Goiânia-GO: Um Projeto de Cidade-Jardim que não Resistiu às Forças do Progresso

  • Hamilton Afonso de Oliveira Universidade Estadual de Goiás, UEG, Brasil.
  • Susana Sardinha Beker Universidade Estadual de Goiás, UEG, Brasil.
  • Jonh Moreira Domingos Pontifícia Universidade Católica de Goiás, PUC GOIÁS, Brasil.
Palavras-chave: Goiânia, Áreas Verdes, Cidade-Jardim, Progresso

Resumo

Utilizando-se do método histórico comparativo em uma perspectiva interdisciplinar, principalmente, pelo diálogo da história, urbanismo, arquitetura, paisagismo e educação o presente artigo pretende fazer, além de discussões sobre preservação ambiental, sustentabilidade e qualidade de vida em ambiente urbano, compreender como os habitantes da cidade foram mudando a sua forma de se relacionar com o meio natural ao longo dos anos. Goiânia foi pensada e idealizada para ser, além uma cidade planejada no estilo arquitetônico de cidades-jardim, a futura capital de Goiás que nascia se aproximava dos princípios de uma urbanização sustentável que procurava manter o equilíbrio entre a natureza, economia e sociedade. Utilizando-se de uma documentação variada - planta e plano diretor elaborados por Atílio Corrêa Lima, registros de fotos aéreas, mapas das áreas destinadas a parques e bosques, projetos urbanísticos e planos diretores, relatório urbanístico, dados populacionais, plantas de urbanização de bairros, mapas de loteamentos legais e ilegais - o artigo pretende mostrar que o projeto de construção de Goiânia idealizado por Atílio Corrêa Lima entrevia uma interação entre a cidade, o homem e a natureza ao destinar amplos espaços para a construção de praças, jardins e áreas verdes para o lazer, tendo em vista também, a preservação dos recursos naturais essenciais à a uma cidade que poderia abrigar até 50 mil habitantes. No entanto a partir de 1950 o êxodo rural provocando pela expansão da fronteira agrícola para o Centro-Oeste levou a uma expansão acelerada e desordenada de Goiânia, e consequentemente, a expansão da malha urbana sobre as áreas que deveriam ser de conservação e preservação.

Biografia do Autor

Hamilton Afonso de Oliveira, Universidade Estadual de Goiás, UEG, Brasil.
Doutorado em História pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP, Brasil. Professor na Universidade Estadual de Goiás, UEG, Brasil.
Susana Sardinha Beker, Universidade Estadual de Goiás, UEG, Brasil.
Mestrado Ambiente e Sociedade pela Universidade Estadual de Goiás, UEG, Brasil.
Jonh Moreira Domingos, Pontifícia Universidade Católica de Goiás, PUC GOIÁS, Brasil.
Graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás, PUC GOIÁS, Brasil.

