Percepções na Conservação da Fauna Silvestre Amazônica em Risco de Extinção

Palavras-chave: Conservação da Fauna, Percepções, Transespecificidade, Interespecificidade

Resumo

Esse trabalho apresenta as percepções da fauna silvestre de moradores das comunidades amazônicas participantes dos programas de conservação do gavião-real (Harpia harpyja) e tracajá (Podocnemis unifilis). A partir da observação sistemática e entrevistas semiestruturadas a pesquisa discute a constituição das percepções na conservação dessas espécies-bandeiras, a partir de processos sociohistóricos e saberes ambientais peculiares em cada comunidade. As percepções sobre o gavião-real se fundamentam na intangibilidade da ave, que os permite ora apreciar sua beleza, e ora temer suas poderosas garras. A conservação se embasa no reconhecimento de sua altivez silvestre e manutenção de seu habitat, mesmo que distante da vida comunitária, caracterizando um comportamento interespecífico. As percepções sobre o tracajá se constituem na sua docilidade, utilidade e função quase doméstica. A conservação se embasa no seu comportamento transespecífico, que o caracteriza como integrante “natural” da comunidade. Para essas pessoas, a percepção da conservação dessas espécies se constitui pela proximidade, conhecimento e experiências.

Biografia do Autor

Wagner de Deus Mateus, Secretária de Estado da Educação e Qualidade de Ensino, SEDUC, Brasil.
Doutorado em Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia pela Universidade Federal do Amazonas, UFAM, Brasil. Professor na Secretária de Estado da Educação e Qualidade de Ensino, SEDUC, Brasil.
Maria Inês Gasparetto Higuchi, Universidade Federal do Amazonas, UFAM, Brasil. 
Doutorado em Antropologia Social pela Brunel University London, BRUNEL, Inglaterra. Pesquisadora no Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, INPA, Brasil. Docente na Universidade Federal do Amazonas, UFAM, Brasil. 

