Águas, Fontes e Aguadeiros: Uma reflexão sobre o abastecimento hídrico de Nossa Senhora do Desterro no século XIX

  • Aline Gabriela Klauck Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Brasil.
  • João Klug Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Brasil.

Resumo

No debate do historiador com o seu tempo a temática ambiental se faz cada vez mais presente, e, dentro desta, a temática relativa à água, seus usos em diferentes épocas e em diferentes sociedades, certamente se constitui em um tema de grande relevância. Desta forma, neste texto se propõe uma análise prospectiva do abastecimento hídrico da cidade de Nossa Senhora do Desterro (atual Florianópolis) no século XIX, com destaque aos aspectos materiais e culturais das relações estabelecidas entre os habitantes da cidade e suas águas. Como fontes são utilizados documentos oficiais, como relatórios de Presidente da Província, atas e ofícios da Câmara Municipal de Florianópolis, bem como o Código de Posturas Municipais, de modo a perceber como o poder público, através de leis, regulamentos e decretos, procurava normatizar esses usos e o acesso ao recurso. Busca-se, sob o viés da História Ambiental, atentar para relação dos sujeitos com o mundo natural que os circunda, e, sobretudo, para os usos do recurso natural hídrico, considerando o lugar e o papel que o meio ambiente ocupa nas transformações sociais determinadas historicamente. A presente abordagem historiográfica, sem deixar de considerar uma realidade de mau uso do recurso hídrico, buscou observar os demais aspectos das condições históricas do uso e do gerenciamento deste recurso natural na cidade de Desterro, evidenciando sociabilidades, conflitos, gestos e sensibilidades, entre outras questões relacionadas ao tema.

Biografia do Autor

Aline Gabriela Klauck, Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Brasil.
Mestrado em andamento em História pela Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Brasil.
João Klug, Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Brasil.
Doutorado em História Social pela Universidade de São Paulo, USP, Brasil. Docente na Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Brasil.

Referências

Braudel F 1995. Civilização material, economia e capitalismo: séculos XV-XVIII. Vol. 1, Martins Fontes, São Paulo, 544 pp.
Cabral OR 1979. Nossa Senhora do Desterro. Lunardelli, Florianópolis, 572 pp.
Certeau M 1982. A escrita da história. Forense Universitária, Rio de Janeiro, 385 pp.
Certeau M 2007. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Vozes, Petrópolis/RJ, 351 pp.
Cesco S 2011. Meio ambiente e saúde pública: a urbanização de Nossa Senhora do Desterro no século XIX. Esboços 18(25):142-163.
Corrêa DS 2012-2013. História Ambiental e Paisagem. HALAC 2(1):47-69.
Da Veiga EV 2010. Florianópolis Memória Urbana. 3ª ed. Fundação Franklin Cascaes, Florianópolis, 463 pp.
Drummond JA 1991. História Ambiental: temas, fontes e linhas de pesquisa. Estudos Históricos 4(8):177-197.
Duarte RH 2005a. História e Natureza. Autêntica, Belo Horizonte, 112 pp.
Duarte RH 2005b. Por um pensamento ambiental histórico: o caso do Brasil. Luso-Brazilian Review 41(2):144-161.
Faoro R 2001. Os donos do poder: formação do patronato político brasileiro. 3ª ed. Globo, São Paulo, 929 pp.
Ferreira E 1993. Decisão de implementação de sistema de abastecimento público de água: o caso de Florianópolis e região circunvizinha, Dissertação, Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção e Sistemas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 72 pp.
Martinez PH 2006. História Ambiental no Brasil. Pesquisa e ensino. Cortez, São Paulo, 120 pp.
Martinez PH 2007. O abastecimento de água: vida cotidiana e desigualdade social. In PH Martinez (Org.). História ambiental paulista: temas, fontes, métodos, Editora Senac, São Paulo, p. 69-82.
Pádua JA 2010. As bases teóricas da História Ambiental. Estudos Avançados 24(68):81-101.
Passos EB, Orofino FV. O saneamento básico na Ilha. [cited 2015 Sep 6] Available from: http://www.pmf.sc.gov.br/entidades/infraestrutura/index.php?cms=historia+do+saneamento+em+florianopolis&menu=5
Ramos AA. 1986. Memórias do Saneamento Desterrense. Ed. da CASAN, Florianópolis, 168 pp.
Sant’anna DB 2002. O corpo na cidade das águas: São Paulo (1840-1910). Projeto História 25:99-114.
Sant’anna DB 2004. Vida e morte dos chafarizes na cidade de São Paulo. Revista do Arquivo Histórico Municipal 203(1):81-90.
Sant’anna DB 2007. Cidade das águas: usos de rios, córregos, bicas e chafarizes em São Paulo (1822-1901). Ed. Senac, São Paulo, 320 pp.
Schmidt L, Delicado A 2014. Alterações climáticas na opinião pública. In L Schmidt, A Delicado. (Orgs.). Ambiente, Alterações Climáticas, Alimentação e Energia. Portugal no Contexto Europeu. Imprensa de Ciências Sociais/Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, Lisboa.
Silva D 1989. Os esgotos sanitários de Florianópolis. Dissertação, Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 560 pp.
Worster D 1991. Para fazer história ambiental. Estudos Históricos 4(8):198-199.
Worster D 2012. A natureza e a desordem da história. In JLA Franco, S Dutra e Silva, JA Drummond (Orgs.). História Ambiental: fronteiras, recursos naturais e conservação da natureza. Garamond, Rio de Janeiro, p. 367-384.
Publicado
2017-09-10
Como Citar
Klauck, Aline, e João Klug. 2017. “Águas, Fontes E Aguadeiros: Uma Reflexão Sobre O Abastecimento Hídrico De Nossa Senhora Do Desterro No Século XI”X. Fronteiras: Journal of Social, Technological and Environmental Science 6 (2), 106-26. https://doi.org/https://doi.org/10.21664/2238-8869.2017v6i2.p106-126.
Seção
Dossiê - Gestão das Águas e de Territórios Protegidos