Os Debates sobre o DDT na Trajetória de Waldemar Ferreira de Almeida (1965-1973): Toxicologia dos Agrotóxicos e Articulação entre Ciência, Saúde e Ambiente

  • Leonardo de Bem Lignani Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca, CEFET/RJ, Brasil.
Palavras-chave: Agrotóxicos, Toxicologia, Waldemar Ferreira de Almeida, DDT

Resumo

Analiso neste trabalho um período na trajetória científica de Waldemar Ferreira de Almeida (1918-1996), médico que desenvolveu pesquisas na área da toxicologia de agrotóxicos entre as décadas de 1940 e 1980. Entre 1965 e 1973, W. F. Almeida coordenou um projeto para desenvolvimento de pesquisas sobre pesticidas no Instituto Biológico de São Paulo, com participação da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) e da Organização Mundial da Saúde (OMS). Neste período, concluiu sua tese de doutorado, pesquisando as concentrações de DDT em indivíduos expostos profissionalmente e em moradores de casas pulverizadas durante campanhas de saúde pública. Estes resultados foram apresentados em um comitê de especialistas em pesticidas da OMS, que pretendia estabelecer orientações para a tentativa de “uso seguro” destas substâncias. Sua trajetória permite compreender as articulações entre questões conceituais e disciplinares das pesquisas toxicológicas sobre agrotóxicos com políticas nacionais e internacionais para a agricultura e a saúde pública.

Biografia do Autor

Leonardo de Bem Lignani, Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca, CEFET/RJ, Brasil.
Doutorado em andamento em História das Ciências e da Saúde pela Fundação Oswaldo Cruz, FIOCRUZ, Brasil. Mestrado em Ecologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, Brasil. Professor no Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca, CEFET/RJ, Brasil.

Referências

Almeida WF 1959. Intoxicações pelos modernos inseticidas. Rev Paul Med 55(5):380-384.

Almeida WF 1960a. Intoxicações por inseticidas fosforados. O Biológico 26(4):75.

Almeida WF 1960b. Intoxicações acidentais humanas por inseticidas. 1.ed, Publicação Inst Biológico n. 112 (Folheto), São Paulo, 15 pp.

Almeida WF, Pereira AP 1963. Parations como principais responsáveis pelos casos acidentais de intoxicações por inseticidas de uso agrícola. O Biológico 29(12):249-257.

Almeida WF 1970. Caderno especial de defensivos agrícolas - Entrevista. Rev Bras de Fertilizantes, Defensivos, Rações, Máquinas e Equipamentos, Sementes e Produtos Veterinários – FIR 12(11):22-35.

Almeida WF, Svetlicic B 1972. Aspectos da saúde pública referentes ao uso de pesticidas no Brasil. O Biológico 38(4):99-104.

Almeida WF 1972a. Níveis sanguíneos de DDT em indivíduos profissionalmente expostos e em pessoas sem exposição direta a este inseticida no Brasil. Tese (Doutorado), Universidade de São Paulo, Departamento de Epidemiologia da Faculdade de Saúde Pública, São Paulo, 80 pp.

Almeida WF 1972b. DDT: morbidity studies on spraymen in Brazil. Paper presented in WHO Expert Committee on Insecticides (Safe Use of Pesticides), Genebra, 15 pp.

Anderson W 2004. Natural Histories of Infectious Disease: Ecological Vision in Twentieth-Century Biomedical Science. Osiris 19:39-61.

Aspelin AL 2003. Pesticide Usage in the United States: Trends During the 20th Century. CIPM Technical Bulletin 105. Center for Integrated Pest Management, North Carolina State University, Raleigh, Carolina do Norte. Disponível em: http://www.pestmanagement.info/pesticide_history/full_doc.pdf.

Brasil 1989. Lei n. 7.802, de 11 de jul. de 1989. Lei dos agrotóxicos. Brasília, DF. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L7802.htm.

Brasil 2009. Lei n. 11.936, de 14 de mai. de 2009. Brasília, DF. Disponível em: http://www.planalto. gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/Lei/L11936.htm.

Bull D, Hathaway D 1986. Pragas e Venenos: Agrotóxicos no Brasil e no Terceiro Mundo. Editora Vozes, Petrópolis, 236 pp.

Carson R 1962 [2010]. Primavera Silenciosa [tradução de Claudio Sant'Anna Martins]. Editora Gaia, São Paulo, 327 pp.

Carvalho MMX, Nodari ES, Nodari RO 2017. “Defensivos” ou “agrotóxicos”? História da percepção dos agrotóxicos no estado de Santa Catarina, Brasil, 1950-2002. Hist Cienc Saúde – Manguinhos 24(1):75-91.