Referências

Abbagnano, Nicola. 2007. Dicionário de Filosofia. São Paulo: Martins Fontes.
Andrade, Paulo César Machado. 2012. “O Projeto Pé-de-Pincha Em Números: A Conservação Comunitária de Tracajás (Podocnemis Unifilis).” In Manejo Comunitário de Quelônios No Médio Amazonas e Juruá - Projeto Pé-de-Pincha, edited by Paulo César Machado Andrade, 15–88. Manaus: Gráfica Moderna.
———. 2014. “Manejo Comunitário de Quelônios No Médio Rio Amazonas, Negro, Madeira e Juruá – Programa Pé-de-Pincha.” Manaus.
Aragonés, Juan Ignacio, and María Amérigo. 2002. “Psicología Ambiental: Aspectos Conceptuales y Metodológicos.” In Psicología Ambiental, 24–42. https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=998890.
Banhos, Aureo. 2009. “Genética, Distribuição e Conservação Do Gavião-Real (Harpia Harpyja) No Brasil.” https://bdtd.inpa.gov.br/handle/tede/719.
Bardin, Laurence. 2016. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70.
Batt, S. 2009. “Human Attitudes towards Animals in Relation to Species Similarity to Humans: A Multivariate Approach.” Bioscience Horizons 2 (2): 180–90. https://doi.org/10.1093/biohorizons/hzp021.
Bickford, David, Mary Rose C. Posa, Lan Qie, Ahimsa Campos-Arceiz, and Enoka P. Kudavidanage. 2012. “Science Communication for Biodiversity Conservation.” Biological Conservation 151 (1): 74–76. https://doi.org/10.1016/j.biocon.2011.12.016.
Brasil. 1998. Lei No 9.605, de 12 de Fevereiro de 1998. Dispõe Sobre as Sanções Penais e Administrativas Derivadas de Condutas e Atividades Lesivas Ao Meio Ambiente, e Dá Outras Providências. Brasília: Presidência da República - Casa Civil - Subchefia para Assuntos Jurídicos. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9605.htm.
Brasil, Ministério da Saúde. 1996. Resolução No 196, de 10 de Outubro de 1996. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/1996/res0196_10_10_1996.html.
Castro, Eduardo Batalha Viveiros de Anthropologe. 2013. A Inconstância Da Alma Selvagem : E Outros Ensaios de Antropologia. CosacNaify.
Cavalcante, Sylvia, and Gleice A Elali. 2011. Temas Básicos Em Psicologia Ambiental - Saraiva. https://www.saraiva.com.br/temas-basicos-em-psicologia-ambiental-3648806/p.
Corral-Verdugo, Vı́ctor, Robert B. Bechtel, and Blanca Fraijo-Sing. 2003. “Environmental Beliefs and Water Conservation: An Empirical Study.” Journal of Environmental Psychology 23 (3): 247–57. https://doi.org/10.1016/S0272-4944(02)00086-5.
Curti, Marta, and Ursula Valdez. 2009. “Incorporating Community Education in the Strategy for Harpy Eagle Conservation in Panama.” The Journal of Environmental Education 40 (4): 3–16. https://doi.org/10.3200/JOEE.40.4.3-16.
Descola, Philippe. 2016. Outras Naturezas, Outras Culturas. São Paulo: Editora 34.
Dijk, Peter Paul Van, John B Iverson, Andres G J Rhodin, H Bradley Shaffer, and Roger Bour. 2014. “Turtle Taxonomy Working Group. Turtles of the World. 7th Ed. Annotated Checklist of Taxonomy, Synonymy, Distribution with Maps, and Conservation Status.” https://doi.org/10.3854/crm.5.000.checklist.v7.2014.
Dirzo, Rodolfo, Hillary S. Young, Mauro Galetti, Gerardo Ceballos, Nick J. B. Isaac, and Ben Collen. 2014. “Defaunation in the Anthropocene.” Science 345 (6195): 401–6. https://doi.org/10.1126/science.1251817.
Duarte, Rosália. 2004. “Entrevistas Em Pesquisas Qualitativas.” Educar Em Revista 24: 213.
Dupre, Alain, Berbard Devaux, and Franck Bonin. 2007. Turtles of the World. Johns Hopkins University Press.
Ferguson-Lees, James, and David A. Christie. 2001. Raptors of the World. New York: Houghton-Mifflin Company.
Fernández-Juricic, Esteban. 2000. “Local and Regional Effects of Pedestrians on Forest Birds in a Fragmented Landscape.” The Condor 102 (2): 247–55. https://doi.org/10.1093/condor/102.2.247.
Ferrara, Camila Rudge, Virgínia Campos Diniz Bernardes, Fabiano Waldez, Richard C. Vogt, Rafael Bernhard, Rafael Antônio Machado Balestra, Yeda Soares de Lucena Bataus, and João Victor Campos. 2016. “História Natural e Biologia Dos Quelônios Amazônicos.” In Manejo Conservacionista e Monitoramento Populacional de Quelônios Amazônicos, 16–25.
