Espécie e Floresta: A araucária nos discursos ambientais e na produção de sentidos para as florestas no Paraná

  • Alessandra Izabel de Carvalho
  • Robson Laverdi

Resumo

O artigo busca analisar como determinadas construções simbólicas, discursivas e imagéticas que engendram efeitos e processos de produção de sentido para a araucária e, na sua esteira, para a floresta com araucária foram pensadas e divulgadas ao longo do século XX no Paraná. Nosso argumento é que a devastação florestal ocorrida no estado tem sido obscurecida por discursividades centradas na espécie e na sua importância para o desenvolvimento econômico do Paraná em paralelo de um certo “esquecimento” da floresta a que ela pertence. Para tanto, centramos a atenção na forma como ambas, espécie e floresta, foram versadas pelo Movimento Paranista, pelos pesquisadores Romário Martins e Francisco Carlos Hoehne e em quatro comunicações apresentadas no 1º Congresso Florestal Brasileiro, realizado em Curitiba no ano de 1953. Palavras chave: Escrita Alfabética; Alfabetismo; Colonização Portuguesa; Mata Atlântica; Período Colonial.

Biografia do Autor

Alessandra Izabel de Carvalho
Doutora em História pela Universidade Estadual de Campinas. Professora da Universidade Estadual de Ponta Grossa, Brasil.
Robson Laverdi
Doutor em História Social pela Universidade Federal Fluminense. Professor da Universidade Estadual de Ponta Grossa, Brasil.

Referências

Carvalho MMX 2010. Uma grande empresa em meio à floresta: a história da devastação da floresta com araucária e a Southern Brazil Lumber and Colonization (1870-1970). Tese de Doutorado, UFSC.
Conclusões finais 1953. Anais... p. 60-61.
Harrison RP 1993. Forests: the shadow of civilizations. Chicago and London: The University of Chicago Presss.
Hoehne FC 1930. Araucarilandia. Observações Geraes e Contribuições ao Estudo da Flora e Phitophisionomia do Brasil. São Paulo: Secretaria da Agricultura, Industria e Commercio do Estado de São Paulo. Companhia Melhoramentos de S. Paulo, p. 6, 113.
Koch Z, Correa MC 2010. Araucária: a floresta do Brasil meridional. Curitiba: Olhar Brasileiro.
Langston N 2005. Reflections: on teaching world forest history. Environmental History; Vol. 10, p. 20-9.
Linhares T 2000. Paraná vivo: um retrato sem retoques. 3º ed. Curitiba: Imprensa Oficial, p. 92.
Maack R 1952. Plano de proteção das matas no Estado do Paraná. Anuário Brasileiro de Economia Florestal, Rio de Janeiro, p. 55-68.
Carvalho EBA 2012. Crítica ambiental de Max von Lassberg e Reinhard Maack: homens do seu tempo. Cadernos de História, Belo Horizonte, v. 13, n. 19, p. 32-52.
Martins R 2013. Cafelândia ou as terras das glebas de ouro: impressões de viagens: 1923. Edição, introdução e notas; Antonio Paulo Benatte, Nelson Dacio Tomazi. Londrina: Eduel, p. 27, 28, 32, 33, 63, 67.
Medeiros JD, Savi M, Brito BFA 2005. Seleção de áreas para criação de Unidades de Conservação na Floresta. Ombrófila Mista. Biotemas, 18(2): p. 33-50.
Muniz PJC 1953. Considerações em torno da política de reflorestamento adotada pelo Instituto Nacional do Pinho. Anais... p. 319-323..
Nodari ES 2012. As florestas do sul do Brasil: entre discursos de preservação e ações de devastação. In: Franco JLA, et al. (orgs.). História Ambiental: Fronteiras, Recursos Naturais e Conservação da Natureza, Rio de Janeiro: Editora Garamond, p. 241-260.
Pereira LFL 1997. Paranismo: O Paraná inventado. Cultura e imaginário no Paraná da I República. Curitiba: Aos Quatro Ventos, p. 88, 142, 143.
Congresso Brasileiro Florestal 1953. Regulamento do 1º Congresso Brasileiro Florestal. Anais... p. 13.
Santos PS dos [s.d.]. Sessão solene de instalação. Anais... p. 40, 43.
Sindicato da Indústria de Serraria [s.d.]. Carpintaria e Tanoaria no Estado de Santa Catarina. Comentários sobre preservação e recuperação das espécies industrializáveis. Anais... p. 349-52.
Sonda C, Bergold RC 2013. Paraná: terra, floresta e gentes. In: Porto L et al. (org.), Memórias dos povos do campo no Paraná. Curitiba: Instituto de Terras, Cartografia e Geociências – ITCG, p. 21-22.
Temístocles L, Martins W 1985. Paraná Vivo; sua vida, sua gente, sua cultura. Rio de Janeiro: José Olympio.
Temístocles L, Martins W 1989. Um Brasil diferente. Curitiba: SEC.
Velloso LGC et all., 1954. Apresentação. Anais do 1º Congresso Brasileiro Florestal. Curitiba: Impressa Oficial do Estado, p. 5.
Westephalen C 1984. Historiografia paranaense. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, Rio de Janeiro, n. 343, abr.-jun, p. 118.
Williams R, 2011. Ideias sobre a natureza. In: Cultura e materialismo. São Paulo: Editora UNESP, p. 89-114.
Nery L 1953. A responsabilidade do I.N.P. no reflorestamento das essências nobres. Anais... p. 389-393.
Maack R 1953. O aspecto fitogeográfico atual do Paraná e considerações sobre o problema do reflorestamento. Anais... p. 149-156.
Morretes L de 1953. O pinheiro na arte. Ilustração Brasileira. Ed. Comemorativa do Centenário do Paraná. Rio de Janeiro, ano XLIV, n. 224, p. 168-169, dez.
Perlin J 1992. História das florestas: a importância da madeira no desenvolvimento da civilização. Rio de Janeiro: Imago, p. 17, 19.
Castella PR, Britez RM de (orgs.) 2004. A floresta com araucária no Paraná: conservação e diagnóstico dos remanescentes florestais / Fundação de Pesquisas Florestais do Paraná; apoio: Projeto de Conservação e Utilização Sustentável da Diversidade Biológica Brasileira – PROBIO. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, p. 8-9.
Martins R 2004. O livro das árvores do Paraná. Curitiba: Gráfica Paranaense, (2ª Edição[1944]), p. 111, 113.
Campanili M, Prochnow M 2006. Mata Atlântica – uma rede pela floresta. Brasília: RMA, p. 75-76.
Bahls AVS 2007. A busca de valores identitários: a memória histórica paranaense. Tese de Doutorado em História. Curitiba, UFPR, p. 110.
Carvalho EB de 2012. A crítica ambiental de Max Von Lassberg e Reinhard Maack. Cadernos de História, Belo Horizonte, v. 13, n. 19, 2º sem.
Publicado
2015-07-31