Conis E 2010. Debating the health effects of DDT: Thomas Jukes, Charles Wurster, and the fate of an environmental pollutant. Public Health Rep 125:337-342.

Copplestone JF 1988. The development of the WHO Recommended Classification of Pesticides by Hazard. Bull World Health Organ 66(5):545-551.

Davis FR 2008. On the Professionalization of Toxicology. Environ Hist 13(4):751-756.

Davis FR 2014. Banned: a history of pesticides and the science of toxicology. 1.ed, Yale University Press, New Haven, 288 pp.

Franco CR, Pelaez VA 2016. A (des)construção da agenda política de controle dos agrotóxicos no Brasil. Amb Socied 19(3):215-232.

Fróes HP 1947. A Campanha de Dedetização no Estado do Rio, Brasil. Bol Oficina Sanitaria Panamericana (OSP) 26(11-12):954-956. Disponível em: http://hist.library.paho.org/Spanish/BOL/v26n11-12p954.pdf.

Hochman G, de Mello MTB, dos Santos PRE 2002. Malaria in pictures: images from Brazil ̓s public health campaigns in the first half of the twentieth century. Hist Cienc Saúde - Manguinhos 9(Suppl.):233-273.

Londres F 2012. Agrotóxicos no Brasil: um guia para ação em defesa da vida. 2.ed, AS-PTA - Assessoria e Serviços a Projetos em Agricultura Alternativa, Rio de Janeiro, 200 pp.

McNeill JR 2000. Something New Under the Sun: an Environmental History of the Twentieth-Century World. Norton, New York, 448 pp.

Nash L 2004. The Fruits of Ill-Health: Pesticides and Workers´ Bodies in Post-World War II California. Osiris 19:203-219.

Nash L 2006. Inescapable Ecologies: a History of Environment, Disease and Knowledge. University of California Press, Berkley, 322 pp.

Obeidi BM, D’agostini S, Rebouças MM 2015. A originalidade, competência e dedicação definem Waldemar Ferreira de Almeida. Pag do Inst Biológico 11(1):1-9.

OMS (Organização Mundial da Saúde) 1973. Safe use of pesticides: twentieth report of the WHO Expert Committee on Insecticides. World Health Organization Technical Report Series No 513, Genebra, 55 pp.

OMS (Organização Mundial da Saúde) 2010. WHO pesticide evaluation scheme: 50 years of global leadership. WHO Library Cataloguing in Publication Data, Genebra, 68 pp.

Picado W 2008. Ciencia y geopolítica en los orígenes de la Revolución Verde. Rev de Cienc Amb 36(2):46-56.

Pons A 2013. De los detalles al todo: historia cultural y biografías globales. Hist da Historiografia 12:156-175.

Rebouças MM, Bacilieri S, D'agostini S, Vitiello N, Basso LS, Barbosa E, Pereira JS 2009. O Instituto Biológico e seu Acervo Documental. Cad Hist Cienc – Instituto Butantan 5(1):95-122.

Rosenberg C 1992. Introduction: Framing disease: Illness, society and history. In C Rosenberg, J Golden (Eds). Framing Disease - Studies in Cultural History. Rutgers University Press, New Brunswick, p. xiii-xxvi

Russell E 2001. War and Nature. Fighting Humans and Insects with Chemicals from World War I to Silent Spring. 1.ed, Cambridge University Press, Cambridge, 315 pp.

Silva R, Paiva CH 2015. O governo JK e o Grupo de Trabalho de Controle e Erradicação da Malária no Brasil: encontros e desencontros nas agendas brasileira e internacional de saúde, 1958-1961. Hist Cienc Saúde – Manguinhos 22(1):95-114.

Stepan N 2011. Eradication, Ridding the World of Diseases Forever? 1.ed, Cornell University Press, Ithaca, 312 pp.

Worster D 1994. Nature's Economy – a history of ecological ideas. 2.ed, Cambridge University Press, Cambridge, 507 pp.
Publicado
2018-12-24
Como Citar
Lignani, Leonardo. 2018. “Os Debates Sobre O DDT Na Trajetória De Waldemar Ferreira De Almeida (1965-1973): Toxicologia Dos Agrotóxicos E Articulação Entre Ciência, Saúde E Ambient”e. Fronteiras: Journal of Social, Technological and Environmental Science 7 (3), 123-44. https://doi.org/https://doi.org/10.21664/2238-8869.2018v7i3.p123-144.
Seção
Dossiê - História e Natureza na América Latina