Fuentes, Agustín. 2010. “Naturalcultural Encounters in Bali: Monkeys, Temples, Tourists, and Ethnoprimatology.” Cultural Anthropology 25 (4): 600–624. https://doi.org/10.1111/j.1548-1360.2010.01071.x.
Ingold, Timothy. 2010. “Da Transmissão de Representações à Educação Da Atenção.” Educação 33 (1): 6–25. http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/viewArticle/6777.
———. 2015. Estar Vivo: Ensaios Sobre Movimento, Conhecimento e Descrição. https://www.amazon.com.br/Estar-vivo-movimento-conhecimento-descrição/dp/853265052X.
Knight, Andrew J. 2008. “‘Bats, Snakes and Spiders, Oh My!’ How Aesthetic and Negativistic Attitudes, and Other Concepts Predict Support for Species Protection.” Journal of Environmental Psychology 28 (1): 94–103. https://doi.org/10.1016/j.jenvp.2007.10.001.
Kolstø, Stein Dankert, Berit Bungum, Erik Arnesen, Anders Isnes, Terje Kristensen, Ketil Mathiassen, Idar Mestad, Andreas Quale, Anne Sissel Vedvik Tonning, and Marit Ulvik. 2006. “Science Students’ Critical Examination of Scientific Information Related to Socioscientific Issues.” Science Education 90 (4): 632–55. https://doi.org/10.1002/sce.20133.
Kortenkamp, Katherine V., and Colleen F. Moore. 2001. “Ecocentrism and Anthropocentrism: Moral Reasoning About Ecological Commons Dilemmas.” Journal of Environmental Psychology 21 (3): 261–72. https://doi.org/10.1006/jevp.2001.0205.
Levi-Strauss, Claude. 1963. Totemism. https://www.abebooks.com/Totemism-Levi-Strauss-Claude-Boston-Beacon-Press/43157675/bd.
Lévi-Strauss, Claude. 1989. O Pensamento Selvagem. Campinas: Papirus.
Marchand, Guillaume. 2013. “Les Conflits Hommes/Animaux Sauvages Sous Le Regard de La Géographie.” Carnets de Géographes, no. 5 (January). https://doi.org/10.4000/cdg.1070.
Marchand, Guillaume, and Felipe Vander Velden. 2017. Olhares Cruzados Sobre as Relações Entre Seres Humanos e Animais Silvestres Na Amazônia (Brasil, Guiana Francesa). Manaus: EDUA.
Marin, Andreia Aparecida. 2004. “Ética, Moralidade e Educação Ambiental.” Interciencia 29 (3). http://ve.scielo.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0378-18442004000300009.
———. 2008. “Pesquisa Em Educação Ambiental e Percepção Ambiental.” Pesquisa Em Educação Ambiental 3 (1): 203–22. https://doi.org/10.18675/2177-580X.vol3.n1.p203-222.
Mateus, Wagner de Deus, and Maria Inês Gasparetto Higuchi. 2018. “Processos Estruturais Do Manejo e Conservação Da Fauna Silvestre Em Risco de Extinção: Casos Amazônicos.” Sustentabilidade Em Debate 9 (3): 64–78. https://doi.org/10.18472/SustDeb.v9n3.2018.18580.
Maturana, Humberto. 2001. Cognição, Ciência e Vida Cotidiana. Belo Horizonte: EdUFMG.
———. 2014. A Ontologia Da Realidade. https://www.amazon.com.br/Ontologia-Realidade-Humberto-Maturana/dp/8542300130.
Maturana, Humberto, and Francisco J. Varela. 2012. A Árvore Do Conhecimento. As Bases Biológicas Do Conhecimento Humano. http://www.palasathena.org.br/editora_interna.php?livro_id=10.
Merleau-Ponty, Maurice. 1999. Livro: Fenomenologia Da Percepcao. https://www.estantevirtual.com.br/livros/maurice-merleau-ponty/fenomenologia-da-percepcao/169579463.
Morin, Edgar. 2002. O Método 1: A Natureza Da Natureza. Porto Alegre: Sulina.
Moser, Gabriel. 1998. “Psicologia Ambiental.” Estudos de Psicologia (Natal) 3 (1): 121–30. https://doi.org/10.1590/S1413-294X1998000100008.
———. 2005. “Psicologia Ambiental e Estudos Pessoas-Ambiente: Que Tipo de Colaboração Multidisciplinar?” Psicologia USP 16 (1–2): 131–40. https://doi.org/10.1590/S0103-65642005000100015.
Mullin, Molly H. 1999. “Mirrors and Windows: Sociocultural Studies of Human-Animal Relationships.” Annual Review of Anthropology 28 (1): 201–24. https://doi.org/10.1146/annurev.anthro.28.1.201.
———. 2002. “Animals and Anthropology.”
Pátaro, Cristina Satiê de Oliveira. 2007. “Pensamento, Crenças e Complexidade Humana.” Ciências & Cognição 12: 134–49. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-58212007000300013.
Pato, Claudia Marcia Lyra, and Maria Inês Gasparetto Higuchi. 2018. “Crenças e Atitudes Ambientais.” In Psicologia Ambiental: Conceitos Para a Leitura Da Relação Pessoa-Ambiente, edited by Sylvia Cavalcante and Gleice A. Elali, 36–46. Petrópolis: Vozes.
