronteiras: Journal of Social, Technological and Environmental Science 3 (3), 62-79. https://doi.org/https://doi.org/10.21664/2238-8869.2014v3i3.p62-79.