Referências

Ackel LGM 2007. Attílio Corrêa Lima: uma trajetória para a modernidade. 2007. Tese de Doutorado (Arquitetura), Universidade de São Paulo, São Paulo, 342pp. [Acesso 12 nov. 2015]. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/16/16138/tde-17092010-164414/en.php.
Beker SS 2017. Goiânia-GO: um projeto de cidade jardim que não resistiu à força do progresso e do capital imobiliário: 1930-2010. Dissertação (Mestrado), Universidade Estadual de Goiás, Campus Morrinhos. Disponível em: https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=4922942. Acessado em 03 de Jul. de 2018.
Berman M 1986. Tudo que é sólido desmancha no ar: a aventura da modernidade. Companhia das Letras, São Paulo.
Corrêa Lima A 1942a. Plano Diretor da Cidade. IBGE, Goiânia / Rio de Janeiro.
Corrêa Lima A 1942b. Goiânia - a nova capital de Goyáz. IBGE, Goiânia / Rio de Janeiro.
Daher T 2003. Goiânia, uma utopia europeia no Brasil. Instituto Centro-Brasileiro de Cultura, Goiânia.
Daher T 2009. O projeto original de Goiânia. Revista UFG, 11(6):77-91. [Acesso em 03 jun. 2016]. Disponível em: https://www.proec.ufg.br/up/694/o/06_projetooriginal.pdf.
Dutra e Silva S 2014. O desbravador do Oeste e as narrativas do enfrentamento e devastação da natureza na construção da Rodovia Belém-Brasília. Fronteiras: Revista Catarinense de História, 23:21-36.
Godoy AA 1942. Relatório sobre a conveniência da mudança da capital. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Goiânia/Rio de Janeiro.
Goiânia 1938. Decreto-Lei 90-A de 30 de julho de 1938. Sistema de Informação Geográfica de Goiânia - Docs.
Goiânia 1947. Decreto-Lei n.° 574, de 12 de maio de 1947. Aprova o zoneamento do Município de Goiânia. Goiânia.
Goiânia 1971. Lei 4.523 de 31 de dezembro de 1971. Aprova Plano Integrado de Goiânia. Goiânia.
Goiânia 1991. Lei 7042 de 27 de dezembro de 1991. Disponível em https://leismunicipais.com.br/a/go/g/goiania/lei-ordinaria/1991/704/7042/lei-ordinaria-n-7042-1991-dispoe-sobre-a-aprovacao-e-implantacao-no-municipio-de-goiania-de-planos-urbanisticos-integrados-define-suas-caracteristicas-cria-nova-zona-de-uso-e-da-outras-providencias. Acesso em 05 de jul. de 2019.
Goiânia 1999a. Lei Complementar n.065, de 24 de março de 1999. [Acesso em 05 de jul. de 2019]. Disponível em: http://www.goiania.go.gov.br/html/gabinete_civil/sileg/dados/legis/1999/lc_19990324_00000 0065.html.
Goiânia 1999b. Lei Complementar n.066, de 26 de março de 1999. [Acesso em 05 de jul. de 2019]. Disponível em: http://www.goiania.go.gov.br/html/gabinete_civil/sileg/dados/legis/1999/lc_19990 326_000000066.html.
Goiânia 2016. Fotografia Aéreas de Goiânia. Centro de Documentação e Biblioblioteca da SEPLAH.
Goiás 1933. Decreto 3.547, de 06 de julho de 1933. [Acesso em 19 de out. de 2016] Disponível em: http://www.gabinetecivil.go.gov.br/historia/goiania/decreto_3547.pdf.
Howard E 2002. Cidades-jardins de amanhã. 2.ed. HUCITEC, São Paulo.
IEG 2016. Sistema Estadual de Geoinformção de Goiás. SEGPLAN - Governo de Goiás.
Manso CFA 2001. Goiânia: uma concepção urbana, moderna e contemporânea - um certo olhar. Editora do Autor, Goiânia.
Martins Júnior OPM 2007. Arborização urbana & Qualidade de vida: classificação dos espaços livres e áreas verdes. Kelps/UCG, Goiânia.
Martins Júnior OPM 1996. Uma cidade ecologicamente correta. AB, Goiânia.
Moysés A 2004. Goiânia: metrópole não planejada. Ed. Da UCG, Goiânia.
Ribeiro MEJ 2004. Goiânia: os planos, a cidade e o sistema de áreas verdes. Ed. da UCG, Goiânia.
Saia LJ 1962. Plano de Desenvolvimento Integrado: estudo preliminar. Consultores Associados.
Sennett R 2008. Carne e Pedra: o corpo e a cidade na civilização ocidental. Record, Rio de Janeiro.
SEPLANH 2016a. Planta Geral de Goiânia 1938. Centro de Documentação e Biblioteca da SEPLANH, Goiânia.
SEPLANH 2016b. Planta geral de Urbanização de Goiânia - 1947. Centro de Documentação e Biblioblioteca da SEPLAH, Goiânia.
SEPLANH 2016c. Fotos de Satélite da Cidade de Goiânia. Centro de Documentação e Biblioteca da SEPLAH, Goiânia.
SEPLANH 2016d. Plano de Desenvolvimento Integrado de Goiânia (PDIG) 2000. Centro de Documentação e Biblioteca da SEPLAH, Goiânia.
Urbanidades.arq [homepage on the Internet]. Saboya Renato; Cidade Jardim Diagrama nº 3 [updated 2008; cited 2016]. Available from: https://urbanidades.arq.br/.
Wilheim J 1968. Plano de Desenvolvimento Integrado: estudo preliminar. Consultores Associados, Preferitura Municipal de Goiânia.
Wilheim J 1969. Plano de Desenvolvimento Integrado. Consultores Associados; Serete S.A. Engenharia, Prefeitura Municipal de Goiânia.
Publicado
2019-09-01
Como Citar
Oliveira, Hamilton Afonso de, Susana Sardinha Beker, e Jonh Moreira Domingos. 2019. Goiânia-GO: Um Projeto De Cidade-Jardim Que Não Resistiu às Forças Do Progresso. Fronteiras: Journal of Social, Technological and Environmental Science 8 (3), 356-78. https://doi.org/https://doi.org/10.21664/2238-8869.2019v8i3.p356-378.