Pato, Claudia Marcia Lyra, María Ro, and Álvaro Tamayo. 2005. “Creencias y Comportamiento Ecológico: Un Estudio Empírico Con Estudiantes Brasileños.” Medio Ambiente y Comportamiento Humano 6 (1): 5–22.
Pinheiro, José de Queiroz. 2002. “Comprometimento Ambiental: Perspectiva Temporal e Sustentabilidade.” In Temas Selectos de Psicología Ambiental, edited by Javier Guevara Martínez and Serafín Mercado Domenech, 463–81. México: UNAM-Greco-Fundación Unilibre.
Pinheiro, José de Queiroz, and Hartmut Günther. 2008. Métodos de Pesquisa Nos Estudos Pessoa-Ambiente. Casa do Psicólogo.
Sá, Guilherme José da Silva e. 2013. “‘Afinal, Você é Um Homem Ou é Um Rato?’” CAMPOS - Revista de Antropologia Social 14 (1/2): 243–59. https://doi.org/10.5380/campos.v14i1/2.37272.
———. 2016. “Ascensão Do Chimpanzé: Religião e Política Em Um Evento (Antropo) Zoológico Carioca.” In Parentes, Vítimas, Sujeitos: Perspectivas Antropológicas Sobre Relações Entre Humanos e Animais, edited by Ciméa Barbato Bevilaqua and Felipe Vander Velden, 267–84. Curitiba: Ed. UFPR.
Salera Júnior, Giovanni, Rafael Antônio Machado Balestra, and Vera Lúcia Ferreira Luz. 2016. “Breve Histórico Da Conservação Dos Quelônios Amazônicos No Brasil.” In Manejo Conservacionista e Monitoramento Populacional de Quelônios Amazônicos, 11–14.
Sanaiotti, T. M. 2010. “A Majestosa Harpia No Brasil.” In Harpia, 58–89.
Soares, Elisiario Strike, Fabio Sarubbi Raposo do Amaral, Eduardo Pio M. de Carvalho Filho, Marco Antônio Granzinolli, Jorge Luiz Berger Albuquerque, Jorge Sales Lisboa, Marcos Antônio G. Azevedo, Wanderlei de Moraes, Tânia Margarete Sanaiotti, and Ivens G. Guimarães. 2008. “Plano de Ação Nacional Para a Conservação de Aves de Rapina.” Brasília: ICMBio/MMA.
Suárez, Pedro Álvarez, and Pedro Vega-Marcote. 2009. “Una Propuesta Educativa Para La Sostenibilidad.” In Sostenibilidad, Valores y Cultura Ambiental, edited by Ricardo García Mira and Pedro Vega-Marcote, 87–104. Madrid: Pirámide.
Tisdell, Clem, and Clevo Wilson. 2006. “Information, Wildlife Valuation, Conservation: Experiments and Policy.” Contemporary Economic Policy 24 (1): 144–59. https://doi.org/10.1093/cep/byj014.
Valduga, Mariela, and Rossano André Dal-farra. 2011. “Formação Docente Continuada e Educação Ambiental: Construindo Práticas Compartilhadas.” In Anais Do VIII Encontro Nacional de Pesquisadores Em Educação Em Ciências.
Vargas, José de J., David Whitacre, Rodolfo Mosquera, Jorge Albuquerque, Renzo Piana, Jean-Marc Thiollay, César Márquez, et al. 2006. “Estado y Distribución Actual Del Águila Arpía (Harpia Harpyja) En Centro y Sur América Proarca-APM.” Ornitologia Neotropical 17: 39–55.
Vidal, Marcelo, and Tiago Viana da Costa. 2007. “Manejo Comunitário de Quelônios - a Parceria ProVárzea-Pé de Pincha.” In Criação e Manejo de Quelônios No Amazonas.
Vogt, Richard C. 2008. Tartarugas Da Amazônia. Edited by Walter H. Wust. 1st ed. INPA - Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia.
Wiesenfeld, Esther. 2005. “A Psicologia Ambiental e as Diversas Realidade Humanas.” Psicologia USP. Vol. 16.
Wilson, Clevo, and Clem Tisdell. 2005. “Knowledge of Birds and Willingness to Support Their Conservation: An Australian Case Study.” Bird Conservation International 15 (3): 225–35. https://doi.org/10.1017/S0959270905000419.
Zalasiewicz, Jan, Mark Williams, Will Steffen, and Paul Crutzen. 2010. “The New World of the Anthropocene.” Environmental Science & Technology 44 (7): 2228–31. https://doi.org/10.1021/es903118j.
Zhou, Xue-Hong, Xiao-Tong Wan, Yu-Hui Jin, and Wei Zhang. 2016. “Concept of Scientific Wildlife Conservation and Its Dissemination.” Science Press Zoological Research 37 (5): 270–74. https://doi.org/10.13918/j.issn.2095-8137.2016.5.270.
Publicado
2020-03-04
Como Citar
Mateus, Wagner de Deus, e Maria Inês Gasparetto Higuchi. 2020. Percepções Na Conservação Da Fauna Silvestre Amazônica Em Risco De Extinção. Fronteiras: Journal of Social, Technological and Environmental Science 9 (1), 358-79. https://doi.org/https://doi.org/10.21664/2238-8869.2020v9i1.p358-379.